Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Herv Renard basta!

15 de Outubro, 2018
O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal. O fundamento ao qual lançam mãos é de ser uma realidade do País, pelo que todos deviam se conformar. Exigir o salário a tempo, em particular para os treinadores nacionais, é ser mercenário, antipatriota ou capitalista. Parece que não aprendemos com a lição anterior.
A Federação Angolana de Futebol voltou a submeter um treinador dos Palancas Negras, a um sacrifício de quatro meses sem salário. Esqueceu a FAF, que SrdjanVasiljevic não está nos Palancas no âmbito da solidariedade internacional. Estabeleceu um contrato de trabalho. O contrato estabelece as obrigações das partes, uma das quais pagar a hora o salário. É pouco profissional, para não qualificarmos este comportamento de maneira mais agreste, obrigar o colaborador socorrer-se da media para ver os seus salários pagos.
Garantir os salários dos colaboradores é ou devia ser a primeira coisa da direcção da FAF. Não se pode desperdiçar um treinador que, em pouco tempo, já mostrou ter ideias, ousado e, mais do que isso, está a reabilitar a imagem da selecção nacional. É recomendável assegurar esse treinador por um ciclo olímpico pelo menos. Os resultados se surgirem, já neste período inicial do seu trabalho, será ouro sobre azul. Se não for assim, basta no inspirarmos na paciência inglesa. Desse modo, é possível fazermos um diagnóstico sobre a raiz dos problemas.
Já vimos que o carnaval de treinadores que a FAF ensaiou resultou em nada. Pelo contrário, prejudicou gravemente a reputação conseguida à martelo, na primeira década do ano 2000. Sabemos, inclusive, de clubes que estavam preparados para contratar o treinador, caso abandonasse os Palancas Negras. Felizmente foram pagos os quatro meses, oxalá não haja mais quatro meses de atraso. Em face de tudo isso, é uma boa oportunidade para se reatar a velha pretensão da FAF ser autónoma do Ministério dos Desportos. Uma situação que deveria ser resolvida já, de modo a garantir tranquilidade aos seus gestores.
Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • Hoje

    Edifcio desportivo erguido desde 1975

    O país vive ainda a ressaca dos 43 anos da Independência Nacional, assinalados ontem em todo o território nacional. E a festa prolonga-se por estes dias. São 43 anos marcados desportivamente, pela adopção de uma nova mentalidade desportiva em Angola.

    Ler mais »

  • Hoje

    Citaes

    O triunfo obtido pela Selecção com Muletas, valoriza o esforço desenvolvido por diferentes estruturas do Estado, com vista a reinserção dos cidadãos com deficiência.

    Ler mais »

  • Hoje

    Aliado diplomtico

    Mágico e célere o tempo correu, e remete-nos hoje a uma data que, há 43 anos, foi de todas as palpitações, de todas as emoções, de todos os sonhos, de todos os sorrisos, de todos os cantares e de todas as danças. Nesse dia, Angola soltava o grito da liberdade e desprendia-se das amarras e dos ditames do colonialismo.

    Ler mais »

  • 10 de Novembro, 2018

    Um exemplo de superao

    Depois de sagrar-se vice-campeã em 2014, Angola não deixou os seus créditos em mãos alheias na edição deste ano do Mundial de Futebol Adaptado, conquistando o título da prova disputada na cidade mexicana de Guadalajara.

    Ler mais »

  • 10 de Novembro, 2018

    A vitria da resilincia

    Mesmo que já se tenha falado imenso do assunto, eu prefiro continuar a falar.

    Ler mais »

Ver todas »