Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O caminho logo no Rio Seco

29 de Abril, 2019
Dezoito anos depois, o futebol angolano volta a ser notícia, por conta da medalha de bronze e da qualificação ao Mundial de Sub-17. Ao contrário do feito dos Sub-20, em 2001, que foi recebido com alguma resistência por conta das suspeitas de adulteração de idades por parte de alguns jogadores, este não. Reúne um consenso raro. Não foi um título como tal mas a ovação pela prestação é como se fosse. É de todo modo um feito histórico pois é a melhor prestação alguma vez conseguida nesta categoria. Na hora da euforia e das flores, é preciso não relegar para segundo plano os arquitectos de facto desta obra. São os clubes, treinadores e os jogadores. A ordem não importa. Todos são co-responsáveis pelo feito. É importante que os clubes sejam colocados lado a lado com os jogadores e os treinadores, por todas as razões e mais alguma. Em particular para que os dirigentes desses clubes, como o 1º de Agosto, AFA, Norberto de Castro, Petro de Luanda sintam o resultado do seu trabalho. Segundo para que não lhes ocorra a tentação de recuarem um passo nesta filosofia de investir na formação. É isso que o 1º de Agosto, o exemplo, que devia ser modelo, tem feito. Ofereceu aos miúdos as mesmas condições da equipa principal. Contratou treinadores com conhecimento e experiência. É sem surpresa por isso que vá colhendo frutos. Colheita alás que tem vindo a ser feita já, com uns tantos jogadores ao serviço da sua principal. Show, Mário, Nelson Luz, e outros tantos à espreita de uma oportunidade para se exibirem ao mais alto nível. É crucial, numa altura de hossanas e algum oportunismo, lembrar que oferecer condições ao futebol jovem é um investimento e não despesas. A FAF e os patrocinadores deviam contribuir para alargar este horizonte.Premiar os clubes que trabalham no futuro. 1º de Agosto e outros citados são os grandes clubes comprometidos com o futebol. Há no entanto outros clubes desprovidos de condições que Interclube, Libolo e Kabuscorp ostentam, mas fazem muito pelo futebol. São os mega-olheiros, caçadores de talentos.
Esses devem igualmente merecer as honras nesta altura de festejos.O caminho para nos impormos no futebol africano é logo aí no \"Rio Seco\". Ou na Academia do 1º de Agosto, se melhor não houver. Basta existir dirigentes comprometidos com o futuro, o melhor do futebol e de Angola. TEIXEIRA CÂNDIDO

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »