Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Glria para os poucos clubes

22 de Abril, 2019
No futebol não existem milagres. É uma lição tão antiga, quanto a existência da própria modalidade. A qualificação dos Palanquinhas para o Mundial do Brasil, deve ser vista como consequência de um trabalho aturado e metódico de alguns poucos clubes.
Além desses clubes, que oferecem hoje condições à altura de outros países mais desenvolvidos, temos ainda a registar trabalho de uns tantos que proliferam nos musseques de Luanda. São pessoas que transpiram o futebol. Capazes de ultrapassar todas as dificuldades. Estes teimosos, são os que alimentam os grandes clubes. São como que dizer “olheiros”. É a todos estes, que deve ser dedicada a vitória dos Palanquinhas. Se este trabalho fosse realizado também por clubes como o Interclube, Kabuscorp do Palanca e o Libolo, o país teria hipóteses de registar estas vitórias com regularidade.

Infelizmente, estes clubes, o Interclube em particular, não é capaz de fazer um trabalho à dimensão do 1º de Agosto, da Associação de Futebol de Angola (AFA), da Escola Norberto de Castro e do Petro de Luanda. Não lhe falta condições para o fazer. Falta vontade da sua direcção, que nunca olhou o futebol de formação como deve ser. Já prometeu tudo e mais alguma coisa. Uma academia e outras infra-estruturas, para dar dignidade ao futebol. O certo é que ainda não se conhecem estas infra-estrutura, o que coloca o futuro do futebol nacional nas mãos desses poucos. É nesta altura de euforia, que importa ressaltar estes factos, para que ninguém esqueça a raiz desta vitória. Norberto de Castro, Carlos Hendrick, Tomas Faria e outros, merecem mais do que qualquer dirigente da Federação Angolana de Futebol.

Para a Federação Angolana de Futebol (FAF), trata-se apenas de uma externalidade, pois fez pouco para isso. Os obreiros são estes clubes, a equipa técnica e os jogadores. É para eles que devemos endereçar as glórias. Para Capita, Zito e todos os seus companheiros. Estes sim, merecem. É diferente do êxito conseguido pela selecção de sub-20, em 2001. Naquela altura, a FAF faz da formação uma prioridade, de tal sorte que havia contratado Veslim Vesco, treinador que organizou tudo, permitindo a Oliveira Gonçalves chegar ao título e ao Mundial da categoria.
Foi diferente do que faz está direcção de Artur Almeida e Silva. Só para confirmarmos o envolvimento dos clubes, temos o 1º de Agosto em particular. O treinador que orienta os Palanquinhas, é das escolas de formação do 1º de Agosto. Portanto, é uma Vitória dos Clubes mais do que de qualquer outra instituição. Teixeira Cândido


Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »