Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Equipas combinaram resultado. Ser?

07 de Março, 2019
As suspeitas de que o 1º de Agosto e o Desportivo da Huíla têm combinado resultados, ao longo das épocas em que o emblema militar da Frente Sul evolui no Girabola Zap, ficaram ainda mais alicerçadas depois do jogo entre ambos, dia 3 do corrente mês e que se saldou num empate a três bolas.
Segundo as imagens televisivas da Zap, o desafio correu dentro da normalidade até perto dos 70 minutos de jogo, altura em que o Desportivo vencia por 3-1. Daí em diante, os jogadores da equipa huilana, sem motivo aparente, parece que desaprenderam a jogar, permitindo assim que o 1º de Agosto chegasse ao empate.
Na verdade, não está em causa o empate, pois os militares do \"Rio Seco\" têm argumentos e competência, para demonstrar a sua força ofensiva com qualquer equipa do nosso campeonato. Mas, a forma como o Desportivo da Huíla facilitou a vida ao 1º de Agosto, é que causou alguma polémica no seio dos seus aficionados.
É importante recordar, que o Desportivo marcou primeiro aos 31 minutos e o 1º de Agosto empatou aos 33. Na segunda parte, os militares da Frente Sul voltaram a marcar aos 72 e aos 76 minutos, portanto a 14 minutos do fim do jogo.
Daí em diante, estranhamente o Desportivo da Huíla desapareceu do jogo. O único jogador, que lutava contra os militares da capital era o guarda redes Ndulo. O mais caricato é que até nos pontapés de canto ou cruzamentos para a área, os jogadores do emblema militar huilano nem saltavam. Sim, nenhum jogador saltava.
A forma em que os pupilos de Mário Soares passaram a abordar o desafio, depois de marcarem o terceiro golo, só se justificaria se os jogadores estivessem totalmente cansados, por um lado, e o 1º de Agosto estivesse a fazer muita pressão, por outro.
Em função do comportamento dos jogadores do Desportivo da Huíla, durante os últimos 14 minutos do desafio, a maior parte das pessoas conclui que os pupilos de Mário Soares receberam ordens para não ganharem o jogo.
Este pensamento, até certo ponto, tem razão de ser, porque em situações normais mesmo que os jogadores do Desportivo da Huíla estivessem tão exaustos no mínimo dos mínimos recorreriam ao anti-jogo, como temos visto em muitos casos, com quedas constantes ao relvado, queima de tempo por parte do guarda redes e assim por diante.
No entanto, situações idênticas podem acontecer. Por exemplo, no jogo inaugural do CAN de 2010, Angola vencia o Mali por 4-0 até aos 78 minutos, se a memoria não me atraiçoa. Em pouco mais de 12 minutos ou menos ainda, o Mali empatou o jogo e se faltassem mais alguns minutos, acredito que dariam a cambalhota ao resultado.
Até hoje ninguém conseguiu perceber o que realmente se passou com os nossos jogadores. Aquele jogo entrou para a história do nosso futebol, como sendo o pior momento de uma Selecção Nacional e não houve necessidade de se fazer um inquérito. E porquê que não? Porque, a prior, não havia motivos para suspeita. Por isso tivemos que aceitar o resultado sem questionar. O que se terá passado com os jogadores? Será que foram subornados? Como se justifica aquela reviravolta do Mali, que havia sido vulgarizada pelos Palancas Negras durante 78 minutos? Não nos esqueçamos que embora aquele jogo tenha entrado para a história do nosso futebol como o pior momento, temos de reconhecer que foi o melhor jogo que Angola já fez num CAN, até ao momento da reviravolta.
Então onde esta o grande problema em não se aceitar ou seja em se desconfiar que houve combinação de resultado no jogo entre O Desportivo e D\'Agosto? O motivo, provavelmente, reside no facto de ambos serem militares. O facto de o Desportivo da Huila ser uma espécie de filial do 1º de Agosto, é o grande motivo da suspeição de que houve ou tem havido combinações de resultados entre ambas equipas.
Temos um outro exemplo. Na época de 2017, o 1º de Agosto foi goleado pela Académica do Lobito, também patrocinada pela Sonangol, equipa com a qual os militares experimentam grandes dificuldades por décadas. Em pleno Estádio 11 de Novembro, o Académica venceu a o \"Pri\" por 3-1 e o resultado só não foi mais volumoso, porque os lobitangas, na altura com Silvestre Pelé no comando técnico, respeitaram em demasia o adversário.
O D\'Agosto foi totalmente dominado pelos estudantes da cidade portuária do Lobito no referido duelo. Porém, no jogo da Taça de Angola , dias depois, a equipa do \"rio Seco\" foi ao Buraco vencer a formação lobitanga por 4-1. Propalou-se, na altura, que a Académica do Lobito não colocou esse jogo na ordem das prioridades, porque poupava energias para o jogo do Girabola, com outro adversário, já que estava em causa a sua permanência na I Divisão.
Vale lembrar ainda que, no tocante aos dois emblemas militares, já houve ocasiões que a actuação do Desportivo levou a que o 1º de Agosto não fosse bem sucedido no Girabola, como aconteceu em 2015, quando os huilanos terminaram na segunda posição com os mesmos números de pontos que o Libolo, que havia sido campeão nacional. Na altura, os militares da Frente impuseram um rigoroso empate aos confrades do \"Rio Seco\", complicando as contas destes na disputa do título. Porém, estando agora em vista um inquérito sobre o empate do domingo último, aguardemos pelo seu desfecho e fica no ar a pergunta: o Desportivo e o 1º de Agosto têm combinado resultados? Augusto Fernandes

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »