Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O CAN e os antipatriotas

01 de Julho, 2019
Em 2003, há 16 anos precisamente, fui o enviado especial do Jornal de Angola aos Jogos Panafricanos de Abuja, Nigéria. Uma greve naquela cidade, na sequência do aumento do preço de combustível deixou as caravanas todas sem transportes na Vila Olímpica. Para fazer chegar as suas selecções aos recintos nos quais iam jogar, diversas delegações alugaram táxis. A nossa selecção de xadrez, com Adérito Pedro, Eugénio Campos, Aguinelo Amorim e outros, discutia a medalha de ouro, e perdeu a hipótese de a conquistar por falta de comparência. Ou seja, porque a delegação angolana não foi capaz de alugar um táxi, custava menos de três mil kwanzas. O Estado havia aprovado um orçamento de cerca de quinhentos mil dólares para àquela competição, e apesar disso Angola perdeu por falta de comparência. Como estava no hotel e me apercebi da notícia, claro que publiquei a tal negligência e a respectiva consequência: perca do título. Em Luanda, a notícia suscitou muitas reacções tal como em Abuja. Reunião de emergência no Hotel Sheriton no qual estavam hospedados o ministro e o seu vice da altura. Do encontro resultaram ameaças de que não ia regressar no mesmo avião, que tinha sido fretado com o dinheiro do Estado. Respondi na hora aos senhores, que eu estava em serviço (exibindo o passaporte verde) e o dinheiro era público. Daquele dia até terminar a competição, eu era a ovelha negra do grupo de jornalistas presentes em Abuja. Antes do meu nome, ganhei um prefixo: antipatriota. Em 2006, há 13 anos, novamente enviado especial do Jornal de Angola ao Egipto, para cobertura do CAN. Tinha estado com os Palancas Negras em Espanha, durante 15 dias de estágio e de preparação. No decurso daquele período, a equipa nacional fez uns jogos de preparação com umas equipas alemãs como o Herta de Berlim do Nando Rafael, e o Gilberto, de quem se suspeitava uma lesão, foi utilizado, por autorização do médico da selecção. Na véspera do CAN, os Palancas defrontam Marrocos em Marraquexe e Gilberto lesiona-se. Na hora de saber quem ia tratar do jogador, a FAF lavou as mãos. Gilberto à época era jogador do Al Ahly do Egipto. Soube da informação, e publiquei o abandono do Gilberto. Outra confusão. Outra vez, voltei a ser antipatriota. Jornalista que queria destabilizar o grupo de trabalho. O seleccionador nacional deixou de falar para mim, não aceitava responder as minhas questões na conferência de imprensa, e quando o fizesse, era de maneira inamistosa. Treze anos depois, os nossos colegas que cobrem o CAN do Egipto ganharam o mesmo prefixo. São antipatriotas por estarem a noticiar factos. E os factos são que a FAF é má gestora de crises. Por conta disso, os Palancas Negras ficaram um dia sem trabalhar durante o estágio, e ainda assim os jornalistas são os antipatriotas. Ou seja, o patriota é quem suscita a crise, e nós que a tornamos público é que não somos. Jornalismo é informar com verdade, sobre todo os factos de interesse público. Qualquer coisa diferente disso, pode ser propaganda. E esta, não é feita por jornalistas.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »