Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Ecos do DAgosto-Petro e...o controlo por GPS

11 de Fevereiro, 2019
Um colega, que até é meu amigo, foripundo , porque é petrolífero de gema, escreveu nas redes sociais que neste último 1º Agosto-Petro de Luanda, o árbitro João Ngoma \"meteu água\". Porque, no seu entender, deixou de assinalar uma falta. Acha que todos viram com olhos de ver...Dany Massunguna sobre o Vá. E que, se assim não fosse, de outra maneira a história do jogol seria. Mas, isto é verdade ou mentira? É que até a ministra dos Desportos , Ana Paula do Sacramento, disse que houve “fair play” e o próprio Beto Bianchi aceitou a derrota, servida com a quele temperado frango o guarda-redes petrolífero.
Mas, enfim, a questão, essa, deixo-a no ar, porque dois outros assuntos trouxeram-me hoje a este espaço. Primeiro, é sobre a fraca análise dos nossos jogos de futebol”versus\" tecnologias nas equipas.
Acho que, hoje em dia, muitas das nossas no Girabola ZAP andam perdidas: tirando uma ou outra, temos as que forçam a adaptação.Várias continuam longe das tecnologias modernas e, outras persistem ainda no método tradicional, porém, sem a magia dos outros tempos. Estão, digamos, a jogar no \"campo rudimentar\".
Então, defendo eu que, agora que terminou a primeira volta, um dos aspectos particulares que coloco é o seguinte: este ano e, nos anteriores, quantas equipas, por exemplo, adoptaram a moderna abordagem de uso de tecnologia e da criação de bancos de dados, incluindo treino e jogos monitorados por GPS?
Hoje, isto já se vê; já se assiste pelo mundo fora. É tão premente, muito premente mesmo, sobretudo \"nesta era\" em que o futebol, por necessidade, tornou-se um negócio, um empreendimento económico!
A ferramenta digital, ao longo dos anos, no futebol, tornou-se uma importante questão estratégica, até mesmo para a federação, que precisa da análise numérica do campeonato.
Meu segundo assunto é o seguinte: temos todos, mas todos mesmo, de fazer valer um forte trabalho, que faça emanar da federação, na segunda volta do nosso Girabola ZAP, quanto à vigilância a muitos jogadores estrangeiros como reforços das equipas.
Na segunda volta , o meu desejo é que haja já um acompanhamento rigoroso, não só da imprensa e dos adeptos, mas, também, de outras instituições/ órgãos interessadas nos “efeitos colaterais”, que a prova deixa à vista, algumas vezes até a preocuparem as autoridades políticas do nosso portentoso país. Na onda na \"Operação Resgate” o nosso Campeonato tem gente boa?
A minha posição - xenofobia à parte - é que tem de se estancar o ingresso de jogadores estrangeiros de forma fraudulenta em algumas das nossas equipas. Está por arrancar a segunda volta e a preocupação não é só minha; não é nova.
E, se dúvida houver, posso aqui recordar o que há anos, nas vestes de Ministro do Interior, Ângelo da Veiga Tavares, disse, algo como \"colocar dedo ferida\".
Esta alta autoridade tinha, a seu tempo, “avisado” aos dirigentes da nossa federação, e das equipas, que seriam levados à Justiça todos aqueles que facilitassem ou facilitam a atribuição ilegal de cidadania angolana a atletas estrangeiros.
E, vejam, este aviso tinha sido feito num Conselho Consultivo Alargado Conjunto da Delegação Provincial de Luanda do Ministério do Interior e do Comando Provincial da Policia Nacional, onde lembrou à federação e aos clubes que é(ra) necessário a observação dos princípios legalmente estabelecidos.
Portanto, tal constituí, e ainda é, sinal de que há jogadores expatriados no nosso \"association\", que beneficiam de documentos fraudulentos de angolanos, para jogarem no nosso campeonato. Isto, por si só, é motivo para que sejam accionados mecanismo legais, no sentido de se responsabilizarem os infractores, civil e criminalmente.
No meu segundo ponto de hoje, deixa-me dizer que, devido à pobreza dos espectáculos nos jogos do nosso campeonato, muitas vezes por falta de dados que mexam com os adeptos em animadas discussões - e também aos dirigentes, treinadores, enfim - apelo para que as nossas equipas estejam atentas a tudo o que já acontece em todo o mundo, com o advento da análise digital dos jogos.
E isto porquê? Porque o desporto no geral, e o futebol em particular, hoje tornaram-se numa ciência. E, na sequência disso, essa evolução deve ser interiorizada pelos treinadores, jogadores, dirigentes e mesmo pelos jornalistas.
Eu que, noutro tempo, já vibrei como muitos da minha geração, com o espectáculo do jogo da bola de encher olhos, apelo aqui para um rigoroso resgate à adopção de métodos e práticas modernas, no sentido do nosso campeonato ter outra \"vitamina\", que faça vibrar o público.
Em boa verdade, é necessário “adoçar” mais os jogos, o campeonato. Não é em vão que os nossos estádios hoje andam às moscas, se comparados com as décadas de setenta e oitenta.
António Félix

Últimas Opinies

  • 19 de Setembro, 2019

    Capitalizar os Capitas

    Está na baila o que adjectivo por “Caso Capita”, que até onde sei envolve a direcção do Clube Desportivo 1º de Agosto, o agente do jogador, a Federação Angolana de Futebol e a família de sangue do referido atleta, que até prova em contrário, ainda está vinculado ao clube militar, que o inscreveu para a presente época futebolística.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Sinto-me bem na província da Lunda-Norte. As pessoas têm sido fantásticas comigo, em todos os aspectos. Têm-me apoiado bastante e, naturalmente, os jogadores, direcção e todos os membros do clube.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Pensamento de Drogba

    Considerando que a vida é feita de sonhos e ambições, é de todo legítimo o pensamento do antigo internacional costa-marfinense Didier Drogba, em traçar como meta das suas ambições, enquanto homem do futebol, a presidência da Federação Costa-marfinense de Futebol.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    O lado difcil do marketing desportivo

    "Do jeito que vocês estão a trabalhar, o marketing desportivo em Angola, muito abaixo da linha da cintura, creio que este é o pior momento possível para se apostar no sector”, desabafou um especialista brasileiro, numa conversa mantida recentemente em ambiente reservado, com um pequeno grupo de jovens empreendedores, que "sonham" fazer grandes negócios através do marketing desportivo.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O Sagrada é um clube com carisma, mística e sente-se isso na província, quer no dia-a-dia com os adeptos, quer no contacto com as pessoas.

    Ler mais »

Ver todas »