Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio
por Arlindo Macedo

Notas da Histria do nosso futebol

09 de Dezembro, 2019
A história oficial do futebol angolano teria de começar pelas décadas de 1920-30-40, porém, vamos aqui cingir-nos ao tempo de Angola já independente. E não se iria festejar a independência sem se jogar à bola; seria incaracterístico de um povo amante do futebol.
Assim pensando e fazendo, em 8 de Fevereiro de 1976, mesmo sem haver ainda federação, convidámos o vizinho e amigo Congo-Brazzaville, que nos havia dado ajuda durante a Luta de Libertação, para jogar um trumuno de amigos, que perdemos por 2-3. O gosto havia ficado, porém, o jogo seguinte só seria um facto mais de um ano depois, a 1 de Junho de 1977, quando encontrámos outro amigo para jogar: Cuba. E vencemos por 1-0.
Nesse mesmo ano, os meses que se seguiram foram para a gestação rápida e o parto do primeiro emblema desportivo do pós-independência: o Clube Central das Forças Armadas Primeiro de Agosto, criado na data homónima e que coincidia com a criação das FAPLA, o braço armado do MPLA.
Quando Angola ascendera à independência, o Clube Recreativo da Cáala, do Huambo, era o campeão de futebol (1975) da nossa terra. Então e de facto, a bola angolana estava a ser dominada pela região Centro-Leste, naqueles que eram os últimos anos de colónia e havia ali muito tropa estacionado vindo
de fora: Ferrovia de Nova Lisboa (campeão de 1974), Futebol Clube do Moxico (1973) e Benfica de Nova Lisboa (1972).
Até parecia predestinação, pois, os dois maiores radialistas do futebol da época, em que não se aventava ainda virmos a ter televisão, eram também natos dali: Carlos Pereira (Novo Redondo, hoje Sumbe, Kwanza-Sul) e Rui Carvalho (Cutato,
Kuando-Kubango). Este último, aliás, foi mesmo o pai do termo “GIRABOLA” (1972), no tempo em que o campeonato angolano era oficialmente denominado "Campeonato do Estado Ultramarino de Angola" portanto, antes da nossa independência.
Ainda relacionado com o futebol, o mesmo Rui Carvalho, ainda em miúdo (Anos 40), havia imaginado um microfone que nunca vira e esculpiu a peça em madeira, para brincar aos relatos, e curiosamente o pequeno escultor não ficara longe da realidade (ver foto). Ele havia imaginado e rabiscado também um jornal desportivo de bolso (a que chamou “Tejolo Quente”, já que antigamente também se gravava texto em pedra...), onde
confirmava a sua veia para o jornalismo desportivo quando um dia crescesse (ver foto); de resto, como o seu alter-ego: Carlos Pereira, apodado de “Rei dos Coqueiros” e quem também baptizou de “Kurikutelas” o estádio do Ferrovia(rio) do Huambo.
Se a história de ambos não se confundir com a das emoções do ressurgimento do futebol angolano no pós-independência, será por falta de proximidade com o desenrolar dos factos. Naquele mesmo ano de 1977, Rui Carvalho era nomeado director-geral da Rádio Nacional de Angola e escolhia para director da Rádio Huambo, a Carlos Pereira. E ambos seriam, juntamente com Elísio de Gregório (Rádio Lobito e Rádio Benguela) os primeiros percussores do radialismo do futebol, que tanto viria galvanizar o bairrismo pelo país e impulsionar gradualmente a circulação de pessoas, no caso os prosélitos do futebol, que ligavam por ar e terra as províncias do país, ali onde fosse possível contornar os focos de tensão militar.
A televisão era ainda um evento recente no país e os seus meios técnicos parcos, além de limitados à sede, em Luanda. A nível da Imprensa, a agência ANGOP havia sido fundada e o diário nacional, “Jornal de Angola”, refundado como jornal da nova Angola independente, embora mantendo a infraestrutura o parque tecnológico herdados (do antigo diário “A Província de Angola”). Tal situação, em termos de publico ou audiência, favorecia por algum tempo a Rádio Nacional, herdeira de todos os antigos rádios-clubes e capacitada para chegar mais próximo e mais rápido ao ouvinte; aliás, a cobertura radiofónica do futebol acabava por servir de ‘’correspondência” para a imprensa e a televisão.
O tempo passava e decorria já o ano de 1979, quando políticamente se decidiu realizar umcampeonato de futebol visando regressar a uma vida normal, para a sociedade, animar o país e interligar as suas regiões. Curiosamente, a competição foi criada por despacho do então secretário de Estado da Educação Física e Desportos, Ruy Mingas.
Até ali perduravam as imagens e memórias de um passado recente do futebol angolano; muitos emblemas haviam desaparecido ou simplesmente ficado inactivos. Se o Centro-Sul havia sido o último reduto dos grandes, em Luanda haviam perdurado o domínio do ASA (de Joaquim Dinis “Brinca n’Areia”), campeão angolano de 1965, 1966, 1967, 1968; e o Sporting de Luanda (de Chico Negrita, Manecas e Geovetty), campeão angolano em 1941, 1942, 1944, 1946, 1947, 1955, 1956, 1963.
Outros grandes emblemas de Angola haviam sido Futebol Clube do Uíge, “Os Dinizes” de N’dalatando, Sagrada Esperança da Lunda-Norte, Sassamba da Lunda-Sul, Lusitano e Sporting, ambos do Lobito; União da Catumbela, Portugal de Benguela e Sporting de Benguela, todos de Benguela; Recreativo da Cáala, Ferrovia e Benfica de Nova Lisboa, aliás, Mambroa, todos do Huambo; Ferroviário e Benfica, ambos do Lubango; e Os Independentes de Porto Alexandre, aliás, do Tombwa, do Namibe, campeão angolano em 1969, 1970 e 1971.
A criação da Federação Angolana de Futebol (FAF), também em 1979, resultou da crescente pressão do generalato (Generais N’dalu, Orlog, Toka, D. Matross e outros) e materializou-se como orientação do então Presidente da República e Comandante-em-Chefe, José Eduardo dos Santos, ao Secretário de Estado Ruy Mingas, para se enviar uma delegação à Suíça (país-sede do Comité Olímpico Internacional [COI] e de várias federações internacionais desportivas, como a FIFA) para ali se formalizar a adesão de Angola àqueles principais organismos.
Um ano mais tarde (1980) era reconhecida a FAF, aceite simultaneamente na Confederação Africana de Futebol (CAF) e na Federação Internacional de Futebol Association (FIFA). A partir dali Angola podia aspirar às competições internacionais, inclusive de clubes.
Além de lazer e entretenimento, o futebol era visto também como um modo de se manter e preparação combativa, como se dizia, das forças armadas e para-militares. Assim e sucessivamente nasciam novos emblemas afectos aos militares, depois do Clube Primeiro de Agosto, das Forças Armadas; nasceu o Interclube, da Polícia Nacional, e o Dínamo Sport Clube, das Tropas Guarda- Fronteiras. Mais emblemas congéneres surgiram ainda, com realce para o Clube “Onze Bravos” do Maquis, do Moxico, e o Grupo Desportivo da Chela, da Huíla.
Em 1980, havia sido concluída a primeira edição do “Girabola” e podia-se finalmente dar uma carreira internacional aos nossos emblemas e à selecção de Angola. Também nesse ano e de maneira controversa, nascia o Atlético Petróleos de Luanda, resultante da inactividade do Clube Atlético de Luanda e absorção do seu nome e património pela maior empresa do país e concessionária do petróleo angolano, a Sonangol. Superando em meios a concorrência, não tardou a ser campeão nacional, dois anos depois (1982) e em crescer rapidamente como o maior emblema nacional com mais títulos ganhos (15 actualmente, contra 13 do eterno arquirrival, Clube Primeiro de Agosto).
Fora das quatro linhas, vivia-se a génese do que viria a ser o único canal de rádio desportiva do país, pois a sua confunde-se com a história do próprio futebol, em particular, e do desporto angolano em geral.
Tudo começou em 1977, quando na Rádio Nacional de Angola se arranjou um quartito e instalou-se o que viria a ser o primeiro ‘desk’ da informação desportiva nacional, ali na Avenida Comandante Gika, sede da RNA. Sem desporto concretamente em Angola, e porque era um tabú falar da antiga potencia colonial, em termos positivos, só à boca pequena se recordava o Benfica e o Sporting e o Porto, até que, acasalando a paixão desportiva de Rui Carvalho, com a gestação de tempos novos, lá se sentiu um impulso e cima, logo abraçado pelo sénior redactor e amante dos desportos, Júlio Sousa e Silva “Julecas”.
Foi ele quem deu as primeiras instruções da técnica jornalística a um jovem igualmente apaixonado pelo desporto, mas ainda iniciante nas lides da radiodifusão, Fernando Calanguinha, que se havia de tornar no primeiro redactor, depois editor desportivo da RNA. Em 1978 e proveniente do Lobito e do Huambo, onde havia caído exactamente nos trilhos de Carlos Pereira, tornei-me no terceiro a juntar-me àquele pequeno núcleo que iria dar origem à Redacção Desportiva da RNA. Ainda em 1981, mas por apenas um ano, reforçou-nos o Alfredo Ferreira (1981) e mais tarde, também fugazmente, o José Cunha (1982), que depois iria dar alma ao desporto na TPA.

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »