Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Liga precisa-se!

13 de Maio, 2019
Antes que as cortinas do Girabola desçam em definitivo, abro as portas para o meu balanço. A minha preocupação prende-se com a sustentabilidade das equipas e da prova em si. Não encontro fundamento para se continuar a jogar o Girabola nos moldes actuais. É um exercício de brincadeira. A desculpa de que a Liga fará desaparecer a prova é absurda, em todo o seu sentido. Países economicamente menos expressivos do que o nosso, têm ligas. A ideia de que o Girabola é um factor de unidade nacional acabou com a queda do muro de Berlim.

Com a adopção de economia de mercado em 1991. Cada ideologia ou sistema político tem os seus clichés. Este foi do sistema anterior. No presente sistema económico é cada um vive do faz. É a partir desse ponto de vista que devemos começar a reflectir. Como pode um jogador profissional ficar quatro, cinco e seis meses sem os respectivos salários e a Federação Angolana de Futebol julgar que se trata da liberdade contratual. Ou seja, de um assunto entre o jogador e o seu clube. E este(o clube) anda de mãos estendidas a toda hora, à espera de um milagre dos patrocinadores, a única fonte de receitas. Como se compreende um futebol feito nestas circunstâncias.

Os patrocinadores nunca foram proprietários dos clubes. Não são e nunca foram. As direcções é que sempre desvirtuaram o conceito de associativismo. Os clubes, sejam eles Petro, 1º de Agosto ou Interclube, sempre foram dos sócios, explica-se por isso que sejam regidos pela lei das associações e não das sociedades comerciais. Porém, o ponto que convoca a nossa reflexão prende-se com a necessidade urgente de se ir para uma liga.

Não importa se a prova será jogada apenas por dez ou doze equipas. O importante é assegurar sustentabilidade dos clubes e tranquilidade para os actores principais da competição: os jogadores. É urgente uma ruptura com o actual modelo. Os clubes precisam evoluir para uma gestão profissional, os jogadores terão de colocar as atenções apenas no relvado e nao como vimos assistindo. Passam a competição toda a gritar por incumprimentos e os clubes para os patrocinadores. Logo na primeira jornada começam as ameaças de desistências.

Situação que se estende durante toda a prova. Estas situações ofendem a imagem da prova, inibido potenciais interessados em associar-se à competição. A Federação Angolana de Futebol precisa de ter coragem, deixar de pensar no umbigo dos seus dirigentes e avançar logo para uma liga. Os resultados dessa mudança podem tardar, mas serão sempre benéficos para o futebol num todo. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »