Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Nova poca, novos desafios

03 de Fevereiro, 2017
Amanhã, quando 1º de Agosto e Recreativo do Libolo descerem ao relvado do Estádio Municipal dos Coqueiros, para a disputa da Supertaça, estará oficialmente declarada aberta a nova época futebolística. Estará feito o convite aos "artistas da bola", para o regresso à arena, e devolvida ao grande público a alegria contagiante que só o desporto das multidões consegue proporcionar, tenha lá ele os defeitos que tiver, tenha lá ele os problemas que tiver, tenha lá ele o nível de organização que tiver.

Desde já, são duas competições que preenchem a época, sendo a mais importante o campeonato nacional da primeira divisão, ainda que, geograficamente falando, a Taça de Angola tenha uma expressão mais nacional. Mas, é o Girabola que preenche maior espaço, que domina maiores atenções, que apaixona mais corações e que também maior pomo de discórdia proporciona entre os próprios fazedores.

Na verdade, depois que 1º de Agosto ou Libolo erguer a Taça de Angola, haverá só mais uma semana ao meio, para que a bola comece a rolar no campeonato. Será a reabertura dos caminhos que vão dar aos estádios de futebol, e a devolução dos homens às emoções. Num tempo em que as grandes ligas europeias entram-nos casa adentro, com futebol mais polido, até pode parecer patético desatar em tantas referências à prova doméstica.

Mas queiramos ou não, o Girabola é ainda um dos nossos produtos desportivos de maior consumo. Pode ter perdido muito em termos de graça competitiva, se partirmos para comparações com edições disputadas por exemplo nos anos 80 ou 90. Mas é nosso, e como tal deve ser tratado com a devida paixão nacionalista. Porque afinal ele pode melhorar a sua qualidade, desde que todos saibamos como fazê-lo e, sem quaisquer espécie de pressão, arregaçarmos as mangas de camisa para esta empreitada.

E mais: concebido à nascença como factor de Unidade Nacional, numa altura em que o país ainda tentava se erguer das cinzas da secular colonização, com propósito de juntar um povo etno-linguisticamente esquartejado pelas taras do passado, o Girabola é já uma marca, que por esta via deve sensibilizar a todos. A qualidade competitiva conquista-se com políticas de fomento bem delineadas e acompanhadas.

Entretanto, a abertura da época não reflecte apenas satisfação, deixa também escapar alguma incógnita, quanto à capacidade das equipas competidoras suportarem as exigências. Pois, nesta fase de recessão económica, nem todos estão preparados para os "altos e baixos" a encontrar lá mais para frente. Ainda assim, é de louvar a ousadia das equipas que se entregam à competição.

Por exemplo, a época acaba por abrir com uma contrariedade. A desistência do Benfica de Luanda do campeonato nacional, por razões estratégicas, como foi avançado. A FAF desembaraçou-se a encontrar um substituto, vai-se lá saber até que ponto este também está preparado. De resto, as ameaças de retirada no campeonato nacional não são de hoje. Na edição passada foram muitas as equipas cujas direcções aventaram possibilidade de desistência.

Mas, hoje que "diversificação económica" quase virou uma cadeira no currículo académico, é bem provável que os clubes já tenham absorvido conhecimentos que lhes permitam encontrar alternativas que judem acudir eventuais crises que possam surgir ao longo da época. Afinal estar nas competições continentais(no caso das equipas que amanhã jogam a Supertaça), na Taça de Angola e no Girabola, é uma obra hercúlea. É um exercício que requer alguma genica administrativa e mais do que isso, apurada sagacidade nas contas se somar(subtrair é pecado).

Mas, não se pense no mal. Vamos acreditar na capacidade das nossas equipas, só deste modo podemos alimentar esperança numa época sem contratempos, que seja marcada por futebol de qualidade aceitável, que não só agrade o público consumidor, mas também infunda a sensação de o nosso futebol estar numa fase de profunda revitalização. Bem haja nova época...
Matias Adriano

Últimas Opinies

  • 21 de Janeiro, 2019

    Um Sindicato forte trava a FAF e os clubes

    Na passada quinta-feira, este jornal publicou uma notícia que, bem entendida, gravita em torno de uma questão já  antiga, porque, entre nós, ela não é nova. É um assunto que aflige muitos "fazedores" do nosso futebol, sobretudo os sofridos jogadores devido à ausência de um portentoso Sindicato que os defenda perante os clubes e a federação.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Citaes

    Estamos num grupo muito difícil (da AfroLiga, a nova designação da Liga dos Clubes Campeões).

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Regresso aos grupos

    Treze anos depois o Petro de Luanda volta a marcar presença na fase de grupos da Taça da Confederação, a segunda competição mais importante de clubes do órgão que superintende o futebol a nível continental.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Por aqui passou Angola

    Os mais novos desconhecem, mas os que têm certa idade recordam-se da mania do "por aqui passou", vivida no princípio da década de 90, se não estou em erro.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    O vazio das assembleias da FAF

    É quase uma tradição,  reunirmos e no final sairmos com as pastas cheios de nada. Essas são as minhas expectativas em relação à assembleia da Federação Angolana de Futebol (FAF).

    Ler mais »

Ver todas »