Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Marketing desportivo: precisamos de aproveitar o sol e valorizar a chuva

05 de Junho, 2017
\"Do jeito que vocês estão a trabalhar, o marketing desportivo em Angola, muito abaixo da linha da cintura, creio que este é o pior momento possível para apostar no marketing desportivo\",desabafou um especialista brasileiro, numa conversa mantida recentemente em ambiente reservado, com um pequeno grupo de jovens empreendedores, que \"sonham\" fazer grandes negócios através do marketing desportivo, no qual reagi prontamente, perguntando: “Não será apenas o lado difícil, de um momento difícil?\", o que gerou a seguir uma \"discussão\" aberta, numa prolongada partilha de ideias, soluções e projectos \"imaginários\", enfim uma verdadeira tribuna de cidadania, cujas conclusões, na minha opinião, vale a pena transmiti-la nas linhas abaixo, embora de forma sintetizada.

Estamos (quase) todos de acordo que o actual contexto da economia nacional condiciona e muito o desempenho dos diferentes agentes económicos, quer em termos de investimento, quer da expansão ou diversificação da sua carteira de negócios, cujo ambiente continua a inspirar muito cuidado e atenção por parte das autoridades e lideranças nacionais.

Mas por outro lado, \"Pior Momento Possível\" para se realizar um negócio faz parte de um portfólio de certas expressões que parecem destinadas a sobreviver ao tempo que pode de facto ser aplicado virtualmente a qualquer mercado, praticamente de qualquer tempo e que não se extinguirá em qualquer período.

Mas, como se costuma dizer, nem sempre a excepção costuma ser a regra e regra excepção, sabe-se, de acordo com os mais entendidos na matéria, que a economia de um país quer esteja em alta ou em baixa quer \"faça chuva ou faça sol\", nunca apresentará o cenário de melhor momento possível para se fazer negócios porque o mercado não é inimigo e aproveitador, como é visto por alguns, mas sim uma grande e fundamental fonte de recursos, que precisa ser conhecido, trabalhado, calculado de forma correcta e profissional!

Devido às várias incertezas que os segmentos de mercado apresentam em tempo de crise, o marketing (sem distinção, não importa se é desportivo, empresarial, digital e por ai fora), é uma ferramenta profundamente inserida no seio de qualquer segmento económico e promotora de desenvolvimento e atracção de negócios e investimentos, que auxilia na tomada de decisões, não apenas boas decisões, mas as mais acertadas, porque na sua essência o marketing TEM PROBLEMAS A RESOLVER E OBJECTIVOS A ATINGIR!

Dito isto, a escolha dos meios e ferramentas a utilizar não devem ser considerados como os aspectos mais importantes e tão pouco devem ser neles que vamos procurar focar os resultados que vamos alcançar. Não, ao invés disso, os meios e as ferramentas devem ser utilizados com os fins que nos comprometemos a atingir e mais do que isso, apresentar sempre, outras alternativas, tão ou mais atraentes e por custo inferior em investimento e maior ou igual em facturação.

E no nosso caso em particular, o marketing desportivo cai \"como uma luva\", porque são várias as tendências que em muitos casos já são realidade, e outras que vão surgindo e que provavelmente serão temas dominantes nos próximos anos, como importantes fontes de novas receitas para os clubes, além de também ser responsável pela contínua valorização das marcas.

No caso actual, podemos nos referir à exposição mediática das marcas desportivas, sendo que, nesse aspecto, vamos assistindo a uma variedade enorme e criativa de activar as marcas, a forma como se trabalha a arte de ter e manter o relacionamento, cada vez mais sintonizado com o público-alvo, a distribuição de conteúdos através das redes sociais.

Cabe aos profissionais de marketing das federações, associações e clubes desportivos utilizarem as suas competências e criatividade, através de um engajamento e envolvimento DIRECTO dos PRESIDENTES E MEMBROS DE DIRECÇÃO DOS CLUBES, para abrirem novas possibilidades de negócios em áreas até então inatingíveis, seja nas novas tecnologias, em novas experiências e formas de consumo junto dos praticantes, adeptos, fãs e admiradores do mercado desportivo, criação de novos produtos e serviços, sendo esta a porta de entrada para novas fontes de receitas, atrair parceiros e ver cada vez mais crescente a sua base de sócios, adeptos e admiradores.Enfim, basta saber o que se quer, para chegar lá, embora no nosso caso não sabemos ainda se queremos mesmo chegar lá, a julgar pelo facto de ainda assistir-se à tendência de PISCAR À DIREITA, MAS LOGO DE SEGUIDA VIRAR À ESQUERDA!
(*) GESTOR EXECUTIVO DO FÓRUM MARKETING DESPORTIVO
Nzongo Bernardo dos Santos

Últimas Opinies

  • 18 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Temos de nos preparar bem para o jogo que será decisivo e estou convicto que iremos fazer este trabalho em conjunto, não temos muito tempo, agurada-nos um trabalho sério contra uma selecção que perdeu todas as partidas.

    Ler mais »

  • 18 de Março, 2019

    L se foi o sonho...

    O Petro de Luanda, até ontem o único sobrevivente angolano nas Afrotaças, não conseguiu evitar a derrota frente ao Gor Mahia FC do Quénia, em Nairobi, num jogo em que estava “condenado” a não desperdiçar, na totalidade, os pontos em discussão.

    Ler mais »

  • 18 de Março, 2019

    Os estreantes e o ritual de integrao

    Igor Vetokele regressa aos Palancas Negras, depois de muito tempo.

    Ler mais »

  • 16 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Eu já vi três vezes o jogo, muito sinceramente deu para ver alguma coisa na atitude e reacção de certos jogadores.

    Ler mais »

  • 16 de Março, 2019

    Operao Botswana

    A Selecção Nacional de futebol em honras concentra-se amanhã, a noite, tendo em vista a derradeira jornada do Grupo I da campanha para o Campeonato Africanos das Nações deste ano, a decorrer entre 21 de Junho e 19 de Julho no Egipto.

    Ler mais »

Ver todas »