Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Edifcio desportivo erguido desde 1975

12 de Novembro, 2018
O país vive ainda a ressaca dos 43 anos da Independência Nacional, assinalados ontem em todo o território nacional. E a festa prolonga-se por estes dias. São 43 anos marcados desportivamente, pela adopção de uma nova mentalidade desportiva em Angola.
Foi curiosamente num dia 11 de Novembro do memorável ano de 1975, que o país libertava-se das amarras de um regime colonial, que privou durante longos períodos das mais elementares liberdades e do exercício dos direitos, inclusive, o direito à educação física, à prática desportiva sem qualquer tipo de descriminação. Deste modo, a 11 de Novembro de 1975, em Angola, começava a erguer-se um novo edifício desportivo, com uma grande corrente, aos poucos e gradualmente extensiva, que possibilitou às crianças e jovens do país evidenciar as suas potencialidades.
Nesse contexto, modalidades outrora reservada às elites dominantes, passaram, após o período pós-Independência, a observar um aumento exponencial de praticantes. Aconteceu com o xadrez, que saiu das salas restritas para as ruas, com simultâneas gigantes, em que os novos praticantes interagiam com os jogadores mais rodados.
E os resultados, como é óbvio, foram colhidos, volvidos alguns anos. O país ganhou o seu primeiro mestre nacional, na pessoa de Agostinho Adão, e o seu primeiro mestre internacional Manuel Mateus, ao que se seguirem outros jogadores com títulos da Federação Internacional de Xadrez.
Outras modalidades, como o hóquei em patins, também tiveram um percurso quase semelhante, no que concerne à captação de novo talentos. Fruto da massificação desportiva desencadeada ao longo destes anos, a patinagem angolana seguiu um caminho radiante, com jovens jogadores a despontarem e a fazerem as delícias do público cá da casa, como de fora do país, particularmente a partir do momento em que Angola começou a participar, por direito próprio, em campeonatos do mundo, sendo um dos raros países do continente nessa condição.
Em 43 anos de Independência, assinalados ontem, Angola criou premissas, para que os seus cidadãos pudessem tirar proveito da prática regular do desporto e da edução física, como componentes para a elevação da melhoria do seu nível de vida.
A guerra, que durante alguns anos grassou o país, impediu que em todos os cantos a prática desportiva fosse extensiva a toda juventude, mas na generalidade não impediu, que os nossos talentos despontassem. Foi nessa situação, que muitos dos títulos que o país hoje exibe em modalidades como o basquetebol e o andebol, isto só para citar algumas, foram conquistados pelas nossas selecções nacionais e clubes, num tributo patriótico dos nossos atletas aos esforços que o país fazia, para dotá-los do mínimo de condições, para a prática do desporto. E a mais recente conquista do título mundial, pela Selecção de Futebol Adaptado em Guadalajara, México, vem juntar-se nesse rol de conquistas, que Angola alcançou neste anos que temos da nossa Dipanda...
Fontes Pereira

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »