Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Gabo e o CAN2017

16 de Setembro, 2016
O conflito pós-eleitoral que eclodiu na vizinha república gabonesa, que tem deixado pelo caminho um rastilho de sangue e um cortejo de destruição de importantes infra-estruturas, remete-me a reflectir com alguma frieza e calculismo sobre o que espera do próximo Campeonato Africano das Nações de futebol marcado para aquele país da zona centro do continente africano.

Coloco-me , na verdade, algumas reticências se estará o país em condições de acolher a maior cimeira do futebol africano, uma vez que o calendário gregoriano coloca-nos a escassos quatro meses do seu “pontapé de saída”. Desde já, terminada a fase de qualificação está-se no período em que, por regra, acontece o sorteio do certame.

De resto, salvo raras excepções, é no mês de Outubro que as selecções qualificadas tomam conhecimento dos seus adversários , para a partir dai traçar os respectivos planos de preparação. A ser assim, posso aferir que estamos a poucas semanas da realização do sorteio. E estará o Gabão em condições para tanto? Estará o comité organizador do campeonato a trabalhar para o efeito?

Se calhar, seja hora de a Confederação Africana de Futebol se pronunciar sobre o assunto. De resto, para que a edição não venha ser marcada por um conjunto de constrangimentos este é o momento de se encontrarem alternativas. É urgente pensar-se nesta possibilidade. Pois, com o país em ebulição, é evidente que o comité de organização não funcione em pleno, se é que ainda esteja a funcionar.

A CAF precisa levar em consideração que em face da generalizada crise económica, pode não ser tão fácil encontrar países que aceitem, sem olhar para os prós e para os contras, assumir uma responsabilidade que à partida estava confiada a outro. É certo que no continente países há com excelentes infra-estruturas desportivas, mas isto só não basta. É sempre preciso que se providenciem outros serviços auxiliares, o que não se faz em tempo recorde.

Aliás, estamos lembrados que quando o Reino do Marrocos renunciou o CAN’2015, como acto de precaução à pandemia de Ebola, que ameaçou reduzir a zero países como a Libéria, Serra Leoa e Guiné Conacry, a CAF viu e desejou-se para encontrar uma alternativa, não tivesse surgido uma Guiné Equatorial no momento certo, talvez a edição tivesse ficado comprometida.

No fundo há indícios de se viver a mesma situação. É preciso que a CAF comece a se movimentar já, porque por este andar não se pode contar muito com o Gabão. O que pode estar a faltar é coragem das autoridades desportivas do país notificarem esta instituição sobre a sua renúncia à organização do evento. Os próximos dias poderão ser decisivos, sendo que para tudo o sorteio constitui o primeiro passo.

Desde Março de 1988 na presidência da CAF, o camaronês Issa Hayatou estará a viver a pior fase do seu consulado. Duas edições consecutivas em clima turbulento não é pouca obra. Em caso de o Gabão renunciar terá o homem que voltar a fazer o mesmo percurso de há dois anos. Sair à procura daqueles que lhe podem estender a mão para salvar o torneio que se disputa sem interrupção desde 1957 no Sudão.

Fiquemos atentos aos próximos desenvolvimentos. Mas se quando em 1996 o Quénia desistiu apareceu a África do Sul como salvação, e em 2015 a Guiné Equatorial veio acudir a desistência do Marrocos, é certo que em caso do Gabão renunciar apareça A ou B ao seu lugar. Mas é preciso agir já e agora...
MATIAS ADRIANO

Últimas Opinies

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    A eliminao do Petro e o tal patriotismo

    Terminada a participação Petro de Luanda, na Taça Nelson Mandela, é normal que por esta altura, esteja a ser feita uma profunda reflexão em torno da participação na referida competição africana, nos mais diversos aspectos que ela comporta, sem descorar, portanto, a (des) continuidade do técnico Beto Bianchi, que mais uma vez não conseguiu o troféu de uma competição em que esteve envolvido. 

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Palancas Negras de olhos no Egipto

    A Selecção Nacional de futebol honras, vulgo Palancas Negras, só depende de si para chegar à fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019, que vai ser disputado no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Procuramos fazer tudo para vencer o jogo, mas não conseguimos, porque o adversário  (Recreativo do Libolo) foi competente e inteligente, assim como conseguiu aproveitar as nossas falhas defensivas e, em lances de bolas paradas, marcaram os dois golos.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Zebras para domar...

    A Selecção Nacional de futebol de honras, às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, decide amanhã, em Franciston, Botswana, a qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN), que o Egipto acolhe de 19 de Junho a 21 de Julho deste ano.

    Ler mais »

Ver todas »