Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Mecenato no desporto: vazio que ocupa espao!

06 de Agosto, 2018
Passados 3 (três) anos, desde que foi publicado em Diário da República , o decreto presidencial nº 195/15 que revoga toda legislação referente ao \"Regulamento da Lei do Mecenato\", que a referida lei não aquece , e tampouco arrefece a prática desportiva em Angola, cujas implicações derivada da crise económica e financeira que o país atravessa, tem levado a queda e perda vertiginosa da sua vitalidade, pujança e qualidade.
Isto ficou bem patente, durante o 1º seminário sobre legislação desportiva e a lei do mecenato, promovido pelo Ministério da Juventude e Desportos, no passado dia 10 de Maio do corrente ano, que contou com a presença em jeito de \"bola cheia\" dos agentes desportivos, e em \"bola vazia\" da classe empresarial.
Muito mais ou menos importante do que este facto, foi visível durante o referido encontro, ter se notado um Secretário de Estado para o Desporto totalmente cauteloso e apreensivo, e um Director Nacional para Políticas Desportivas do MINJUD, a irradiar uma \"cosmética\" satisfação, não deixando de apresentar claros sinais de incerteza.
Ainda sobre o tão badalado seminário ficou bem patente, salvo raríssimas e honrosas excepções, que falta ao desporto angolano estofo intelectual , preparação académica e dimensão especializada, conjunto de factores que fazem um dirigente desportivo buscar ganhos e não tirar benefícios da Lei do Mecenato.
Porém o que mais me deixa perplexo no meio deste pandemónio todo que se vai gerando em torno da lei do Mecenato, é que os benefícios da referida lei foram ultrapassados em sentido funcional, pois os efeitos serão cirúrgicos, se levarmos em conta as causas que enfermam o desporto nacional no actual contexto socio-económico e financeiro que o país vive.
Será que a Lei do Mecenato, corre o risco de se tornar irrelevante com o passar o tempo?
Dando o benefício da dúvida, aposto no talvez sim, do que no possivelmente não!
Embora não possua uma bola de cristal, para \"adivinhar\" o que o futuro reserva para a Lei do Mecenato, no que o desporto diz respeito, devo sublinhar e deixar bem claro que não sou a favor e tampouco tenho algo contra os 40 artigos que compõe a estrutura legislativa e legal da referida lei, porque a minha \"praia\" é mesmo o marketing desportivo.
Facto que não me inibe de deixar bem registado aqui neste espaço, que o mecenato tem motivação social e desinteressada, e sua mensagem é cívica e social que tem como objectivo principal a busca de uma identidade para uma empresa enquanto instituição.
O mecenato é, \"originalmente\" , um mecanismo de apoio financeiro com finalidade altruísta em acções geralmente sociais.
E coloco propositadamente entre aspas a palavra “originalmente” porque a realidade é que, apesar do objectivo apresentado ser apenas o de contribuir para o desenvolvimento positivo de determinada causa, o que acontece é que a entidade beneficiada acaba, regra geral, por referir quem é o benemérito, fornecendo status e valores sociais à marca.
Quanto à Lei do Mecenato , virado para o desporto nacional, é preciso se ter em conta que a sua aplicação e efectivação depende em muito da pré-disposição da classe empresarial e dos investidores, e também de outros ingredientes , como uma economia mais competitiva , onde os empresários, investidores , homens de negócios e empreendedores sintam a necessidade de promover os seus produtos e serviços através de condições \"sui generis\" criadas por quem pretende buscar ganhos da Lei do Mecenato.
Se a Lei do Mecenato é caracterizada por ser um conjunto de incentivos de natureza fiscal que se traduzem na redução de impostos a quem contribua para o desenvolvimento do sector social e afins , visando o desenvolvimento do país, eu que sou um \"peixinho na água\" no que ao marketing desportivo diz respeito, fico incrédulo e céptico em ver a classe empresarial a abraçar de corpo e alma a Lei do Mecenato, porque as suas motivações , objectivos e resultados traçados vão muito além de uma forma de boa vontade , de prestar auxílio no desenvolvimento de acções sociais ou desportivas , sem intenções comerciais.
Na verdade, e atrevo-me a deixar bem registado neste espaço, o que marketing e o mecenato têm em comum é, apenas, a necessidade de existir da parte da marca que patrocina ou da marca benemérita um investimento sobre a marca patrocinada ou beneficiada.
De resto, são duas formas totalmente diferentes , para não dizer opostas, de promover determinada marca, produto ou serviço.
Por este motivo, acredito que o mecenato é bastante eficaz para fornecer projecção política.
*Mentor e Gestor Executivo do Fórum Marketing Desportivo
ZONGO FERNANDO DOS SANTOS *

Últimas Opinies

  • Hoje

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • Hoje

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • Hoje

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »