Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Festa e luto!

17 de Setembro, 2018
O jogo da Liga dos Campeões, em que o 1º de Agosto defrontou e empatou com o TP Mazembe, fica marcado, infelizmente, por mais uma tragédia. Na falta de outro adjectivo, diremos que se tratou de uma negligência, ainda que as autoridades competentes não tenham avançado por enquanto as circunstâncias. De qualquer modo, será sempre negligência, uma vez que o estádio não ruiu (felizmente), não houve troca de tiros nem coisa próxima. Os adeptos perderam a vida, quando já iam a sair do estádio. Segundo informações não oficiais, foi por conta de uma suposta ordem, que os homens do cavalo quiseram impor na saída do estádio, e houve na sequência precipitação, que resultou em mortes. Mais uma vez o futebol, uma festa bonita por sinal, acaba em tragédia. Foi assim no Lobito e no Uíge, para o Girabola, e ninguém foi responsabilizado até hoje. Se é assim, teremos de deixar o futebol para os agentes da polícia e os clubes. Não faz sentido apelar para os adeptos assistirem aos jogos, e depois serem maltratados. Pior, perderem a vida. Lembro-me ter havido formação de agentes da Polícia Nacional e Stwarts para o CAN2010, que o País acolheu. Onde param estes senhores. Porque razão os homens de cavalo têm de abordar os adeptos, quando deviam ficar inamovíveis e só chamados quando necessário. Todas essas perguntas devem ter como resposta, a responsabilização dos culpados. Os apelos massivos, deviam ser acompanhados de uma massiva organização em todos os sentidos. Como justificar que alguém sai de casa, para ir apoiar a sua equipa e volta no caixão. Dessa tribuna, a única coisa que a nossa consciência nos exige é que se peça responsabilização. Outra coisa, devemos imitar o que os outros fazem bem.Vedar o estádio com muro de betão é não só desnecessário como antiquado. Aliás, quem visitar a planta do Estádio 11 de Novembro não encontra previsto nenhuma vedação. As zonas adjacentes são para jardins e outros adornos, menos um muro, como se de uma cadeia se tratasse. Dessas mortes, além de se responsabilizar os culpados, devem sair lições para todos os agentes do futebol. Se possível remodelar tudo, retirar as cercas que separam uma bancada das outras. Foi por conta de mortes nos estádios, que o futebol inglês mudou a concepção dos estádios, mas também aperfeiçoou todos os mecanismos de segurança. Paz à alma dos nossos compatriotas.
Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 09 de Dezembro, 2019

    Ruben chegou, viu e permaneceu

    O técnico argentino Rúben Garcia é o técncio estrangeiro que mais tempo esteve no  Girabola.. Desembarcou em 1982 para estar ao serviço do  1º de Maio de Benguela, para, depois,  orientar a  Académica do Lobito, FC.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Do amor ideologia, devoo ao dinheiro

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Prova influenciou a media desportiva

    O “Girabola”, pode-se agora afirmar, influenciou sobremaneira a formação da Redacção Desportiva da RNA. Aquele mencionado quinteto de radialistas havia-se tornado insuficiente para a demanda, sobretudo a partida dos dois últimos.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Notas da Histria do nosso futebol

    A história oficial do futebol angolano teria de  começar pelas décadas de 1920-30-40, porém, vamos aqui cingir-nos ao tempo de Angola já independente. E não se iria festejar a independência sem se jogar à bola; seria incaracterístico de um povo amante do futebol.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Arbitragem de poca em poca

    A história do Campeonato Angolano de Futebol, Girabola, como também é conhecido, é repleta de factos curiosos em termos de arbitragem. O campeonato é considerado por muitos especialistas do futebol, como um dos mais disputado do nosso Continente, o que é diferente de ser o melhor.

    Ler mais »

Ver todas »