Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Drbi dos drbis pode definir o campeo

07 de Setembro, 2017
O jogo do próximo domingo, no Estádio 11 de Novembro, entre as formações do 1º de Agosto, com 10 títulos, e do Petro de Luanda, com 15, em minha modesta opinião poderá definir o campeão do Girabola 2017. Existe a probabilidade de, até o dia do jogo, ambas as equipas estarem igualadas no topo da tabela classificativa, ou com uma vantagem de dois pontos dos tricolores ou de um ponto dos militares sobre o Petro.

Se as duas equipas estiverem empatadas em número de pontos o dérbi será disputado a meio gás, especialmente pelo Petro de Luanda, que preferirá não arriscar muito tendo em mente o calendário mais apertado que o seu adversário terá depois deste desafio.
Assim, se o dérbi terminar empatado as duas equipas farão 52 pontos. Entretanto não nos esqueçamos que ao longo dos últimos anos os militares têm mostrado ser uma equipa muito instável especialmente quando têm de correr atrás do prejuízo.

Um dos grandes exemplos disto foi o que aconteceu no jogo que os soldados do rio seco disputaram com o representante do Cunene para a Taça de Angola. Se os rapazes das terras de Mandume fossem um pouco mais ousados, o D’Agosto teria ficado pelo caminho.
Muito recentemente, no jogo contra o Santa Rita, no Uíge, vimos que os militares mais uma vez só não perderam porque os adversários tiveram um certo “respeito” do campeão em titulo, atendendo o seu carisma no Girabola, quando eles poderiam ter resolvido o jogo logo na primeira parte.

Além disso, naquele triste episódio que resultou numa espécie de “guerrinha entre miúdos” com aqueles comunicados das duas direcções, acusando-se mutuamente, em minha opinião o 1º de Agosto cometeu um erro crasso pois demonstrou ter certo medo dos prováveis resultados positivos do seu rival nos jogos em atraso.

A resposta da direcção do Petro foi uma evidencia clara de que eles de facto estavam preocupados com aquela diferença pontual em relação aos militares e temiam perder pontos com o Libolo e o Inter, que a prior eram teoricamente mais fortes que o JGM e o Asa
Portanto, a julgar pelo calendário das duas equipas, depois do clássico, não temos dúvidas de que o 1º de Agosto terá jogos mais difíceis, a saber: contra o Progresso do Sambizanga, o Libolo, o Inter, o Asa e o Kabuscorp.

Mesmo que o D’Agosto vença e fique com três pontos de avanço sobre o Petro, a instabilidade da equipa e o calendário pesado que tem a sua frente serão um grande empecilho para conquista do título. Além disso, o histórico em termos de títulos conquistados deixa a equipa do Catetão um pouco mais tranquilo porque mesmo que percam este campeonato terão mais quatro títulos que o seu rival e ainda podem desculpar-se de estarem a formar uma equipa nova e que só, segundo a sua direção, a partir deste ano é que estão a pensar em altos voos quer a nível nacional, quer em África.

Por outro lado, o Petro de Luanda tem tido uma atitude diferente. Quando está motivada dificilmente claudica, só um acidente de percurso os faz parar. A julgar pelo calendário que lhe resta, se os garotos de Beto Biacchi baterem os soldados de Dragan Jovic, dificilmente serão parados.

Por isso, ao 1º de Agosto só resta uma solução: preparar-se bem psicologicamente para ganhar todos os jogos a partir do dérbi de domingo no 11 de Novembro. Isto implica dizer que nem um empate servirá para os militares em qualquer dos sete jogos que tem em disputa.

Tendo em mente esta realidade, e com o Kabuscorp e o Libolo praticamente longe da corrida, podemos dizer que o título de campeão do Girabola 2017 está mais próximo do tricolores. Mas para isso também terão de lutar com todas as forças. É verdade que esta ideia pode não soar bem aos adeptos do 1º de Agosto. Mas é melhor ver as coisas como elas são e não como nós queremos que sejam. Não se pode pintar uma banana de amarelo só porque a queremos comer.

O máximo que se pode fazer nestas circunstâncias é recorrer a fertilizantes e outras técnicas para fazer o fruto amadurecer rápido, do que pintá-lo de amarelo. Então, esta coisa de as pessoas acreditarem na vitória de sua equipa só porque querem, ignorando a realidade, pode resultar em muitas frustrações e até pode ser fatal! Quantas pessoas já abandonaram o mundo dos vivos por causa de decepções causadas pelos clubes de seu coração?

Então quer sejamos adeptos de uma ou outra equipa temos de aprender a ver as coisas com realismo. Além disso, não nos esqueçamos que o desporto é uma forma de entretenimento. Será que vale a pena colocar a nossa vida em risco por causa de um divertimento?

É claro que não. Por isso, todos aqueles que forem ao Estádio não se esqueçam que o grande objetivo da sua ida àquele local é para se entreterem e apoiarem a sua equipa e não para aleijarem ou saírem aleijados. Pior ainda: na hora da festa, você, adepto, não é tido nem achado. A festa é para os atletas, sócios, amigos e dirigentes dos clubes e normalmente não se envolvem em brigas nos estádios.

Então acate a palavra Fair play. Acho que por ser uma palavra que a maior parte de nós não entende, normalmente tem havido muita confusão nos dérbis. Então, meu caro amigo, se fores ao Estádio no domingo aplique o princípio: trate os outros da mesma forma como você gosta de ser tratado.
AUGUSTO FERNANDES

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »