Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Fora Palancas!

29 de Junho, 2019
A Selecção Nacional de futebol de honras, às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, pode garantir hoje, em antecipação, a qualificação para os oitavos-de-final da 32ª edição do Campeonato Africano das Nações (CAN), bastando-lhe, para já, uma vitória sobre a similar da Mauritânia. Os Palancas Negras reencontram, assim, no Estádio de Suez, no Egipto, os “Mourabitones”, com quem já haviam jogado na fase de apuramento.
É um duelo que, para já, promete. Os angolanos impuseram na primeira jornada do Grupo E desta grande montra de futebol que o Egipto alberga, um rigoroso empate a forte selecção da Tunísia, apontada por muitos como das melhores deste torneio, ao passo que os mauritanianos caíram aos pés do Mali, com quem perderam por 4-1.
Mas como não há dois jogos iguais, os pupilos do francês Corentin Martins, que rendeu no conjunto o seu compatriota Patrice Neveu, tudo farão para que nesta ronda frente à Angola obtenham um melhor resultado. Aliás, uma nova derrota coloca em “xeque” a possível qualificação do conjunto para os oitavos-de-final.
Durante a corrida a esta edição da Taça Africana das Nações, Angola e Mauritânia estiveram inseridas no Grupo I, em que terminaram igualadas com 12 pontos, mas com o combinado nacional a frente por força da vantagem nos confrontos directos. Os Palancas Negras venceram o jogo do Estádio 11 de Novembro, por 4-1, mas cinco dias depois baquearam frente a este mesmo adversário, perdendo em Noakchoutt, por 1-0.
Esta tarde, em Suez, os angolanos têm noção do quão é importante fazer um bom resultado para, desse modo, assegurar a qualificação para a segunda fase.
No entanto, ao contrário das edições anteriores, que eram disputadas por 16 selecções, na presente, por força do aumento de mais oito, que perfazem assim um total de 24, as equipas que transpõem a primeira fase entram directamente para os oitavos-de-final e não para os quartos-de-final. Por isso mesmo, caso consiga hoje uma vitória sobre a congénere da Mauritânia, Angola assegura apenas a qualificação para os “oitavos”.
Para chegar “quartos”, um feito que já lograra nas edições de 2008, disputada no Ghana, e de 2010, no CAN que o país albergou nas cidades de Luanda, Cabinda, Huíla e Benguela, a Selecção Nacional terá de lutar primeiro para chegar à fase precedente.
Por tudo isso, fica mais que do que claro que nesta edição, em que desfilam 24 selecções, torna-se mais difícil a tarefa da qualificação aos quartos-de-final. Mas, no entanto, convenhamos aceitar que Angola tem capacidade para tal.
Patenteou um bom futebol diante da Tunísia na primeira ronda do Grupo E, e daí pode-se depreender que hoje, frente à Mauritânia, esteja em condições de obter ainda um melhor resultado. E um bom resultado, como é óbvio, passa pela conquista dos três pontos, os quanto bastam para o conjunto inscrever, em antecipação, a qualificação aos “quartos”.
No entanto, apesar do propalado mau clima instalado no seio do conjunto, face aos atrasos verificados no pagamento dos prémios jogos, em termos capacidade, convenhamos que Angola é capaz de contrapor ao futebol da Mauritânia. Algumas vozes levantam-se, porém, dando conta de que apesar da garantia dada pelo “capitão” Mateus Galiano de que não há qualquer foco de tensão no balneário da equipa, o argumento manifestado é apenas para “abafar o descontentamento” reinante entre jogadores e membros da equipa técnica. Oxalá, que em vésperas deste importante jogo com os “Mourabitones”, se consiga dar a volta à situação.
Aliás, o quadro pintado revela-se negativo dada a meta que se traçara em relação a campanha dos Palancas Negras neste CAN, que passa, indiscutivelmente, por ir o mais longe possível. E Angola tem futebol para tal. E mais ainda: é legítimo sonhar. Por essa razão, temos de acreditar que o combinado angolano é capaz de fazer mais e melhor.
Ademais os angolanos revelam-se como um povo que tem o futebol como uma grande paixão. Somos, por isso, um país de futebol. Os angolanos sofrem, também, com a sua selecção nos momentos de tristeza e rejubilam nos de alegria. Por isso, na tarde de hoje, quando os ponteiros do relógio assinalarem 15H30\', é ponto assente que todos angolanos vão centrar a atenções neste jogo entre os Palancas Negras e os “Mourabitones” mauritanianos.
E oxalá que vença o melhor conjunto e que este seja, efectivamente, Angola. Por isso, força Palancas e que a vitória logo sorria para o lado angolano. Reina essa crença!!!...
Sérgio. V. Dias

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »