Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Houve abuso de poder no "negcio da Casa"?

04 de Março, 2019
No artigo da semana passada, levantei a questão de saber como, por quanto e em nome de quem foi alienada a Casa dos Desportistas da Ilha de Luanda, uma instituição estatal que depois passou, sem concurso público, a mãos privadas. Insisto hoje na questão.
Faltou dizer, melhor dito, questionar, se quem operou ou mandou operar a alienação não terá incorrido na suspeita de crime de abuso de poder punido pela Lei da Probidade Pública.
E insisto porquê? Porque a Casa dos Desportistas faz falta à toda a nossa \"sociedade desportiva\". E, desde já, se arbitrariedade alguma houve, então defendo que o actual Executivo, que está olhar para o Desporto com boas intenções \"resgate\" o empreendimento pelos meios administrativos ou legais que poder utilizar.
Confio na capacidade de questionamento que está a ser feito por todo o corpo Executivo do Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, no que aos actos contratuais mal feitos dizem respeito. É sinal de que quer materializar... tudo de bom para o País, singularmente, neste campo social, que é o desporto
Na verdade durante, a sua campanha, e após o anuncio da sua vitória nas eleições gerais de 2017, e nas intervenções que fez, durante e após a tomada de posse, exaltou as promessas que, agora, o povo quer ver concretizado em todas as esferas da vida nacional até 2022 se - pois claro - o Governo que lidera estiver em funções até lá.
Entre o muito que prometeu, na tal áurea de corrigir o que está mal e melhorar o que está bem, colocou acento tónico em duas questões que podem, de facto, fazer Angola andar sobre os carris do desenvolvimento: quer servidores públicos e competentes e almeja ver luta cerrada sobre um mal que esfrangalha a nossa terra que é...a corrupção!
João Lourenço certamente para prometer tudo isto, olhou para atrás, avaliou os males que brotaram do consulado do seu sucessor - José Eduardo dos Santos - para corrigir e fazer o melhor. E a Casa dos Desportistas foi alienada no consulado deste e nada foi questionado.
João Lourenço, nas urnas, teve o beneplácito do povo e então é bom que aposte em mesmo gente competente; aquela que tem efectivamente faculdades para cumprir as atribuições para determinadas missões, determinadas tarefas, determinadas funções, particularmente na gestão social, política e económica do desporto.
O gestor desportivo recomendável e que se recomenda tem de ter habilitações técnicas e profissionais, provadas nas academias ou escolas técnicas, para, assim, subverter, o engodo dos compatriotas que só estão, ou sempre estiveram, em patamares altos de aliciantes departamentos ministeriais a reboque do nepotismo, dos males da oligarquia não formalizada, da bajulação de caserna, da intriga, do \"lambe bota\", para, como que às escondidas, alienarem o que é público, em proveito pessoal.
João Lourenço e a sua equipa está a \"travar estas jogadas\". Tem apoios. Recordo-me que nos últimos dias da sua campanha eleitoral o Presidente da República, João Lourenço, foi visto num \"rendez-vouz\" com a família desportiva, a fim de receber subsídios sobre como deve ser o desporto no seu mandato.
Houve dirigentes modestos nos seus discursos. Sobressaíram os que falaram sem falsos floreados, como o Tomás Faria ( presidente do Petro de Luanda), o Mário Torres ( do Desporto Escolar), a Odete Tavares (andebolista) e igualmente o jornalista Vaz Kinguiri, porque apontaram tecnicamente caminhos para o que deve ser a nova maneira de fazer desporto. Estiveram lá ainda Gustavo Conceição, Leonel Pinto e outros.
Toda esta gente, ainda que em surdina, levantaram, depois, questionamentos sobre o destino da Casa dos Desportistas para mãos particulares, para um enriquecimento sem causa.
Como se sabe, a Casa do Desportista possui 64 quartos, 32 dos quais com capacidade para cinco camas cada para servir agentes desportivos. Na altura em que foi alienada cobrava-se, por quarto simples, o valor de 6.000.00 kwanzas. A suite com cama dupla 7.000.00 Kwanzas, enquanto a de casal está avaliada em 9.500 Kwanzas. António Félix

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »