Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Kangamba e o seu fardo

10 de Junho, 2019
Não faltou aviso tão pouco críticas quando o presidente e dono do Kabuscorp do Palanca aventurou-se em contratar o então melhor jogador do mundo, Rivaldo. Fui um dos tais que teceu críticas ao presidente do Kabuscorp do Palanca, porque achei absurda a ideia. Os meus fundamentos assentavam no facto de ser um desperdício de dinheiro. São valores que podiam ser investidos num campo de treino para as camadas jovens daquela formação. Alías, para a própria equipa principal que anda com a casa as costas. Para conquistar o Girabola não era necessário um investimento dessa dimensão. Primeiro porque o prémio por este concedido não paga um terço dos gastos das equipas campeãs.
Segundo, o Kabuscorp do Palanca não tinha preparado nenhuma máquina administrativa capaz de rentabilizar o activo que representava Rivaldo. Ou seja, não tinha um departamento de marketing à altura de recuperar metade do dinheiro investido. E era possível recuperar, bastava que houvesse especialistas a trabalhar. O merchandising podia dar uma parte, assim como campanhas de publicitárias, utilizando a imagem de Rivaldo. Podia haver eventos do estilo palestras de motivação ou partilhas de experiências pagas e outros tantos. Todos estes actos podiam ter pago mais da metade do passe do jogador brasileiro. Talvez o Kabuscorp do Palanca pudesse na prática gastar cento e cinquenta ou algo mais. Mas nunca assumir todos os custos, e ter que pagar agora com a despromoção. A isso chama-se profissionalismo, uma prática que causa muita resistência para os dirigentes do futebol nacional. A emoção é boa mas não serve para uma gestão no qual estão envolvidos pessoas profissionais. Rivaldo é um profissional. Se o Kabuscorp não compreendeu isso então tem razão de estar a pagar este preço caro. Diz já ter pago a dívida mas estará a pagar para alguém elaborar o recurso. E se não for bem sucedido - oxalá que seja - poderá ter outras consequências, tudo isso porque o seu presidente não usou a razão. O clube fica provido de uma infra-estrutura à altura da sua expressão no futebol nacional e fica prejudicado na sua imagem. Que sirva de exemplo. É um fardo. que Bento Kangamba deve carregar só e só. Não há terceiros aos quais se pode assacar responsabilidades. TEIXEIRA CÂNDIDO

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »