Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Formar melhor do que um ttulo do Girabola

04 de Março, 2019
Quantas vezes vai ser necessário dizer, quão importante é a formação? Os militares podem, se a sorte assim quiser, colher mais frutos. Luvambo, um dos seus produtos, pode vestir um dia a camisola do Manchester United. É uma pena, que não reúna a idade para firmar já um contrato com o Manchester United. E, por azar, é pretendido em Portugal, uma das poucas janelas abertas ao jogador, para crescer. Essa possibilidade deixa-me indisposto. Apesar de reconhecer, ser um dos países que aposta muito na formação, o certo é que não temos sido felizes com os portugueses. Hoje, já tinhamos outra qualidade e nomes sonantes no futebol africano e mundial. Infelizmente, Portugal é uma má experiência neste capítulo. Só isso, explica que os grandes futebolistas africanos surgem em França, Bélgica e Inglaterra. Jogadores como Gilberto, Flávio, Zico e tantos outros, nunca mereceram a atenção dos melhores clubes portugueses. E, outros, que manifestamente tinham qualidades para jogar, sem quaisquer favores desses clubes e campeonato, acabaram por verem as carreiras encurtadas, por falta de oportunidade e por uma alergia qualquer que assola os tuga, quando o assunto é futebol e jogadores angolanos. Não tenho dúvidas, que Cristiano Ronaldo não chegava ao nível que chegou, se continuasse em Portugal. Aliás, todos os melhores jogadores portugueses nunca couberam no seu país. Oxalá, Luvambo tenha melhor sorte nas mãos dos portugueses. No entanto, retomo a ponta de reflexão, para reafirmar que num contexto futebolístico como nosso, em transição da economia centralizada para a de mercado, o melhor que os clubes devem fazer, é investir com rigor e com toda a seriedade na formação. Contratem treinadores de renomes para formação. Ao fazerem isso, não vão gastar dinheiro, mas investir. Metade, do plantel do 1º de Agosto, resulta da sua formação. Nelson, Mário, Show, Vanilson, Massunguna, Ary Papel e outros. E, ainda pode vender e encaixar alguns milhares, que nenhum título do Girabola Zap lhe daria. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 14 de Outubro, 2019

    Objectivo alcanado

    Terminou na passada sexta-feira, em Benguela, o Campeonato Africano de futebol para amputados, que durante dias a fio juntou naquela cidade do litoral angolano seis países, sendo cada qual com a sua capacidade competitiva, com a sua ambição e com a sua meta estabelecida no certame.

    Ler mais »

  • 14 de Outubro, 2019

    Mais um campeonato sem clima de Girabola!

    Já se tornou costume dizer-se, que os campeonatos de futebol da primeira divisão, não importa o país em que se realiza, devem dar aos prosélitos e amantes do futebol o que eles mais querem ver.

    Ler mais »

  • 14 de Outubro, 2019

    Devolver o basquetebol aos seus

    Ver um clássico do basquetebol nacional hoje as vezes dói. Continua a ter alguns bons executantes é verdade. Carlos Morais,Valdelicio, Armando Costa e uns poucos são ainda os tais que nos mantém nos sofás.

    Ler mais »

  • 12 de Outubro, 2019

    Os nossos embaixadores e a lotaria da Champions

    Há quase 40 anos a participar nas provas da Confederação Africana de Futebol (CAF), nesta época, pela primeira vez na história, o desporto-rei no país testemunha a presença simultânea de duas equipas angolanas na fase de grupos da maior prova de clubes continental.

     

    Ler mais »

  • 12 de Outubro, 2019

    possvel o 1 de Agosto e o Petro chegarem l!

    A entrada dos dois colossos do futebol angolano, para a fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos, é um feito transcendente e que pode despoletar outros benefícios mil, se tivermos em conta toda a avalanche de interesses que encarna as hostes de um e de outro que, decididamente, partem em busca da conquista da África do futebol.

    Ler mais »

Ver todas »