Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinião

Equilíbrio marca 1º terço do Girabola

20 de Abril, 2017
Neste momento, estão disputadas 10 jornadas do Girabola, um terço das 30 previstas. O Recreativo do Libolo, a única equipa angolana a competir nas Afrotaças, disputou apenas 6 jogos, restando-lhe quatro ( Interclube, ASA, JGM e Recreativo da Caála) para igualar a série prevista para este turno.
Ao final deste primeiro terço da prova, há um líder, provisório, diga-se, o 1º de Agosto, que está a seguir os passos da temporada passada, em que os militares do rio seco se sagraram campeões nacionais, quebrando um longo jejum de títulos.

O 1º de Agosto é, neste final do primeiro terço do campeonato, líder interino ou provisório, como queiram, porque o Recreativo do Libolo (13 pontos), se vencer os quatro jogos que tem em atraso, passará a somar 25, desalojando desta forma os militares (23 pontos) da liderança. Mas isto são contas do outro rosário.

Neste primeiro terço do Girabola, o quarteto da frente não é o esperado, os seja os quatro chamados grandes, que de facto têm outros argumentos que os restantes clubes não têm, estão fora da liderança, por causa de um “intruso”, que se chama Sagrada Esperança e devido ao número de jogos do Recreativo do Libolo. 1º de Agosto (23 pontos), Kabuscorp (22), Sagrada Esperança (22) e Petro de Luanda (22) formam o quarteto que lidera a prova neste primeiro terço da prova. Perante estes números posso dizer que o equilíbrio tem sido a nota dominante, embora no resto da tabela haja um fosso significativo. A diferença pontual entre o quarto classificado (22) e o nono (Desportivo da Huíla, 11) já é de onze pontos.

Neste momento, a excepção do Kabuscorp, todas as equipas já conheceram os três resultados possíveis, ou seja, já todas venceram, empataram a perderam. A equipa do Palanca é a única que ainda não saboreou o gosto amargo da derrota. O melhor ataque pertence ao 1º de Agosto, com 17 golos marcados, seguido pelo Sagrada e Kabuscorp, ambas com 15 tentos rubricados. A melhor defesa pertence igualmente a equipa do rio seco com apenas 2 golos sofridos. O pior ataque é o do Santa Rita de Cássia, com apenas 5 golos marcados e a pior defesa é a do JGM com 19 golos sofridos.

O líder 1º de Agosto, Petro de Luanda e o Sagrada Esperança são as formações mais vitoriosas, contando com sete vitórias até ao momento. Os militares e o conjunto de Calulo têm neste momento uma derrota cada. A única derrota do 1º de Agosto foi no terreno do Sagrada Esperança, na sétima jornada, no dia 13 de Março. ASA, Santa Rita de Cássia e JGM são as equipas menos vitoriosas, contando apenas um triunfo até agora, e a Académica do Lobito é a formação mais derrotada na competição, tendo já averbado sete desaires.

O ASA é o “rei dos empates”, neste primeiro terço da prova. Os aviadores já viram as suas partidas terminarem com uma igualdade por cinco ocasiões, metade dos encontros previstos para esta fase do campeonato. Se o Sagrada Esperança tem surpreendido tudo e todos, o mesmo não se pode dizer do Interclube, que jogo após jogo vem decepcionando os seus adeptos. Em 27 pontos possíveis (tem apenas 9 jogos), a equipa do Rocha Pinto já desperdiçou 14. Números comprometedores para um candidato ao título.

Nos últimos anos o Interclube apresentou-se como a quinta força deste campeonato, depois do 1º de Agosto, Petro de Luanda, Recreativo do Libolo e Kabuscorp. Mas neste momento conta com alguns perseguidores que se apresentam bastante fortes. Um desses perseguidores é o Sagrada Esperança, que com Ekran Asma no comando vai realizando uma campanha de destaque, estando neste momento a partilhar a segunda posição com os colossos Petro de Luanda e Kabuscorp.

O Progresso do Sambizanga e o Recreativo da Caála, equipas bem cimentadas no principal escalão do nosso futebol, aparecem neste primeiro terço bem posicionadas e com performances melhoradas em relação a época passada. Aliás, as boas temporadas começam a já não ser uma novidade para os seus adeptos. O ASA quebrou o jejum de oito jogos sem vitórias e subiu ao 11º lugar com oito pontos, os mesmos que o 1º de Maio, a quem venceu (2-1) no último fim-de-semana. Um triunfo, que veio amenizar o clima menos bom que se vive nas hostes do clube do aeroporto.

Desportivo da Huíla, Bravos do Maquis e Progresso da Lunda Sul, equipas que normalmente lutam por um lugar credível na tabela classificativa, estão ainda um pouco distantes desta mesma luta, pelo que ainda têm pela frente mais de metade da competição para recuperar algum terreno perdido. O mesmo se pode dizer da Académica do Lobito. Com mais 20 jornadas para realizar, espero que as lutas pelos vários objectivos sejam intensas até final. Muita água vai ainda correr por debaixo da ponte.
Policarpo da Rosa

Últimas Opiniões

  • 17 de Agosto, 2017

    Noventa minutos de alto risco

    O Madagáscar é daquelas equipas que não se explicam totalmente pela táctica nem pela técnica.

    Ler mais »

  • 17 de Agosto, 2017

    Citações

    Falámos pouco dele durante a semana passada, mas foi um jogador muito importante.

    Ler mais »

  • 17 de Agosto, 2017

    Limar as arestas

    As angolanas efectuaram um estágio précompetitivo no Brasil durante cerca de duas semanas, disputaram um total de seis
    jogos de controlo, com realce para dois que realizaram com a selecção principal local, que permitiram ao seleccionador nacional tirar as
    devidas ilações de como está o grupo para grande empreitada.

    Ler mais »

  • 16 de Agosto, 2017

    Cartas dos Leitores

    À medida que a equipa cresce, crescem também as capacidades de ultrapassar as divergências

    Ler mais »

  • 16 de Agosto, 2017

    Palancas sem pausa

    Olha-se pelo giro dos ponteiros do relógio e vem a necessidade de procurar tirar maior partido do tempo no desenvolvimento de um trabalho sério e aturado que ajude a equipa a superar debilidades no campo e acertar nos detalhes essenciais

    Ler mais »

Ver todas »