Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinião

Especificidades do Marketing na Gestão Desportiva ( 1 )

20 de Março, 2017
O marketing desportivo apresenta um conjunto de especificidades, que o tornam diferente na sua implementação, ao contrário dos outros contextos de marketing.Afinal, que lógica teria levado para que nos últimos anos empresas e marcas apostassem no marketing desportivo, para fidelizar, captar e até mesmo aumentar o número de consumidores ?

Para o efeito, é necessário, a quem deseja ter lucros e obter receitas fabulosas no mercado desportivo, perceber, interpretar e operacionalizar as referidas especificidades, para que estejam alinhadas com as principais premissas que norteiam o fantástico mundo do desporto, nomeadamente, a paixão, emoção, participação, interesse e o consumo.

Das especificidades até então conhecidas, destaco três, que na sua essência e génese, são os pilares do marketing desportivo, quer a jusante como a montante, que são: o plano de comunicação, plano de marketing e o plano estratégico.

Neste artigo, cingir-me-ei no plano de comunicação, para em artigos futuros abordar de forma didáctica e pedagógica os outros aspectos, acima alistados.Depois de nos últimos anos ceder aos seus direitos comerciais, as empresas de consultoria especializadas na área da comunicação, os principais clubes a nível mundial começaram a incorporar no seu organigrama de gestão desportiva, as suas próprias estruturas ligadas à comunicação, contratando profissionais com vasto know-how e experiência de comunicação.

A título de exemplo, gostava de destacar , que uma das maiores contratações do actual Presidente do Real Madrid, Florentino Peréz, tal como no primeiro mandato em que esteve à frente da gestão desportiva do clube madrileno, também conhecida como a “era dos galácticos”, não foram os Figos , Zidanes, Beckahams, Cristianos, Kákas entre outros, senão o até agora (des)conhecido Óscar Ugaz, o “super-poderoso” homem do business sport mundial, responsável pelo departamento de comunicação e imagem do Real Madrid.

Para todos os efeitos, hoje, uma referência de “marca” no que diz respeito à forma como se trabalha a imagem e a comunicação de um clube, a ponto de atrair os maiores investidores e marcas no mundo inteiro!

De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz, é indispensável que a agremiação desportiva dê atenção ao formato comunicativo a ser utilizado, assim como a necessidade de haver total controlo e utilização de uma linha adequada ao perfil do seu público alvo (sejam sócios, adeptos, patrocinadores e até mesmo potencias investidores), de tal maneira que chegue ao ponto de gerar APROXIMAÇÃO e SINTONIA.

Se levarmos em conta que o maior “património” de uma agremiação desportiva é a sua imagem, e este factor “sine qua non”, for MAL explorado ou RELEGADO para um plano inferior, toda a estrutura da agremiação desportiva, fica COMPROMETIDA.

E, no caso particular de Angola, não temos apenas, mas devemos melhorar o formato comunicativo das agremiações desportivas, com a finalidade de reforçar o posicionamento das marcas, assim como promover um conjunto de produtos e serviços, que as mesmas possam disponibilizar, integrar soluções que captem e atraiam mais sócios, mais adeptos, mais patrocinadores e mais investidores, ao invés de andar atrás do prejuízo, “filme” que habitualmente assistimos todos os dias, cujo “enredos” ,montados por alguns responsáveis (que diga-se amadores) de comunicação dos clubes, chegam ao ponto de permitir as mais absurdas e desastrosas especulações, ou até, o mesmo esclarecimento de assuntos candentes!

Salvo raríssimas excepções, até mesmo distribuir press releases ou enviar comunicados com o roteiro de actividades semanais dos clubes, constitui-se num grande défice para a comunicação dos clubes, para com os seus principais interlocutores, que são os adeptos e os sócios.Porque ora, é feita de forma deficiente, ora é feita de forma desfocada.

E isso, quando existe !Como compreender, que para o desporto que é uma actividade que aglomera e converge grande concentração de massas diariamente, pelos mais diversos canais de informação, seja imprensa, rádio, tv, etc, o formato comunicativo das agremiações desportivas, seja considerado um handicap, ou seja, não se antecipa, não prepara o ambiente e complica em vez de explicar?

Como entender, que hoje, em que não se pode falar do futuro, presente (ou vice-versa) sem as novas tecnologias, a maior parte das agremiações desportivas em Angola, não tentam “vender” a sua imagem, marcar presença activa na internet e nas redes sociais, apostar em acções de comunicação de proximidade e de interactividade permanente, com o seu público-alvo e parceiros, preferir ao contrário ficar fechados na presunção do quero, posso, mando, e não dou “cavaco” a ninguém ?

Repito, salvo raras excepções, tudo o resto só confirma a regra de que há um escasso domínio profissional dos assuntos, do como, quando, onde, porquê, para quê e através de que meios deve uma agremiação desportiva comunicar com seu público alvo, de forma particular e com a imprensa especializada de uma forma geral!

Por norma, embora não existam modelos perfeitos, a definição de um plano de comunicação a implementar num período alargado, impõe a necessidade de utilizar uma multiplicidade de formatos e suportes, que o tornem proactivos na passagem de mensagens aos principais interlocutores, sendo importante a escolha de ferramentas mais adequadas, dados os objectivos visados.

Uma boa gestão de comunicação é essencial para assegurar a reputação de qualquer agremiação desportiva, reduzir as probabilidades de ser mal citada ou de ver publicadas informações incorrectas, que acabem por afectar a sua imagem.
Nzongo Bernardo dos Santos

Últimas Opiniões

  • 11 de Dezembro, 2017

    Citações

    Foram muitas as razões que nos levaram a definir essa escolha, tal como o profissionalismo, a orientação técnica, conhecimento e experiência do futebol, compromisso com a formação, vontade de vencer, ser estudioso permanente do futebol e passar os seus conhecimentos aos treinadores nacionais.

    Ler mais »

  • 11 de Dezembro, 2017

    Crença e acalmia

    A família do futebol nacional deve por esta altura estar mais calma, depois da divulgação do novo seleccionador nacional pela Federação Angolana da modalidade, volvidos que foram os dias de incerteza, agora, com a missão de dirigir os Palancas Negras no seu primeiro compromisso do ano, o da fase final do CHAN que o Reino de Marrocos acolhe.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2017

    São Silvestre é marca

    “Infelizmente, nos últimos tempos, mergulhados numa crise financeira sem precedentes, o desporto angolano vem pagando uma factura bastante pesada e, obviamente o atletismo não fica de parte.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2017

    Cartas dos Leitores

    O futuro a Deus pertence, e se calhar vou terminar a minha carreira aqui no Maquis, e ser campeão nesta equipa.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2017

    Vamos trabalhar

    O técnico deixou a entender que apesar de os objectivos para CHAN serem claros porém a sua ambição como técnico não se esgota nesta competição

    Ler mais »

Ver todas »