Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Marketing de cabea feita ou de cabea cheia?

08 de Outubro, 2018
Sempre defendi, que marketing é marketing, não importa a área de actuação estratégica, seja política, empresarial, desportiva ou qualquer outra, porque na essência e na génese, o marketing existe para resolver problemas e trazer soluções.
Partindo desse enfoque, é preciso ter em mente que nenhuma empresa será próspera se não tiver um produto de qualidade acessível para oferecer ao mercado. No caso do desporto, essa verdade é ainda mais absoluta, mesmo com o viés da emoção, da paixão, da adrenalina, como factores determinantes para a concepção das estratégias desenhadas.
Porém, é preciso reconhecer, definitivamente, qualquer que seja a equipa de futebol, de basquetebol, ou de andebol, em termos de marketing, nunca devem ser vistas como bancos comerciais, cujo objectivo único é o acúmulo de recursos financeiros.
Ao invés disso, a leitura deve ser feita de maneira contrária: recursos financeiros devem servir os clubes, para montarem as melhores equipas e conquistarem vitórias e títulos, garantia \"sine qua non\" para aumentar o market share, não apenas de espaço e captação de recursos, mas na mente do público e no coração dos adeptos.
Isto, é a base para a expansão do número de sócios e adeptos, principalmente, ao público-alvo mais jovem, a prospecção da marca, a conquista de espaços na media, e respectivamente, de patrocínios e inúmeros negócios.
Soma-se á isso, o apoio das acções de marketing, como modelo de captação de recursos, passaremos a dar-lhe o lugar que verdadeiramente deve representar na estratégia e no salto qualitativo que os clubes precisam de dar, para saírem do ostracismo e ganharem mercado e fatias antes inimagináveis.
O primeiro passo para esta mudança, é justamente começar a olhar o futebol, o basquetebol, ou no caso o andebol angolano, a modalidade que entre nós, pelos vistos, não enfrenta tantos problemas como as anteriores mencionadas, como um negócio com imenso potencial de consumo.
Caro leitor, pense comigo e bem: que outro mercado, em todo o planeta terra, possui um consumidor tão fiel, que não troca de marca durante a vida inteira?
Ao contrário do que ocorre no mercado empresarial, e cada vez mais no sector político, o adepto, o sócio de um clube de futebol, não muda a cor da camisola, só porque o seu clube de coração desceu de divisão, ou não conseguiu ganhar o campeonato, porque o árbitro validou um golo, que no mundo dos imperfeitos e imortais foi o único que teve olhos de “deus” para ver, porque, mas ninguém viu.
O adepto pode deixar de beber e comer durante alguns dias, poder chorar que nem uma criança, mas como se diz, se “nasceu” Petro de Luanda, ou 1º de Agosto, “morre” adepto tricolor ou rubro -negro.
No mercado convencional, as empresas cada vez maisse preocupam em desenvolver estratégias, que possibilitem um maior índice de fidelidade aos clientes, o que nem sempre é alcançado com sucesso, dada a polaridade do consumidor, no seu jeito de satisfação, de preferência, e interesse para com os serviços e produtos oferecidos que estão em permanente mudança!
No desporto, essa perspectiva é vista de forma totalmente diferente.
Mas quem deve, profissionalmente, trabalhar nessa perspectiva?
O compadre ou afilhado do (amigo) da barriga cheia, que só lá trabalha para ageitar as unhas e andar de um lado para o outro a fazer sei lá o quê, ou filho do \"Pepé\" que mesmo não teve a sorte de ir para a escola de sapatos nos pés e pão no estômago, é um individuo formado, com competência e qualidade provadas, é muitas vezes ignorado ou maltratado, pelo simples facto de ter a pouca sorte de não ser conhecido o seu padrinho na cozinha?
Com marketing e com quem faz marketing de forma séria e profissional não se brinca! Mas como se diz, Deus é pai e não padrasto!
Zongo Fernando Santos*

Últimas Opinies

  • 18 de Outubro, 2018

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »