Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Grito de socorro de Carlos Dinis!

12 de Maio, 2018
Não constitui dúvida para ninguém, que o basquetebol, disciplina que proporcionou várias alegrias ao povo angolano, principalmente, em período de plena guerra fria, caminha, lamentavelmente, para o precipício, ante o olhar silencioso dos amantes da “bola ao cesto”.
O basquetebol a par do andebol feminino são as modalidades que mais troféus trouxeram ao país e, consequentemente, mais presenças internacionais tiveram ao longo dos 42 anos de existência de Angola, como Nação Independente.
Infelizmente, a modalidade tem dado sinais de retrocesso nos últimos tempos, e ao que tudo indica, os actores indirectos (alguns dirigentes e treinadores) não estão interessados em retirar a modalidade do precipício em que se encontra.
Das poucas decisões acertadas que o actual elenco da Federação Angolana de Basquetebol (FAB) tomou, desde que assumiu funções em Março de 2017, foi o facto de ter levado as partidas do Unitel Basket e não só, para o Pavilhão Arena do Kilamba, infra-estrutura desportiva construída em 2013, no âmbito da realização no país da 41ª edição do Campeonato do Mundo de hóquei em patins, sem custos para as equipas que decidiram transformar a quadra em seu quartel-general.
Depois de aturadas conversações entre a direcção do orgão reitor da modalidade e os responsáveis das equipas que disputam a edição 40 do Unitel basket, excepto o Clube Central das Forças Armadas Angolanas, aceitaram transformar o Pavilhão Arena do Kilamba como palco do \"Nacional da bola ao cesto\".
É certo que a melhoria da qualidade do basquetebol não passa única e exclusivamente, em colocar os jogos em quadras com as condições exigidas pela Fiba-Mundo, organismo que tutela a modalidade no globo, mas sobretudo, melhorando a qualidade de treino, sem esquecer a formação contínua dos treinadores que trabalham a nível da formação.
Em bom rigor, nem o Pavilhão Victorino Cunha, nem o Pavilhão do Dream Space, muito menos o Pavilhão 28 de Fevereiro, possuem condições exigidas pelo organismo mundial para acolherem jogos.
Incompreensivelmente, Helder Martins da Cruz \"Maneda\" e os seus \"comparças\" decidiram recuar na sua decisão, permitindo que o Pavilhão 28 de Fevereiro, quartel-general do Grupo Desportivo Interclube, voltasse a acolher partidas da 40ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculinos, vulgo Unitel Basket.
Dos pavilhões acima referenciados, a quadra adstrita a equipa da Polícia Nacional é sem sombras de dúvidas a que menos condições tem, quer para os intervenientes directo do espectáculo (jogadores), quer para o público.
Entretanto, o desabafo do técnico Carlos Antóno Dinis, antigo seleccionador dos hendecacampeões africanos, é de todo legítimo, e deve merecer atenção especial de quem de direito, se quisermos que o basquetebol volte a resgatar a qualidade que de um tempo a esta parte anda sumida, resultando daí, os vários fracassos que Angola tem acomulado nos últimos tempos, quer em masculinos, quer em femininos.
Melo Clemente

Últimas Opinies

  • 09 de Dezembro, 2019

    Ruben chegou, viu e permaneceu

    O técnico argentino Rúben Garcia é o técncio estrangeiro que mais tempo esteve no  Girabola.. Desembarcou em 1982 para estar ao serviço do  1º de Maio de Benguela, para, depois,  orientar a  Académica do Lobito, FC.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Do amor ideologia, devoo ao dinheiro

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Prova influenciou a media desportiva

    O “Girabola”, pode-se agora afirmar, influenciou sobremaneira a formação da Redacção Desportiva da RNA. Aquele mencionado quinteto de radialistas havia-se tornado insuficiente para a demanda, sobretudo a partida dos dois últimos.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Notas da Histria do nosso futebol

    A história oficial do futebol angolano teria de  começar pelas décadas de 1920-30-40, porém, vamos aqui cingir-nos ao tempo de Angola já independente. E não se iria festejar a independência sem se jogar à bola; seria incaracterístico de um povo amante do futebol.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Arbitragem de poca em poca

    A história do Campeonato Angolano de Futebol, Girabola, como também é conhecido, é repleta de factos curiosos em termos de arbitragem. O campeonato é considerado por muitos especialistas do futebol, como um dos mais disputado do nosso Continente, o que é diferente de ser o melhor.

    Ler mais »

Ver todas »