Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Nicola Berardinelli abriu o caminho

03 de Setembro, 2018
O percurso glorioso do 1º de Agosto na alta-roda futebol nacional iniciou, precisamente, em Dezembro de 1979, quando se deu o pontapé de saída da prova, que nos últimos anos passou a ser apelidada de Girabola-Zap. E, para já, o nome de Nicola Berardinelli, recentemente falecido, acaba por entrar para os anais do clube do “rio seco” e desporto-rei no país, por ter sido ele o primeiro treinador vencedor da história da competição.
Porém, corria o mês de Março de 1980, quando num dia 23 o emblema agostino cortava a meta na primeira posição do Girabola, numa prova disputada por série e em que tinha como principal oponente o Desportivo da TAAG, hoje Atlético Sport Aviação (ASA). Após a conquista da edição de 1979, que conheceu um atraso no seu pontapé de saída, pela morte, em Setembro deste ano, do “saudoso” Presidente Agostinho Neto, o d\'Agosto voltou a triunfar nas épocas de 1980 e 1981, em que rivalizava ainda com a TAAG.
Nessas duas edições, Ivan Ridanovic, oriundo da ex-Jugoslávia, primeiro, e o angolano Joaquim Dinis “Brinca n\'Areia”, depois, foram os dois técnicos a elevar a fasquia do conjunto em termos de títulos. Assim começava a marcha triunfal do conjunto principal das Forças Armadas Angolanas no Girabola e, consequentemente, a conquista do primeiro “tri”.
Depois, a equipa passou por um “jejum” de dez anos sem vencer, até que a direcção do clube, na altura encabeçada por Justino Fernandes e Alves Simões, como presidente e “vice”, voltou a apostar num técnico originário do Leste da Europa.
A escolha recairia no “professor” Dusan Kondic, que cortou a meta, de forma vitoriosa, nas edições de 1991 e 1992 sucessivamente. Depois abriu-se mais um ciclo sem glórias, que vigorou de 1993 a 1995. Contudo, em 1996, sob orientação de Mário de Sousa Calado, o 1º de Agosto “reencontrou-se” com o caminho do título de campeão, ficando, depois, uma época em “branco”, até que em 1998 e 1999, a ex-estrela do clube, Ndungidi Daniel, voltasse a pôr de sentido a concorrência, com a consagração.
E é bom que se diga Ndungidi terá “bebido” bem a lição do compatriota Calado, com o qual havia já sido campeão, mas nas veste de treinador-adjunto em 1996. E como que a provar a alternância do “bom” e “mau”, o conjunto do “rio seco” passou por uma travessia de deserto nas edições do Girabola de 2000, 2001, 2002, 2003, 2004 e 2005, período intermitente também do seu “arqui-rival”, que permitiu a ascensão de outros emblemas do Girabola, como o ASA e o Sagrada Esperança.
Mas, a fazer fé no velho aforismo popular, segundo o qual água mole em pedra dura tanto bate até que fura, o 1º de Agosto voltou a lograr a conquista de título da maior prova do futebol em 2006, sob o comando do holandês Jan Brower. Porém, é importante lembrar, que o aparente reencontro com o sucesso foi como sol de pouca dura, isto porque, depois da consagração com o holandês, o 1º de Agosto voltou a enfrentar um “jejum” de 10 anos.
O “desencontro”, passe a expressão, com os títulos, levou a actual direcção do emblema militar, a apostar novamente num técnico originário das escolas do Leste Europa, no caso Dragan Jovic, que construindo um plantel ousado, onde pontificavam nomes como Gerson Dala e Ary Papel, isto só para citar alguns, retomou as glórias.
Com o bósnio Dragan Jovic, o conjunto sagrou-se campeão em 2016 e 2017, mas face aos seus problemas de saúde, a direcção do clube, encabeçado pelo general Carlos Hendrick, voltou a apostar num treinador oriundo da ex-Jugoslávia.
E foi com Zoran Maki, que antes já havia orientado o Kabuscorp do Palanca, que o d\'Agosto chegou ao segundo “tri” do seu historial, depois dos êxitos obtidos em 1979, 1980 e 1981 e, consequentemente, ao 12º título no Girabola Zap.

Últimas Opinies

  • 18 de Outubro, 2018

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »