Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Girabola Zap em hora de despedida

18 de Maio, 2019
O Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão faz disputar, hoje e amanhã, a derradeira jornada da sua 41ª edição. Uma ronda que se advinha empolgante, por quanto quer a decisão do título, quer a da terceira equipa a despromover, apenas neste fim-de-semana são conhecidas, isto também depois do badalado “caso Rivaldo”, que levou o organismo reitor do desporto-rei a rebaixar o Kabuscorp do Palanca para a II Divisão.
1º de Agosto e Petro de Luanda, os dois maiores emblemas do futebol nacional, surgem mais uma vez envolvidos na discussão do título, embora o conjunto do “Rio Seco” apresenta-se em melhor condições de revalidar o troféu e chegar também ao “tetra”.
Advinham-se, para já, dois jogos electrizantes, quando estes dois antagonistas defrontarem amanhã, a partir das 15H00', no Estádio 11 de Novembro e nos Coqueiros, o Kabuscorp do Palancas e o Progresso do Sambizanga, respectivamente.
A equipa treinada por Dragan Jovic, está numa situação vantajosa em relação ao arqui-rival, pelo facto de depender unicamente de si, para chegar à 13ª consagração na maior prova do futebol nacional, também apelidada de Girabola Zap. Com uma vitória sobre os palanquinos, que como já disse serão rebaixados para o campeonato da segunda divisão, vulgo Segundona, o 1º de Agosto arruma, em definitivo, a questão do título.
E isto porque ainda que o rival do “Catetão” ganhe aos sambilas nos Coqueiros, chega apenas aos 66 pontos, contra os 67 que os militares lograriam caso obtenham um triunfo sobre o Kabuscorp, não importando para já os números. Noutra perspectiva ainda, o 1º de Agosto sagrar-se-ia campeão com um empate ou até mesmo uma derrota, mas isto desde que o Petro alcance um resultado semelhante diante do Progresso do Sambizanga.
Já em relação a formação do “Catetão”, o único resultado que lhe convém é mesmo a vitória, mas ainda assim teria que torcer por um deslize do rival do “Rio Seco” no duelo do 11 de Novembro, frente ao Kabuscorp do Palanca.
Contudo, além do interesse em torno do título e da terceira equipa a despromover nesta edição do Girabola Zap, a luta pelo terceiro, que dá acesso a disputa das Afrotaças, também merece destaque. Nesse quesito, o Kabuscorp do Palanca e o sensacional Clube Desportivo da Huíla (CDH), com 49 e 47 pontos respectivamente, no terceiro e quarto postos da tabela de classificação geral, surgem como principais concorrentes.
Nesta ronda, que cerra cortinas da maior da edição de 2018/2019 da maior prova do nosso “association”, os palanquinos têm uma espinhosa missão diante do 1º de Agosto, como já se referenciou, ao passo que o Desportivo é visitado no Estádio do Ferrovia, no Lubango, pela aguerrida equipa do Sagrada Esperança da Lunda Norte.
Quer num jogo, quer noutro, não se advinham facilidades, nem para uma e nem para outra equipa.
Por isso, tanto os palanquinos como os militares da Frente Sul, têm de bater-se de forma férrea, para não verem os seus oponentes da ronda a roubarem-lhe pontos, nessa árdua luta que travam para alcançar o 3º lugar, embora a possível desqualificação impeça o clube liderado por Bento Kangamba, de representar o país na Afrotaças. O Desportivo ainda tem a seu favor, o facto de se manter nas eliminatórias da Taça de Angola, a segunda maior prova futebolística do país, em que vai defrontar, nas meias-finais, o Interclube.
Finalmente, no tocante a luta pela permanência, o Atlético Sport e Aviação (ASA) e o Cuando Cubango FC são as duas equipas que estão na “corda bamba”. Confirmadíssima que está a queda à II Divisão do Saurimo FC, que nesta ronda 30 visita a Académica do Lobito, resta agora saber quem serão os seus dois acompanhantes. Se, efectivamente, se confirmar o rebaixamento do Kabuscorp do Palanca à Segundona, uma delas apenas, sublinhe-se esse aspecto, vai descer também para o escalão secundário.
Na perspectiva de o Kabuscorp rebaixar para a segunda divisão, o ASA só precisa de lograr um empate frente ao Recreativo da Caála, no jogo a ser disputado hoje, a partir das 15 horas, no Estádio dos Coqueiros.
E isto porque em caso de vitória, os aviadores passariam a somar 28 pontos, uma cifra que o Cuando Cubango FC jamais atingiria, dado que, nesse momento, soma 23 na penúltima posição e o máximo que poderia somar são mais três, mas ainda assim insuficientes para alcançar os aviadores. O único cenário que lhe seria favorável é o de vencer o jogo, e esperar que o ASA perca ou empate com a Caála.
Em caso de partilha de pontos, entre os aviadores e caalenses, com uma vitória sobre o Libolo em casa, o Cuando Cubango asseguraria a permanência. Isto porque, apesar de terminarem igualados na pontuação, teria a vantagem nos confrontos entre si, por força da vitória por 2-1 que obteve sobre o ASA na primeira volta, em casa, e do empate no segundo turno, em Luanda.
Por isso mesmo, adivinha-se uma luta renhida nesta ponta final do campeonato quer no topo, quer na cauda. Aguardemos pelo cerrar das cortinas da prova!... Sérgio V.Dias

Últimas Opinies

  • 17 de Junho, 2019

    Perguntem a Qatar Airways ... se eu que me gabo!

    A Qatar Airways, uma das mais prestigiadas companhias aéreas do mundo e a que mais cresce actual e anualmente, com sede no emirado do oriente médio, apoia com muito orgulho uma ampla.

    Ler mais »

  • 17 de Junho, 2019

    A falta de patins

    A província da Huíla, que se assume como um viveiro de várias modalidades desportivos no país, como o atletismo, tiro aos pratos, karting, futebol, isto só para citar algumas, enfrenta hoje um verdadeiro dilema, no que diz respeito a massificação do hóquei em patins.

    Ler mais »

  • 17 de Junho, 2019

    Palancas: prmios, direitos e patriotismo

    A questão que emergiu agora em Portugal, em tornos dos Palancas Negras, que reclamavam prémios, só acertado à ultima da hora, não é de hoje.

    Ler mais »

  • 17 de Junho, 2019

    Que o Egipto nos ajude!...

    Uma década depois, os Palancas Negras voltam ao Egipto. Sob orientação de Oliveira Gonçalves, com então estatuto de mundialista, o "onze nacional" não foi capaz de se qualificar para outra fase. A presença naquele país assinalava o regresso dos Palancas Negras ao Campeonato Africano das Nações (CAN), cumprindo seis anos de ausência. Foi um CAN memorável, apesar do resultado não ter sido digno de um mundialista

    Ler mais »

  • 15 de Junho, 2019

    Histrico apagado

    Hoje, neste espaço de opinião “A duas mãos”, nos propusemos a falar do Atlético Sport Aviação (ASA), um clube histórico, que movimenta particularmente o futebol e cuja existência remonta desde 1 de Abril de 1953.

    Ler mais »

Ver todas »