Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

MINJUD assume papel de catalizador do Girabola

19 de Fevereiro, 2018
Face a anunciada crise crónica dos petro-dólares e o seu impacto na vida social do país, o futebol não escapa à triste e dramática realidade; crise cíclica que já vai no seu quarto ano, desde o choque petrolífero de Novembro de 2014 .
Assim sendo, o MINJUD agarra o touro da crise pelos cornos. Não fica indiferente e investe no Girabola 2018, sobretudo nas equipas mais fracas do Girabola .
Na verdade, a recente decisão do Ministério da Juventude e Desportos de apoiar as equipas vulneráveis que evoluem no nosso Girabola faz todo o sentido, quanto mais não seja para que venha a ser mais disputado e, consequentemente, mais equilibrado, o que lhe conferirá sem dúvidas melhor competitividade.
Já molhamos a sopa na nossa penúltima crónica, dedicada ao incipiente Girabola 2018, quando aludimos ao facto do necessário apoio às equipas mais frágeis por banda de patrocinadores, empresários e as instituições locais e evitar o risco da desistência de algumas delas, o que só teria a perder o desporto-rei intramuros.
Entre as equipas mais carenciadas a evoluir no Girabola temos o Sporting de Cabinda, Progresso do Sambizanga, 1º Maio, Diamont do Bengo, entre outras…
A ministra Ana Paula Sacramento afirmou que as equipas que contratam jogadores estrangeiros, não beneficiarão deste apoio por parte do Governo, através do departamento vocacionado, ou seja , a pasta que dirige- o MINJUND. Tendencialmente, entre as equipas economicamente mais desafogadas ou mesmo folgadas, são aquelas que mais apostam fundo na concorrência, sobretudo na disputa do título, nomeadamente 1º. de Agosto, Interclube, Recreativo do Libolo e Kabuscorp, Petro, para não falar do Sagrada esperança que nos pareceu indevidamente citada por Ana Paulo Sacramento, por ser propriedade da Endiama, numa altura em que a indústria diamantífera ter saído já da crise de 2008/2009, sendo certo que as duas primeiras contam , entre outros recursos, com a quotização dos milhares e milhares de militares e polícias, respectivamente, sendo que a terceira e quarta contam com conta com o concurso de influentes empresários seus proprietários, enquanto que as duas penúltimas são equipas que dispõem dos petrodólares da Sonangol, a entidade proprietária dos clubes petrolífero de Luanda (e dos estudantes do Lobito, que volta meia luta por manter-se no Girabola). Já última além do apoio da ENDIAMA, deveria mesmo buscar acréscimos da sua renda, a patrocínios às distintas empresas diamantíferas privadas que operam na Lunda-Norte e arredores, poupando tais recursos que o Governo em breve disponibilizará àquelas equipas que se confrontam com dificuldades para levar o campeonato até à derradeira jornada, que volta e meia correm o risco de descer de divisão ou ascendem pela primera vez, como é o caso da eqwuipa oriunda do KK.
Efectivamente, o apoio deverá ser priorizado àquelas equipas mais carenciadas, tanto financeiramente, como em termos humanos e materiais, cujo grosso se encontro ou na cauda da tabela ou no meio dos feridos, contusos e contundidos, em meio à gestão da crise avassaladora.
Na verdade, embora os recursos sejam escassos nos dias que correm, o MINJUD poderia estender o seu apoio às demais equipas que comprovadamente não têm recursos financeiros, quer para disputarem o Girabola, como a outras equipas, como ocorre com o Sporting do Lubango, p.ex., que tem várias modalidades além do futebol e tem de fazer das tripas o coração para mantê-las; equipas que, que embora não sejam girabolistas, existem nas diversas províncias do país, com alguma capacidade em matéria de infra-estutura, atletas e alguma performance desportiva, traduzidas em várias modalidades na operacionalidade dos clubes e que se vêm a braços para manter a sua actividade futebolística e não só.
E o que é válido para o Sporting do Lubango será válido para as demais províncias, mesmo aquelas em que apenas têm um representante no Girabola e mais grave ainda: aquelas que há muitos anos não têm nenhuma faz no girabola, como são os casos do Cunene e do Namibe, para não falar do Kwanza Sul e de Malange, apesar da sua importância geo-económica.
O retorno do Bravos do Maquis é um ganho nesse sentido da ultrapassagem das gravosas vencer as assimetrias regionais, bem como a entrada em cena da equipa do KK nesta temporada, concorrendo para a coesão e a unidade nacionais.
Nestes termos, o investimento tem que ser feito, quer nas infra-estruturas, muitas das quais degradadas, por falta de dinheiro e de obras de manutenção, quer directamente nos clubes, como ocorrerá agora, tal como nas suas áreas de formação, infantil, juvenis e juniores, para rejuvenescimentos das equipas, que deverão contar apenas com o concurso de estrangeiros , quanto for esgotado recurso à prata da casa.
Rigorosamente falando, não haja dúvidas que há ainda muitos talentos por serem descobertos tanto nos bairros, incluindo suburbanos sobretudo, e nas escolas, empresas e até nas unidades militares e pára - militares, espalhadas um pouco por todo este país, que poderia levar a contratação da estrangeiros apenas quanto o local fosse inexistente, sendo certo que tal facto, xenofobia á parte acaba por agravar ainda mais o fosse entre as equipas do topo e as demais concorrentes.
As experiências já existentes nesse quadro prospectivo abundam e os exemplos não escasseiam, como acontece com a Academia do Futebol, ou como acontece com os clubes como o de 1ºAgosto e o Petro de Luanda, para só citar estes, podendo garantir não só a transição geracional “pacífica” nos clubes, sem grandes sobressaltos, bem como a afirmação de novas equipas ao nível do Girabola, nomeadamente de novos valores e talentos, assim como a correcção de vícios de origem, na retenção da bola infinitamente, ao invés de ser passada ao companheiro melhor colocado.
Insistamos: o chuto sem ângulo, ao contrário do passe de mágica para o parceiro completamente desmarcado, garantindo a marcação do golo do companheiro isolado, para levar a água para o seu moinho da vitória, por vezes suada ou desperdiçada, em virtude desses factores negativos que são de base: mastigar a bola quanto baste e a perda do lance, para desgosto dos colegas de equipa mais empenhados na disputa da partida e psicologicamente abatidos pelo insucesso do lance.
Finalmente, faz-se importante destacar que, o exemplo do MINJUD deveria ser seguido pelos demais ministérios ligados à juventude, como a Cultura no apoio indispensável aos artistas e a interpelação dos usuários para pagamento da sua propriedade intelectual, bem como ao Ministério da Educação no apoio ao desporto escolar e o Ministério do Ensino Superior para o apoio do desporto nas universidades espalhadas em várias regiões, não só públicas como privadas, para uma maior dinâmica do desporto nas escolas básicas e secundárias, bem como no relançamento e revigoramento do desporto universitário, que teve várias representações em diferentes campeonatos do género, sobretudo nos países do Leste nos anos 80.
A experiência huilana nos dias que correm, ainda que incipiente, deveria ser replicada por todo país, nas zonas onde existam universidades, fazendo apelo à tradição já existente em Luanda e, quiçá, no Huambo, onde nos tempos a que nos reportamos eram as únicas cidades com universidade, além do IISCED, única e exclusivamente, baseado no Lubango.
Hoje por hoje, em que maior parte das cidades já têm universidades e institutos superiores, não só no litoral, como nas províncias encravadas do interior, sem esquecer o Leste, que conta com institutos superiores pedagógicos, estruturas e estudantes que devem ser aproveitados para o relançamento do desporto universitário, inclusive nas antigas “terras do fim do mundo”( hoje terras do progresso), e do desporto, em geral, a nível local, dado que possuem ginásios e campos, alguns dos quais sub-aproveitados para a prática desportiva. Enfim, o sinal que nos vem de estádios feitos durante o CAN de 1010 que se encontram inoperantes e abandonados, com todos os gastos de fundos públicos atinentes, dá-nos que pensar e traz água no bico, no sentido da existência de uma efectiva e verdadeira estratégia nacional de desporto e consequente massificação desportiva em todas as províncias, agremiações e associações desportivas do país; cenário patético que deixa escapar alguma improvisação e mediocridade na gestão desportiva do país e futebolística, em particular. Tal é o amadorismo e a curiosidade em que andamos mergulhados, no que à gestão deste importante dossier cultural diz respeito - os desportos em Angola.
NORBERTO COSTA

Últimas Opinies

  • 20 de Setembro, 2018

    Cartas do leitores

    Não tem sido fácil. O Libolo está situado no interior da província do Cuanza Sul. O acesso é muito difícil, as viagens são constantes e quando estamos à frente de um projecto.

    Ler mais »

  • 20 de Setembro, 2018

    O sonho da China

    Apesar de falhar o acesso ao Campeonato do Mundo de Basqutebol da China, do próximo ano, a partir da quarta janela de qualificação da zona africana, realizada na Tunísia, Angola mantém ainda acesas as esperanças.

    Ler mais »

  • 17 de Setembro, 2018

    Patrocnio no desporto? s com toma l e da c!

    Há muito que tenho esta definição sobre patrocínio de uma forma geral, como a minha favorita: Variável de comunicação que constitui um meio de transmissão do nome e da imagem da empresa.

    Ler mais »

  • 17 de Setembro, 2018

    Corvos do Mazembe escapam "abate" Militar

    Nunca mais, desde o 4-4 do Angola-Mali no CAN de 2010, tinha assistido à uma enchente como a do passado sábado, no nosso estádio 11 de Novembro.

    Ler mais »

  • 17 de Setembro, 2018

    Cartas dos Leitores

    Em função das avultadas somas que recebemos de pessoas amigas, julgamos desnecessário participar no próximo Girabola Zap, sem que haja mais garantias de saldar dívidas.

    Ler mais »

Ver todas »