Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Glria para os poucos clubes

22 de Abril, 2019
No futebol não existem milagres. É uma lição tão antiga, quanto a existência da própria modalidade. A qualificação dos Palanquinhas para o Mundial do Brasil, deve ser vista como consequência de um trabalho aturado e metódico de alguns poucos clubes.
Além desses clubes, que oferecem hoje condições à altura de outros países mais desenvolvidos, temos ainda a registar trabalho de uns tantos que proliferam nos musseques de Luanda. São pessoas que transpiram o futebol. Capazes de ultrapassar todas as dificuldades. Estes teimosos, são os que alimentam os grandes clubes. São como que dizer “olheiros”. É a todos estes, que deve ser dedicada a vitória dos Palanquinhas. Se este trabalho fosse realizado também por clubes como o Interclube, Kabuscorp do Palanca e o Libolo, o país teria hipóteses de registar estas vitórias com regularidade.

Infelizmente, estes clubes, o Interclube em particular, não é capaz de fazer um trabalho à dimensão do 1º de Agosto, da Associação de Futebol de Angola (AFA), da Escola Norberto de Castro e do Petro de Luanda. Não lhe falta condições para o fazer. Falta vontade da sua direcção, que nunca olhou o futebol de formação como deve ser. Já prometeu tudo e mais alguma coisa. Uma academia e outras infra-estruturas, para dar dignidade ao futebol. O certo é que ainda não se conhecem estas infra-estrutura, o que coloca o futuro do futebol nacional nas mãos desses poucos. É nesta altura de euforia, que importa ressaltar estes factos, para que ninguém esqueça a raiz desta vitória. Norberto de Castro, Carlos Hendrick, Tomas Faria e outros, merecem mais do que qualquer dirigente da Federação Angolana de Futebol.

Para a Federação Angolana de Futebol (FAF), trata-se apenas de uma externalidade, pois fez pouco para isso. Os obreiros são estes clubes, a equipa técnica e os jogadores. É para eles que devemos endereçar as glórias. Para Capita, Zito e todos os seus companheiros. Estes sim, merecem. É diferente do êxito conseguido pela selecção de sub-20, em 2001. Naquela altura, a FAF faz da formação uma prioridade, de tal sorte que havia contratado Veslim Vesco, treinador que organizou tudo, permitindo a Oliveira Gonçalves chegar ao título e ao Mundial da categoria.
Foi diferente do que faz está direcção de Artur Almeida e Silva. Só para confirmarmos o envolvimento dos clubes, temos o 1º de Agosto em particular. O treinador que orienta os Palanquinhas, é das escolas de formação do 1º de Agosto. Portanto, é uma Vitória dos Clubes mais do que de qualquer outra instituição. Teixeira Cândido


Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »