Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio
por Nzongo Bernardo dos Santos

Marketing Desportivo: ir ou no?

20 de Novembro, 2017
Qual a razão da realização de fóruns e mais fóruns sobre marketing desportivo em Angola?
Essa é pergunta que frequentemente me é colocada, quando faço a apresentação da proposta para a realização de um fórum junto dos patrocinadores, parceiros, e entidades colectivas ou singulares anónimas
Ao invés de responder de forma telegráfica,a pergunta “estampada” logo no início deste artigo permitam-me que eu possa recorrer ao famoso poema Cântico Régio, do poeta português José Régio, que tem o seguinte trecho de referência: “NÃO SEI PARA ONDE VOU, MAS SEI QUE NÃO VOU POR AÍ”.
Esse é um trecho de referência, por sinal já cantado por muitos artistas conceituados do music hall da lusofonia.
Recorri propositadamente, ao referido trecho do poema para sugerir e aconselhar os que tutelam política e institucionalmente o desporto nacional, os dirigentes e gestores desportivos, que por favor NÃO VÃO MAIS POR AÍ!
Todos estamos cada vez mais conscientes, de que algo precisa mudar no desporto nacional, mas a maka é que uns tantos não sabem como, outros não sabem por onde é que se deve começar, e um grupo restrito de individualidades nem sabem o que fazer!
Deve-se saber onde se está antes de decidir aonde se quer ir ou como se quer lá chegar.
É verdade que ainda estamos longe do ideal. Principalmente em gestão. Quando ela não é profissional, competente, também não tem um marketing adequado. O marketing no desporto vem junto da gestão bem-feita. Por isso é que, há alguns anos atrás, a RED BULL, deu um passo essencial, senão crucial.
Era uma empresa com tradição enorme de investir, mas que não acreditava em pagar sem participar da gestão. Ela queria ver como a marca era trabalhada, para onde ia o dinheiro, se o produto estava em dia com as acções de marketing, e ela serviu como exemplo do que pode ser feito.
Precisamos nos comprometer melhor na gestão dos clubes.
Temos de reconhecer que foram, mais de 40 anos que o desporto nacional viveu debaixo das asas e da boa vontade do poder público, político e dos dinheiros provenientes do O.G.E, e que o nosso modelo, a nossa estrutura de gestão desportiva, baseado no ASSOCIATIVISMO, herdado desde o período pós independência, há muito que decretou falência passiva, estando na iminência da bancarrota, infelizmente mais para o lado de cá do que de lá!
A verdade é que estamos mal, mas me consola, porque ainda não estarmos pior!
E agora o que fazer? Não bastará, como defendem os círculos mais radicais do desporto nacional, simplesmente mudar tudo e agora!
Sairmos de um modelo de gestão baseado no associativismo hoje, para amanhã passarmos a ter um modelo empresarial desportivo, ou então deixarmos que o desporto deixe de depender dos dinheiros públicos hoje, para amanhã se auto financiar e estabelecer parcerias com o empresariado privado, para obter financiamento sustentável, não é possível, meus senhores e minhas senhoras!
Na minha opinião, é necessário antes de tudo, e isso têm de ser feito hoje ou melhor tinha de ser feito ontem, que se faça um levamento real do que existe, para depois olhar para aquilo que têm valor, acrescentando-lhe ou adicionando- lhe know-how em termos de estrutura profissional e organizativa para que se perceba e se interprete as necessidades, as características únicas, do desporto em geral.
E o marketing desportivo pode e em muito ajudar, porque a sua importância é enorme!
E não existe nenhum segredo especial, para implementar o marketing desportivo em Angola, e tão pouco é preciso realizar um esforço enorme extra para podermos enquadrá-lo no sistema desportivo nacional, o que falta não são ideias, mas sim uma enorme vontade por parte das instituições quer desportivas e empresariais, como reconheceu a dadaaltura a então Secretária de Estado, hoje Ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula Sacramento, que no acto de abertura do IIº Fórum Marketing Desportivo, ocorrido em Outubro do ano passado com o tema, “Gestão e Marketing Desportivo em Tempo de Crise”, disse de forma emocionada, “que os gestores desportivos e não só devem impulsionar o marketing com a introdução de novos métodos que possam alavancar para que daí venham financiamentos.
O marketing é uma actividade que deve ser impulsionada. Queremos encorajar a organização para continuar a realizar acções que visam a protecção de marcas, mas que podem trazer algum benefício financeiro às empresas e esperamos que estas empresas financiem as actividades desportivas\".
Foi como dizer, que precisamos ser mais idóneos, mais organizados, mais eficazes, mais eficientes, para podermos satisfazer o nosso público-alvo, para atrair marcas de renome que estão com os “nervos á flor da pele” para investir no desporto, e para que este possa passar para outro patamar, para a vertente empresarial e comercial.

* Mentor e Gestor Executivo
do Fórum Marketing Desportivo





























* MENTOR E GESTOR EXECUTIVO DO FÓRUM MARKETING DESPORTIVO

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »