Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Momento de reflexo

06 de Julho, 2019
Os Palancas Negras já regressaram ao país, depois do pesadelo que foi a sua participação na fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019, que decorre no Egipto. Os amantes do futebol e não só, não perdoam o afastamento prematuro da equipa nacional e as críticas acentuam-se com o regresso ao país.
Os angolanos não esquecem o empate diante da Mauritânia nem a derrota frente ao Mali, num jogo em que necessitavam apenas de um empate para garantirem o passe para os oitavos de final. Uma questão que levou muitos angolanos a apontarem o dedo a inexperiência da Federação Angolana de Futebol (FAF), como um dos principais motivos para o regresso antecipado dos Palancas Negras.
Para cúmulo dos males, a equipa nacional demonstrou, no jogo de abertura diante da forte Tunísia, um futebol de alto nível. Foi aqui que os angolanos elevaram a fasquia; que a presença na fase seguinte seria uma certeza.
Mas, o pessimismo lançou-se sobre todas as previsões de possibilidades, depois do empate, com sabor a derrota, diante da Mauritânia. Não atingir os oitavos de final é um falhanço? Sim. Temos todos de reconhecer isso. Aconteceu e há que reflectir, rapidamente, sobre o assunto. Rapidamente, porque aproximam-se os próximos compromissos dos Palancas Negras.
Aliás, o próximo compromisso está aprazado para o dia 26 do corrente, diante da selecção de eSwatini (ex-Swazilândia), na capital do país, para a primeira mão de acesso a fase final do CHAN.
O afastamento da Selecção Nacional da 32ª edição da Taça de África das Nações é já uma questão do passado e agora é preciso dar tranquilidade a todos os actores. Chegou a hora de reflectir-se sobre o assunto, antes de se tomar uma decisão e aconselhar-se com as pessoas certas, numa clara crítica ao órgão reitor do futebol nacional, no caso a FAF.
Compreendemos as dificuldades ou obstáculos encontrados pela FAF, no que concerne a criação das condições ideias para uma boa representação do \"Onze Nacional\". Mas, com humildade, empenho e astúcia dos seus representantes, que estiveram em peso no Egipto, nada disso teria acontecido. O diálogo seria fundamental para cativar e motivar os jogadores. Coisa, que, infelizmente, não aconteceu.
Esta ressalva não tem o objectivo da criticar o organismo que rege o futebol nacional. Mas é importante que este tipo de situações não passem em claro e não deixem de ser denunciadas, para reforço dos tais princípios e valores que sempre acompanharam o nosso desporto e, particularmente, o futebol, e o tornaram numa modalidade que unifica a Nação, sob pena de perdermos o nosso maior património desportivo.

Últimas Opinies

  • 19 de Setembro, 2019

    Capitalizar os Capitas

    Está na baila o que adjectivo por “Caso Capita”, que até onde sei envolve a direcção do Clube Desportivo 1º de Agosto, o agente do jogador, a Federação Angolana de Futebol e a família de sangue do referido atleta, que até prova em contrário, ainda está vinculado ao clube militar, que o inscreveu para a presente época futebolística.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Sinto-me bem na província da Lunda-Norte. As pessoas têm sido fantásticas comigo, em todos os aspectos. Têm-me apoiado bastante e, naturalmente, os jogadores, direcção e todos os membros do clube.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Pensamento de Drogba

    Considerando que a vida é feita de sonhos e ambições, é de todo legítimo o pensamento do antigo internacional costa-marfinense Didier Drogba, em traçar como meta das suas ambições, enquanto homem do futebol, a presidência da Federação Costa-marfinense de Futebol.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    O lado difcil do marketing desportivo

    "Do jeito que vocês estão a trabalhar, o marketing desportivo em Angola, muito abaixo da linha da cintura, creio que este é o pior momento possível para se apostar no sector”, desabafou um especialista brasileiro, numa conversa mantida recentemente em ambiente reservado, com um pequeno grupo de jovens empreendedores, que "sonham" fazer grandes negócios através do marketing desportivo.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O Sagrada é um clube com carisma, mística e sente-se isso na província, quer no dia-a-dia com os adeptos, quer no contacto com as pessoas.

    Ler mais »

Ver todas »