Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Mais responsabilidade

13 de Junho, 2019
Desde 1996 na África do Sul, aquando da sua estreia, a participação da Selecção Nacional de futebol no Campeonato Africano das Nações foi sempre encarada com alguma responsabilidade, pela Federação Angolana de Futebol, pelo Governo e pelo cidadão comum. Dado que a selecção não é pertença de um clube, pois, representa o país, nela se revêem os angolanos de todos estratos sociais e não é sem razão que o Governo nunca olhou a meios para proporcionar as condições necessárias a uma participação condigna.
É certo, que no cômputo das suas participações, nem sempre correspondeu à expectativa, basta olhar para o que representa o histórico dos seus resultados. Ainda assim, em ocasião alguma foi vítima de desprezo, ou entregue à sua própria sorte.
O que aconteceu, ao princípio desta semana, com os atletas ao serviço da Selecção Nacional a cruzarem os braços, por reivindicarem o mínimo para as suas necessidades básicas, pode afectar os níveis motivacionais do grupo, o que é mau quando faltam poucos dias da competição.
Assim, apetece perguntar que meta competitiva foi definida para esta oitava presença de Angola, na fina-flor do futebol africano. Por que quem estabelece metas, investe na equipa, a começar na preparação, para depois achar-se no direito de cobrar resultados.Com estes constrangimentos, que participação se pode esperar da equipa? Ao menos, é desejo comum que ela não volte a cair, vergada na fase de grupos, como tem sido. É hora, pois, de mostrar níveis de crescimento. Mas por este andar não chegamos lá. A componente financeira é o principal obstáculo de todo o exercício desportivo, nos últimos tempos, quer falemos de selecções, quer falemos de clubes. Por esta ordem, é normal que a FAF esteja com algumas dificuldades de tesouraria. Contudo, deve-se sempre conjugar algum esforço, no sentido de conseguir-se o mínimo, que sirva para serenar os ânimos de quem imbuído do espírito patriótica faz algum esforço para servir o país.
Não foi bom, estando o presidente da Federação, também ele, em Portugal, não se preocupar com os problemas que a equipa enfrenta, tão pouco aproximar-se dos atletas para transmitir-lhes alguma motivação. Se é verdade, o que se diz, o Seleccionador Nacional, Srsjan Vasiljevic, saiu ao encontro de Artur de Almeida para comunicar-lhe o clima menos bom que se vivia no seio do grupo, estaremos perante uma situação que preocupa.

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »