Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Hoje o desporto ou no um negcio?

26 de Agosto, 2019
Os chineses estão a investir no desporto como negócio. O que nós em Angola devemos fazer é tornar o desporto também um negócio. Se isto acontecer, garanto que trarei chineses para comprarem os clubes angolanos. Temos de nos organizar para provar que, de facto, vale a pena investir aqui.Neste momento, não há condições para os chineses investirem nos clubes angolanos. Devemos antes transformar os nossos clubes em Sociedades Anónimas Desportivas (SAD)".O parágrafo anterior é "copy paste" da resposta à última pergunta da entrevista feita a Manuel Arnaldo Calado, presidente da Câmara de Comércio Angola-China, ao jornal Valor Económico na sua edição de 28 de Novembro de 2016.
Arnaldo Calado, como é assim conhecido, é uma figura do desporto nacional que, por ironia do destino, chegou a desempenhar o cargo de presidente de Direcção do Sagrada Esperança da Lunda-Norte. Tratou de apresentar, ao dizer o acima, os argumentos suficientemente claros e imbatíveis sobre a opção na busca de outras fontes de financiamento para o desporto nacional que vale a pena traduzi-los de outra forma.
Quem ainda defende que o modelo de financiamento do Estado ao desporto nacional, consubstanciado em subsídios dependentes, que chegam a rondar os mais 95% por intermédio do Orçamento Geral do Estado, deve continuar a ser de cumprimento obrigatório ou mais ou menos facultativo, deve ter perdido, ou até já ter sido ultrapassado, pela noção do tempo e espaço, de que o desporto por hoje, em escala mundial, tem sido absorvido por elementos e ferramentas fundamentais, que por si só, lhe dão desenvolvimento, crescimento e auto-sustentabilidade, tais como o marketing, o planeamento estratégico, a gestão entre outros factores"sine qua non". Noutras partes do mundo, do mesmo globo terrestre em que vivemos, vai se tornando hábito e "vício" o facto de gestores desportivos, ao invés de andarem com as mãos estendidas para os seu governos, lamentarem que as suas instituições desportivas"estão de tanga" e que acabam por ficar "nuas, ninguém reclama", trazendo e acrescentando ao desporto os elementos da lógica económica, fazendo-a com a missão de que o desporto assuma o seu próprio destino e rumo!
Entende-se que no nosso caso haja no actual momento uma certa dificuldade em lidar-se com a crise económica que se arrasta há cerca de 6 anos. Ma não é o fim do mundo, apenas é um novo contexto normal ao qual temos de nos acostumar e perceber, de uma vez por todas, que temos de seguir outros caminhos, que há vida além da crise. Numa altura em que está a se chegar ao ponto em que clubes, associações e federações desportivas vão vivendo do fluxo mensal do caixa, que em muitos casos, e em muitas paragens, vão registando saldos bastantes exíguos, senão vazios, não valerá a pena conhecer, estudar e entender bem o funcionamento desse negócio chamado desporto, quando há gente no mundo inteiro há ganhar muito dinheiro com o mesmo? Ao unir o consumo, a paixão, o interesse, a mediatização e, sobretudo, a emoção como factor distintivo, o marketing desportivo tem como principal função gerar oportunidades de negócios no desporto, usando-o como poderosa ferramenta na busca de novos métodos e estratégias de marketing para quem está no mundo dos negócios e deseja que o mesmo flua e traga retornos dos investimentos feitos. E assim o desporto gera receitas por atrair investimentos e mais consumo para as marcas que nelas se associam! É verdade que a nossa realidade ainda é distante de mercados como os europeus, americanos e por ai fora, mas é muito mais real que o desporto nacional, pela sua naturalidade e originalidade, tem uma grande margem de progressão para ser valorizado como negócio, em áreas como o"merchadising", direitos televisivos, comunicação estratégica explorando vários formatos e plataformas. Então porque não começar já, para evitarmos correr mais adiante, como normal e naturalmente gostamos de fazer? Afinal o tempo embora seja um recurso inesgotável, não é renovável e pouco escasso quanto ao seu uso!
Zongo Fernando dos Santos

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »