Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Girabola termina com mancha

25 de Novembro, 2017
Com a homologação do campeonato nacional de futebol da primeira divisão, vulgo Girabola Zap, ficou confirmada a vitória do 1ºde Agosto, numa competição bastante renhida e com alguns casos administrativos à mistura que influenciaram de alguma forma a classificação final principalmente a nível da cauda e acabaram por manchar a prova.
Se por um lado a desqualificação do Progresso da Lunda-Sul provocou mexidas na pontuação das equipas de topo sem grandes influências no posicionamento dos líderes, por outro, a nível dos potenciais candidatos à descida, provocou uma verdadeira \"revolução\" havendo inclusive quem se tenha beneficiado, grandemente desta medida extrema da FAF que, afastou, irremediavelmente (?) o Progresso da Lunda-Sul da fina-flor do futebol nacional.
Várias movimentações administrativas foram encetadas pelo clube afectado mas, internamente resultou redondamente num fracasso. A FAF alegou que o recurso dos Lundas do Sul foi mal feito, sem cumprir os pressupostos regulamentares e, por essa razão o documento nem sequer seguiu caminho até ao Conselho Jurisdicional, onde seria analisado minuciosamente. Como lhe cabia a competência, o Conselho de Disciplina em estreita colaboração com o Técnico, aferiram que o Progresso da Lunda Sul, pela \"tamanha falha\" em utilizar o atleta Cabibi de forma irregular, é punido com despromoção ao escalão imediatamente inferior. E mais: Punido igualmente por um ano sem competir em provas oficiais da FAF.
Devido as consideradas insuficiências notadas no recurso do clube em questão, o caso passou em julgado, sem hipóteses da equipa dirigida por António Jamba recorrer em outra instância, pelo menos internamente.
Porém, os Lundas do Sul não alinharam neste diapasão, nem se sentiram rogados. Achados feridos na sua honra, recorreram, segundo consta, à FIFA, explicando os detalhes, \"tin-tin, por tin-tin\". Caberá pois ao órgão reitor do futebol mundial aferir, de acordo argumentação apresentada, se Cabibi estava em condições administrativas ou não, quando foi utilizado.
Pelo que apuramos, fala-se de atraso na tramitação da documentação entre Federação e as APF\'s, com particular destaque, a da Lunda-Sul para esta, posteriormente fazer chegar ao clube. Mas isso, no meu modesto entender, não pode, nem deve servir de elemento de arremesso nem argumento de que se defende e tão-pouco de quem ataca (castiga, no caso), porquanto, em plena Era digital, onde o domínio das Tic\'s é uma obrigação, fica totalmente remetido ao fracasso quem ousar utilizar este trunfo. Hoje, até via facebook ou whatsApp, para não falar, por via-email, tramita-se documentos de forma rápida e eficiente.
Por outro lado, havia que se avaliar as questões profundas para se evitar a necessidade de se recorrer à FIFA onde, por um lado, se pode também mostrar, por essa via, alguma desorganização do nosso futebol. Qualquer que seja a decisão do elenco de Gianni Infantino, o futebol nacional pode ficar mal na fotografia por causa da natureza do caso, cujas motivações e gestão poderiam ser dirimidas internamente e, por outro lado, devido a recorrência que temos tido, batendo constantemente as portas daquele órgão para questões cuja resolução poderiam e podem ser, pelas mãos da FAF.
Mas, ainda assim, aludimos que o recurso do Progresso da Lunda-Sul é de todo legítimo porquanto a agremiação se sentiu lesada nos seus direitos desportivos e assumiu a competência de levar o assunto para que o órgão máximo do futebol no planeta Terra, decida.
Temos que, concordar que, essa foi a mancha que borrou o Girabola Zap 2017. Aliás, se à portas da última jornada, foi emitido o comunicado da FAF punindo o Progresso da Lunda-Sul com despromoção, pergunto, porque razão, no mesmo comunicado, o Conselho Técnico do órgão reitor do futebol nacional, ainda marcou o jogo desta equipa diante do Clube Desportivo da Huila, com nomeações de equipa de arbitragem à mistura, se ela, segundo o mesmo comunicado, já tinha sido punida com despromoção imediata?
Parece que há algo aqui que não se encaixa e que, todos esses aspectos servirão para que a FIFA analise com a minúcia que lhe caracteriza e dar, efectivamente razão à quem tem.
Será realmente neste ambiente que o próximo Girabola vai ser preparado. Na verdade, sem que a FIFA decida, estaremos \"pendurados\" em saber realmente que na verdade foi despromovido. Se os \"Sambukilas\" se mantem ou não. Por isso, principalmente o JGM, não pode ainda dar largas à sua alegria a festejar a permanência.
Será de facto neste ambiente fervoroso que se vai preparar o próximo Girabola Zap?Onde terão falhado as estruturas que superintendem o futebol? Terá havido falhas na verdade? Ou foi apenas excesso de zelo?
Estas e outras questões deverão ser respondidas neste período de defeso para que a organização e gestão do próximo campeonato seja feita com mais lisura, fair play e, sobretudo com verdade desportiva...Tenho dito!

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »