Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Em Angola marketing integra o desporto?

18 de Dezembro, 2017
Acredito que o título deste artigo pode e deverá abrir um precedente em termos de debate porque isto não ver as coisas como se dos dois lados da mesma moeda se tratasse!
É muito mais do que isso, porque as diferenças no marketing entre os países estão directamente relacionadas com o desenvolvimento competitivo em cada sector e com as especificidades culturais de cada povo.
E falando das especificidades culturais de cada povo, a título de exemplo, em Angola a música está muito presente na vida das pessoas e o desporto também, por isso deveria ser naturalíssimo que o marketing a integrasse!
Mas, infelizmente, como sabemos todos, não é isso o que acontece e tampouco é o que se vai vendo na nossa realidade, para não referenciar no nosso dia a dia, muitos mais pelas razões subjectivas e objectivas que apresentarei em seguida, do que propriamente pelas razões conjunturais muitas vezes evocada por muitos que fingem não saber da coisa!
De forma subjectiva, enumero as razões relacionadas com a dimensão do país e o tão aguardado e desejado desenvolvimento que precisa chegar as províncias, municipalidades e localidades.
Esta questão do desenvolvimento sustentável que vai tardando em chegar aos 1.246.700 km2 de superfície terrestre de Angola faz com que as marcas não consigam levar a sua mensagem fora de Luanda e dos grandes centros, com o objectivo de comunicar, de forma mais directa, com o consumidor, o que se aplica, quer na divulgação de produtos e serviços, quer na comunicação corporativa.
Já em relação aos aspectos mais objectivo, o marketing integrado no desporto deveria centrar-se mais na emoção e paixão que as pessoas nutrem pelo desporto do que nas necessidades do mercado.
Embora eu defenda e pense que no marketing é erro fatal virar as \"costas\" ao mercado e às apetências e preferências dos consumidores do referido mercado!
E é, justamente, este, o erro fatal que os clubes e federações desportivas vão cometendo de forma recorrente, sendo que nos próximos anos será dificílimo haver afirmação de marcas desportivas nacionais, quer a nível local, regional, continental e mundial, por não haver uma plataforma, uma estratégia planeada e definida de marketing, que promova os seus maiores activos destas instituições ao ponto de as mesmas gerarem meios e fontes de subsistência económico – financeiros.
É bem verdade que, nesta questão de levar com que o marketing integre o desporto nacional, não se deverá embarcar numa aventura de colocar a carroça a frente dos bois, nem imitar tal como está sendo em outras realidades.
Mas se continuarmos a arranjar mais desculpas, para não aproveitar e explorar o marketing de forma profissionalizada e personalizada até ao \"tutano\", pelo facto de não termos dinheiro, recursos humanos, técnicos, logísticos e administrativos ou porque as coisas estão desorganizadas, nunca, mas nunca mesmo iremos integrar o marketing no desporto nacional, nem que a vaca tussa, matando assim à nascença aquilo que é a promoção do melhor activo ou património dos clubes e federações!
Planear e executar estrategicamente o marketing desportivo dá muito trabalho. Aliás o marketing não simplifica, não diminui, não automatiza o trabalho de ninguém. Aumenta no sentido de procurar alcançar a excelência em termos de conteúdo, imagem, valorização, notoriedade e assim por diante!
Mas no final, o resultado recompensa, porque é muito dinheiro que se vai ganhar, ou como se tem dito na gíria popular, aquilo só vai ser \"tambular e conferir\"!
* Mentor e gestor executivo do fórum marketing desportivo
Nzongo Bernardo dos Santos *

Últimas Opinies

  • 18 de Outubro, 2018

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »