Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Erros de arbitragem j fazem morada

09 de Março, 2017
Em Portugal, onde me desloquei para uma consulta de rotina, apercebi-me ao visitar as edições on-line do JA, do JD e da Angop, que a terceira jornada do Girabola ficou marcada por alguns erros de arbitragem, com principal incidência para os jogos Petro de Luanda - Interclube e Progresso -Recreativo do Libolo. Na quarta ronda, a grande incidência ocorreu durante o jogo Kabuscorp -Sagrada Esperança.

Uma jornada, a exemplo da quarta, disputada no pretérito fim-de-semana, em que se assistiram excelentes jogos de futebol, com as equipas a proporcionar espectáculos desportivos acima da média, a valorizar o nosso campeonato que hoje é visto em maior proporção no exterior, graças ao seu patrocinador oficial, a ZAP.

Infelizmente, a arbitragem parece estar em sentido contrário. Cada vez mais assistimos a árbitros “pressionados”, e sem coragem de tomar decisões importantes. Aliás, no mundo do futebol, árbitros incompetentes e desonestos existem em quantidade considerável.

O mal não é de hoje, e vai continuar por muito mais tempo, se as autoridades que têm por missão dirigir a classe, não puser termo à escalada de erros que se verificam semana a semana, nos Estádios de futebol.

Criam-se estruturas milionárias, máquinas empresariais complexas, para se continuar incompreensivelmente à mercê de insuficiências e arbitrariedades de um apito.Estes erros sistemáticos dos nossos homens do apito, em nada dignificam a arbitragem angolana e põem em causa a verdade desportiva que os árbitros, principalmente, têm o dever de salvaguardar.

Como disse acima, o mal não acontece apenas em Angola. Árbitros incompetentes e desonestos existem em todo o mundo, e não apenas no futebol. O mal estende-se as demais modalidades.

Aquando da minha estada em solo português, pude aperceber-me que o Benfica e o FC do Porto, primeiro e segundo classificados do campeonato local, estão em pé de guerra. Cada um acusa o outro, de estar a ser beneficiados pela arbitragem.

O caricato de tudo isso, é que o Benfica, depois de se ter reunido com o Conselho de Arbitragem, em que mostrou provas de que o seu principal adversário na luta pelo título, no caso o FC Porto, estava a ser beneficiado, um dia depois venceu um jogo com ajuda do árbitro.

No jogo da primeira mão, para as meias-finais da Taça de Portugal, o Benfica venceu o Estoril, em casa deste, por 2-1. O golo da vitória foi marcado aos 89 minutos, por Mitroglou, que se encontrava em posição irregular.

A atitude da equipa encarnada, de apresentar provas contra um seu adversário, não é nenhuma novidade. No nosso país acontecem coisas semelhantes. É uma forma estratégica que alguns clubes encontram, para atingir os árbitros, condicionando-os nos seus desempenhos.

Falando concretamente da nossa realidade, os erros cometidos pelos nossos árbitros são factos reais, interferem grandemente na verdade das competições. Um caso, que em meu entender, devia preocupar os responsáveis pela arbitragem.

Contudo, a atenção parece estar virada para a instauração de uma lei do silêncio, que não desmascare que o rei vai nu. É a minha visão. e o que constato ao longo da minha vivência desportiva.

A pergunta que coloco, é a seguinte: porquê que o nosso Girabola tornou-se essa obsessão? Em minha modesta opinião, penso que uma das razões para a situação é a falta de atenção de quem devia ajudar a manter o bom espectáculo.

Existem erros importantes; erros que têm influência nos resultados. Isso, é um facto que os árbitros conhecem. Nunca como agora, os árbitros treinam tanto, antes e no decorrer de uma temporada; nunca como agora, preparam os jogos, fazem scouting, estudam as equipas. Mas mesmo assim, continuam a cometer erros graves. Porquê? Esta é a grande questão.

Penso ainda, que só a tecnologia no nosso Girabola podia acabar com todos estas dúvidas nos campos de futebol, e mesmo fora deles.
Enquanto isso não ocorrer, permanece a pergunta: o árbitro ou os fiscais de linha estavam no bolso de alguém, ou erraram porque todo o humano erra?
POLICARPO DA ROSA

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »