Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O almejado retorno Taa das Naes!

23 de Março, 2019
A presença de Angola na 32ª edição da Taça de África das Nações em futebol já é um facto. A Selecção Nacional de honras logrou esse desiderato graças a vitória obtida em Francistown, Botswana, país para que me desloquei curiosamente na última quarta-feira, com fito de cobrir mais este duelo da equipa angolana na rota para o Egipto-2019, para já um palco que os nossos gloriosos Palancas Negras bem conhecem.
E como disse - e bem o Morais Canâmua -, meu habitual companheiro desta coluna de opinião “A duas mãos”, Angola quebra, assim, o “enguiço”, depois de falhar sucessivamente as edições dos Campeonatos Africanos das Nações (CAN) de 2015 e de 2017, organizadas pela Guiné-Equatorial e Gabão, respectivamente. Para já, Angola confirma o tão almejado retorno à grande montra do futebol continental.
Depois da estreia num CAN em 1996, prova organizada pela África do Sul, Angola voltou a dar o ar sua graça numa grande cimeira do desporto-rei curiosamente dois anos depois, ou seja no certame que o Burkina Faso acolheu em 1998.
Após essas duas qualificações históricas da Selecção Nacional de honras na maior cimeira do futebol continental, o país passou por um período de “jejum”, já que não conseguiu, com efeito, marcar presença nas edições de 2000, 2002 e de 2004. O primeiro destes teve uma organização conjunta do Ghana e da Nigéria, ao passo que os dois subsequentes foram sedeados no Mali e na Tunísia, designadamente.
Porém, após esta “travessia do deserto” por que passou o futebol angolano, com as ausências nas três edições do CAN já referenciadas, houve um engajamento muito forte da instância que superintende o desporto-rei no país e logo, num ápice, assinalamos cinco presenças consecutivas na prova. O período de “bonança” na Taça da Nações inicia precisamente em 2006, quando os Palancas Negras se qualificaram para edição organizada pelo Egipto. A festa da qualificação, porém, foi a dobrar, porque neste mesmo ano Angola esteve também no Mundial de Futebol, que a Alemanha albergou.
A seguir a qualificação ao CAN do Egipto, seguiram-se as das edições 2008 (no Ghana), 2010 (na prova que o país organizou), 2012 (co-organizada pelo Gabão e Guiné Equatorial) e finalmente em 2013 (cujo palco foi novamente a África do Sul).
Agora com mais esta qualificação ao Egipto-2019, espera-se, efectivamente que o futebol angolano reencontre, todavia, o caminho do êxito. Os nossos bravos Palancas Negras, hoje sob comando do sérvio Srdjan Vasiljevic já provaram que são capazes e que em África podem ombrear com algumas das selecções do topo do continente.
Nesse particular, é mister dizer que quer a Mauritânia, a priori rotulada como “out-sider”, quer Angola, acabaram por superar na concorrência o Burkina Faso, apontado a partida como conjunto mais forte do Grupo I desta corrida ao CAN-2019. E como se não bastasse isso, o Burkina Faso exibiu-se, nesta caminhada, nas vestes de vice-campeão africano e, daí, as atenções do grupo estavam centradas sobre o conjunto.
Por outro lado, o Botswana, que se quedou na última posição do grupo com um mísero ponto, acabou por ser o “bombo da festa”. Ao cabo dos seis jogos efectuados as Zebras tswanesas nem sequer conseguiram, pelo menos, tirar proveito algum das três ocasiões em que actuaram na condição de anfitriãs. Por isso, mesmo a última posição ocupada neste série acaba por ser um castigo bem merecido.
Na verdade, quer Angola, quer a Mauritânia, bateram-se condignamente e acabaram, todavia, por justificar esta qualificação à elite do futebol africana, perante a forte concorrência do Burkina Faso, que fez tudo o que pôde, mas sem contudo atingir o objectivo. Aliás, a provar esse facto estão as três vitórias que obteve em casa. E mais ainda: se os Cavalos burkinabes terminassem esta campanha em igualdade pontual com os Palancas, lograriam a qualificação por força da vitória de 3-1 no seu reduto, contra a de 2-1 destes, no Estádio Nacional 11 de Novembro. Por isso, foi uma disputa acesa.
Agora a faltarem praticamente três meses para o arranque desta grande cimeira do futebol continental que o Egipto vai albergar de 19 de Junho e 21 de Julho próximos, há-de todo a necessidade de se começar já a idealizar os objectivos de Angola na prova. E a Federação Angolana de Futebol (FAF), que tem à testa Artur de Almeida e Silva, tem pela frente esta árdua tarefa de começar já a esboçar aquilo que vai ser a campanha do conjunto. Diga-se de passagem Angola já pode não ir ao CAN simplesmente para marcar presença, mas sim para competir ao mais alto nível e tentar acima de tudo ombrear com os adversários que cruzarem o seu caminho.
O Egipto, um palco que os nossos Palancas bem conhecem, depois de lá terem estado na edição de 2006 que este país acolheu, pode testemunhar a nova era que se desenha para o futebol angolano. E que assim seja... Sérgio V.Dias


Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »