Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Messi, Ronaldo, e os heris dos oitavos

02 de Julho, 2018
É possível que o Mundial não seja o mesmo a partir de agora, depois de Messi e Ronaldo terem regressado mais cedo à casa por via da eliminação das respectivas selecções, a Argentina diante da França e Portugal no jogo com o Uruguai.
A forma como o torneio se disputa teria de forçosamente colocar um dos jogadores fora de competição, que poderia acontecer até mesmo no confronto directo entre ambos, dado que muitas projecções apontavam para um Portugal-Argentina, caso os dois seleccionados conseguissem passar dos oitavos-de-final.
Em termos de valores individuais é consensual que a competição que a Rússia alberga ficou mais pobre. Tanto o português como o argentino têm méritos reconhecidos, o valor individual e a confirmação de saber com exactidão quem é facto o melhor jogador da actualidade gera sempre pelo mundo fora discussões acaloradas. O facto de nunca ter conquistado nada com a sua selecção, é pouco abonatório para Messi, ao contrário de Ronaldo que na França venceu com Portugal o Campeonato da Europa.
O histórico de Messi com a Argentina tem quatro finais em oito grandes torneios, mas nunca uma medalha de campeão. Por três vezes ele esteve entre os perdedores na final da Taça América, além de ter levado a Argentina à final da última Copa do Mundo, onde a selecção perdeu para a Alemanha no Rio de Janeiro.
Na sua quarta tentativa para subir ao pódio e erguer o troféu, Lionel Messi voltou a falhar com a sua Argentina, ainda que tenha o seu lugar reservado na história, dado que o golo contra a Nigéria, ainda na fase de grupos, tornou-o no primeiro jogador a marcar golos em Mundiais com menos de 20 anos, na casa dos 20 e na casa dos 30.
Depois de ter fechado as portas da selecção, logo após a derrota na final da Taça América, há dois anos, em que chegou a falhar um penalti, acabando por reconsiderar devido, em parte, as vozes que se ouviram no país e fora dele para que reconsiderasse na sua posição, é crível que Messi enverede pela aposentação da selecção, preferindo, ao invés, colocar todo seu valor ao serviço do seu Barcelona de Espanha.
Para o português, o tempo parece ser o seu pior adversário. Por altura do Mundial do Qatar, Cristiano Ronaldo terá 37 anos, e com essa idade dificilmente se imagina o jogador dentro das quatro linhas pela selecção portuguesa e com o mesmo fulgor. Para a FIFA, e depois do Mundial, o futuro de Ronaldo é um problema actual. Num aplicativo, o organismo questiona-se: \"O último vislumbre da lenda?\". É legítimo. Os anos podem começar a pesar sobre os seus ombros, noves fora a sua grande força de vontade e à forma como se tenta superar todos os dias.
Mas se Messi e Cristiano Ronaldo tiveram um afastamento precoce (?) do Mundial, o mesmo não se pode dizer de outras estrelas, duas brilharam nos dois jogos que abriram os oitavos-de-final.
Kylian Mbappé foi uma das figuras do triunfo da França sobre a Argentina (4-3), que selou a passagem dos gauleses aos quartos de final do Mundial 2018.
Segundo o jornal L\'Équipe, o jovem avançado atingiu uma velocidade na ordem dos 37 km/h antes de ser travado em falta na grande área, por Marcos Rojo, aos 11 minutos. Desse lance acabaria por surgir o 1-0 para os franceses. O rapaz correu, marcou e mereceu a distinção de ser o melhor no final do encontro.
Já no confronto entre portugueses e uruguaios, o jovem Cavani acabou por ser o homem do jogo. Os dois golos que marcou asseguraram a qualificação do Uruguai para a fase seguinte e matou o sonho de milhões de portugueses, luso-descendentes ou mesmo adeptos da selecção Tuga, que esperavam algo mais do que a passagem aos \"oitavos\", porque quem tem Ronaldo na sua selecção tem a obrigação de esperar sempre mais em termos de prestação.
A partida entre a França e o Uruguai na próxima sexta-feira vai, nos quartos-de-final, colocar em confronto os dois heróis da abertura dos oitavos-de-final. E certamente que Mbappé e Cavani vão ter uma palavra a dizer.
Ontem, o pesadelo Ibérico continuou, com a Espanha a sair da prova depois da marcação de grandes penalidades, como resultado do empate que persistiu quer no final do tempo regulamentar como no prolongamento.
Era elementar. A Rússia fez questão de usar do seu direito de dono da casa para impor as suas ordens.
Pobre Espanha que não fez por merecer muito mais. Depois dos problemas por que passou a \"Fúria\" espanhola, com a mudança de treinador em cima do campeonato num processo algo atribulado, o descalabro espanhol foi anunciado por este acontecimento inesperado, até porque o conjunto ficou muito a desejar, em que na última jornada diante do Marrocos ficou largos momentos desclassificado, porque os marroquinos souberam bater o pé.
Fontes Pereira


Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »