Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O (nosso) Petro, Lazare e a queda dos imbatveis

03 de Junho, 2019
Sinto, como adepto, que nas três modalidades colectivas do nosso Atlético Petróleos de Luanda - refiro-me ao futebol, basquetebol e andebol - temos apenas atletas que entram em campos ou quadras com as cores do clube.
Não temos, infelizmente, equipas na real dimensão da palavra a representar-nos. Significa que nem os treinadores, com o trabalho, e treinamento que, supostamente, vêm fazendo - e nem a direcção - com a aparente criação de condições e presença constante nos estádios/quadras, têm sido capazes de infundir nos atletas a saudosa mística "petroatleticana" e o necessário espírito de vitória, jogo após jogo.
Onde é que já se viu uma equipa, que se diz grande, perder com o arquirival, como aconteceu no terceiro jogo dos "play off" no basquetebol, pela diferença de pontos que precisávamos, para nos apurar. Desse jeito, é impossível alimentar mais sonhos.
Assim sendo, só resta nos contentarmos com vitórias esporádicas, aqui e ali, porque verdadeiros triunfos, conducentes a títulos de campeões, vamos "desconseguir".
Mais, enfim, a alegria veio depois, porque desenrolou-se o pano sobre a edição 41 do Campeonato Nacional Sénior Masculino de Basquetebol, também chamado de Unitel - Basket, em cujo corolário fica registado, para os anais da história, que o Atlético Petróleos de Luanda é o Campeão, que o Lazare Adingono é o treinador da competição e que, no rol dos melhores da época, o APL está muito bem representado. Desta feita, sentimo-nos instados a compartilhar pensamentos e sentimentos, quanto mais não seja em 3 nótulas:
1. É disso que os aficionados do APL pedem, exigem e reclamam do seu clube do coração: que a Direcção tenha diligência suficiente, de tornar as equipas das principais modalidades do Clube competitivas ao máximo, almejando sempre a conquista de títulos.
Porquanto, essa já é a marca de água do nosso Clube, remontando aos velhos tempos do Atlético. Pelo que o presente título, também é resultado da estratégia bem conseguida da Direcção de Tomás Faria e Artur Barros, que passou pela manutenção do treinador e pelo devido e pontual reforço do plantel.
Mesmo havendo austeridade financeira do nosso lado, enquanto no lado do sector priorizado do Orçamento Geral do Estado (defesa e segurança) o dinheiro esbanja, até ao despesismo, a ponto de fazerem proliferar equipas militares, quando já temos um Clube Central das Forças Armadas, com todos os danos à verdade desportiva que daí advém.
2. Está visto e comprovado, que o Lazare é o melhor "coach" que anda por aqui, que só não é seleccionador nacional por birra mesquinha de uns quantos iluminados. Ele que sem grandes jogadores luta pelos lugares cimeiros e, quando os tem, garante títulos de Campeão.
Nem é preciso sairmos à rua para gritar: Fica, Adingono!
3. Quanto aos imbatíveis cá do sítio, que desta vez caíram, e com estrondo, só podemos dizer que uma competição é um agregado de fases, em que o primeiro a sorrir nem sempre é o sorridente final.
Aliás, ficamos comovidos com o apelo a Deus do técnico opositor e pelo empenho até à exaustão do Quezada. Mas, debalde, a força e predisposição para a vitória estava nas hostes do APL. Em suma, hoje, contra ninguém, mas, por nós mesmos, quem festeja é a Nação Petroatleticana!
A julgar pelo estoicismo dos pupilos do Lazare, desde a pequena grandeza do Dundão e o brilhantismo do Lukene, às lutas na tabela do Leonel, Mbunga e do Gray, adicionados à fina experiência do Morais e do Cipriano. Bem-haja, Petro de Luanda!! Frederico Batalha

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »