Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Febre do futebol est de volta

24 de Novembro, 2018
Ainda num ritmo brando, o Campeonato de Futebol da I Divisão, vulgo Girabola Zap, regressa aos vários campos dos país depois do interregno verificado nos últimos dias devido ao engajamento da Selecção Nacional na corrida aos Camarões-2019.
É por demais sabido que pelo facto de muitas das equipas que evoluem nesta que é maior prova do futebol dentro das nossas fronteiras cederem jogadores aos Palancas Negras não haveria outro recurso senão o da interrupção do campeonato.
Também, claro está, que só com apoio de todos, de Cabinda ao Cunene e do Mar ao Lesta, era possível fazer aquele cordão de solidariedade aos nossos bravos rapazes, que com a vitória sobre o Burkina Faso viram reancender as esperanças para a grande cimeira de futebol continental que pela primeira vez acontece no mês de Junho.
E, embora não esteja ainda qualificada para o Campeonato Africano das Nações (CAN) dos Camarões, a vitória sobre os Cavalos burkinabes, domingo último, coloca a selecção de todos nós a três pontos da consolidação desse desiderato.
À passagem da quinta jornada do Grupo I, Angola só precisa de vencer na deslocação a Gaberone, Botswana, a congénere local e arrumar em definitivo a sua qualificação ao CAN-2019, o que acontecer será a oitava vez no seu historial.
Continhas feitas nesta série em que a Mauritânia aparece a fazer história com a qualificação inédita para uma Taça de África das Nações, Angola pode até empatar ou mesmo perder na deslocação a Gaberone e garantir a presença nos Camarões.
Mas para isso é importante que os “Mourabitounes” da Mauritânia ganhem ou empatem no jogo da derradeira jornada do grupo, em que se deslocam a Ouagadougou, reduto da selecção burkinabe. Os angolanos só precisam obter um resultado semelhante ao dos burkinabes na derradeira jornada. É importante lembrar, que Angola estreou-se em 1996 num CAN. Além da presença nesta edição organizada pela África do Sul, esteve ainda nas do Burkina Faso (1998), Egipto (2006), Ghana (2008), Angola (2010), Gabão e Guiné Equatorial (2012) e novamente na Pátria de Nelson Mandela (em 2013).
Noves fora a campanha que Angola vem encetando para a corrida aos Camarões, por cá a febre do futebol nos vários campos reatou quinta-feira com a disputada da terceira ronda do Girabola Zap, cujas olhares dos adeptos estiveram postos no Atlético Sport Aviação (ASA) - 1º de Agosto, o mais antigo dérbi do país, em que a vitória sorriu para os actuais campeões em título. E embora, a presente edição do campeonato regresse à sua primeira e com alguns casos à mistura, a sua disputa é feita num curso normal. Porém, acima de tudo está a febre do futebol que reata para a alegria dos prosélitos da modalidade rainha. Nesta semana que se apresta a passar para a história salta ainda à vista a suspensão de toda actividade pela Confederação Africana de Futebol (CAF) ao árbitro zambiano Janny Sikazwe, pela vergonhosa actuação que teve no jogo que ditou o afastamento do D\'Agosto, das meias-finais da Liga do Clubes Campeões do continente.
Uma informação veiculada na edição de terça-feira do jornal da Zâmbia Daily Mail da conta como causa do afastamento do juiz no jogo que opôs o embaixador angolano a equipa do Esperança de Tunis, na Tunísia, a “arbitragem tendencioso”, em claro prejuízo do conjunto do “rio seco”. Janny Sikazwe, que foi bem referenciado no Mundial deste ano na Rússia, ganho pela França, chefiou a equipa de arbitragem de que fez parte também o assistente angolano Jelson Emiliano dos Santos.
Para lá disso, o 1º de Agosto e Petro de Luanda, por sinal as duas equipas mais titulados da maior prova do futebol nacional, com doze e quinze troféus arrebatados, já conhecem os seus adversários da próxima época das Afrotaças.
Os militares defrontam o AS Otôho do vizinho Congo Brazzaville para a primeira eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões Africanos, ao passo que os tricolores medem forças na Taça CAF com o Opara United do Botswana. Os desafios da primeira “mão” estão agendados para os dias 27 e 28 deste mês, no Estádio 11 de Novembro, em Luanda, ao passo que nos da segunda quer o campeão em título angolano, quer o vice-campeão deslocam-se a Brazzaville e a Gaberone entre 4 e 5 de Dezembro. Contudo, tal como aconteceu no mais antigo dérbi do país, em que o D’Agosto pode aquilatar as suas reais para o primeiro confronto com o AS Otôho, o Petro terá aproveitado bem o jogo com a estreante equipa do Saurimo FC da Lunda Sul.
A equipa do “rio seco” que esteve muito perto de chegar a final inédita da “Champion League”, pode cruzar na segunda eliminatória com CNAPS FC do Madagáscar ou com o FC Platinium do Zimbabwe. Os petrolíferos, por seu turno, que na edição passada tiveram uma prestação abaixo de desejado, vão procurar ir o mais longe possível na prova que visa obtenção da Taça Nelson Mandela. Mas a anteceder os jogos das Afrotaças, temos neste sábado e domingo o complemento da terceira ronda do Girabola...
Sérgio V. Dias


Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »