Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Kangamba e o seu fardo

10 de Junho, 2019
Não faltou aviso tão pouco críticas quando o presidente e dono do Kabuscorp do Palanca aventurou-se em contratar o então melhor jogador do mundo, Rivaldo. Fui um dos tais que teceu críticas ao presidente do Kabuscorp do Palanca, porque achei absurda a ideia. Os meus fundamentos assentavam no facto de ser um desperdício de dinheiro. São valores que podiam ser investidos num campo de treino para as camadas jovens daquela formação. Alías, para a própria equipa principal que anda com a casa as costas. Para conquistar o Girabola não era necessário um investimento dessa dimensão. Primeiro porque o prémio por este concedido não paga um terço dos gastos das equipas campeãs.
Segundo, o Kabuscorp do Palanca não tinha preparado nenhuma máquina administrativa capaz de rentabilizar o activo que representava Rivaldo. Ou seja, não tinha um departamento de marketing à altura de recuperar metade do dinheiro investido. E era possível recuperar, bastava que houvesse especialistas a trabalhar. O merchandising podia dar uma parte, assim como campanhas de publicitárias, utilizando a imagem de Rivaldo. Podia haver eventos do estilo palestras de motivação ou partilhas de experiências pagas e outros tantos. Todos estes actos podiam ter pago mais da metade do passe do jogador brasileiro. Talvez o Kabuscorp do Palanca pudesse na prática gastar cento e cinquenta ou algo mais. Mas nunca assumir todos os custos, e ter que pagar agora com a despromoção. A isso chama-se profissionalismo, uma prática que causa muita resistência para os dirigentes do futebol nacional. A emoção é boa mas não serve para uma gestão no qual estão envolvidos pessoas profissionais. Rivaldo é um profissional. Se o Kabuscorp não compreendeu isso então tem razão de estar a pagar este preço caro. Diz já ter pago a dívida mas estará a pagar para alguém elaborar o recurso. E se não for bem sucedido - oxalá que seja - poderá ter outras consequências, tudo isso porque o seu presidente não usou a razão. O clube fica provido de uma infra-estrutura à altura da sua expressão no futebol nacional e fica prejudicado na sua imagem. Que sirva de exemplo. É um fardo. que Bento Kangamba deve carregar só e só. Não há terceiros aos quais se pode assacar responsabilidades. TEIXEIRA CÂNDIDO

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »