Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O proftico hino dos Palancas Negras

26 de Novembro, 2018
“Rola a bola, passa a bola, nossa Angola a jogar, fica atento, cruza a bola, os Palancas vão ganhar”. Dizia o eterno Beto de Almeida desfilando sua voz na companhia de um batuque sobre o ritmo de um apito melódico, assim ficou o hino dos Palancas Negras, profetizando a vitória e as conquistas gloriosas.
O futebol é uma arte como a música. É como se fossem as setes notas tocadas de maneiras diferentes em cada país. Como dizia João Saldanha, a relação dessas duas artes, ajudam a levantar os ânimos da população a volta do mundo.
Foi em 1912 que surgiu a primeira canção sobre o futebol, teve um autor desconhecido e de fonte de inspiração desconhecida, mais a canção fot-ball girou a volta do mundo e inspirou povos em diversas línguas ritmos e melodias e em Angola não foi diferente durante os campeonatos de futebol.
A célebre canção “Angola a Vencer”, mais conhecida como “Rola a Bola” de Beto de Almeida, que foi factor de motivação decisivo dos angolanos na rota do futebol continental, surgiu no ano de 1995 no auge da campanha dos Palancas Negras para o CAN de 1996, e culminou com primeira aparição de Angola, nesta grande montra do desporto-rei na África do Sul. A letra de Beto de Almeida reflectia os desejos do povo angolano de hastear a sua bandeira ao lado dos grandes nomes do continente. A música pode nos auxiliar na compreensão histórica do nosso país.
A análise da letra nos revela momentos diferentes, sobre a situação do país que atravessava um determinado período histórico. Pois em uma estamos todos unidos e para frente é o caminho e na outra, a coisa aqui está preto mais unidos venceremos. Era preciso acreditar na mudança, a guerra estava na sua fase mais derradeira e o futebol era a única esperança dos angolanos em busca da felicidade e auto estima.
A música de Beto de Almeida passou a análise de um conteúdo, a fim de contribuir no processo de resignificação pedagógica, transformando em instrumentos pedagógicos, capaz de dialogar com outras disciplinas.
Essa mesma canção, 22 anos depois ainda acompanha a equipa de todos nós nos dias de hoje, é utilizada como o hino da nossa selecção nos diferentes spots publicitários nas vésperas dos jogos, é uma música que nos remete lembrar o Estádio da Cidadela a gloriosa catedral do nosso futebol e a brilhante carreira de Akwá na Selecção Nacional, até como dizia Júlio Gonga, a música do Akwá. A morte do autor deixou o futebolista Akwá bastante consternado como uma perda irreparável do processo de transmissão cultural e motivacional.
Diversos artistas angolanos cantaram várias músicas bonitas, em homenagem ao futebol do país e a Selecção Nacional, canção como “Uma chulipa e Palanca Negra” de Bonga, e outros nomes como Dog Murras, Filipe Mukenga, mais nenhuma marcou como o Rola a Bola de Beto de Almeida, toca até nos corações e arrasta multidões para o estádio de futebol. Quando ela é ouvida, faz-nos recordar o compromisso que temos com a Selecção Nacional de futebol, por mais que nos tenha desapontado, mais o povo honra o compromisso com a sua presença no estádio.
Ao derrotar no estádio 11 de Novembro o Burkina Faso, um dos gigantes do futebol africano, Angola carimbou a continuidade de sonhar com mais uma presença no Campeonato Africano das Nações, desta vez a realizar-se nos Camarões em 2019, mais a celebre canção de Beto de Almeida trás entre linhas, a mensagem de que um anão pode matar um gigante deitado ou adormecido. Mais quanto mais gigantes matares te tornarás como um deles.
Edvaldo Lemos

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »