Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O drbi dos drbis

25 de Abril, 2015
Apesar deste ano o Petro de Luanda não se apresentar como candidato ao título do Girabola, o dérbi dos dérbis, ou se quisermos, o clássico do futebol nacional está de volta para mais uma refrega entre as duas equipas mais tituladas da competição. Com arranques díspares e a passarem nesta altura por momentos diferentes, militares e petrolíferos prometem não deixar os créditos em mãos alheias.

Longe dos tempos áureos do futebol angolano, que se espera resgatar com a realização da Conferência Nacional, o dérbi de amanhã não deixa de ter o seu “quê” de interesse, apesar de faltar quase todos os ingredientes que fizeram dele o jogo mais aguardado de sempre do nosso campeonato de futebol da primeira divisão.

A actual fraca qualidade futebolística dos dois emblemas e a ausência de estrelas de referência, reduziram em grande medida o número de espectadores, de tal sorte, que hoje a rivalidade no bom sentido entre as claques, já não galvaniza tanto os próprios artistas da bola, a ponto de não fazerem aquilo que os seus antecessores fizeram num passado recente.

A incógnita do resultado deu lugar a quase certeza, dependendo apenas do momento desportivo ou competitivo mais evidenciado por uma delas. Nesta altura, os prognósticos apontam para uma vitória do 1º de Agosto, que vem de quatro vitórias consecutivas, ao contrário do arqui-rival que nas últimas quatro jornadas averbou três empates e uma derrota.

Apesar de um maior entusiasmo por parte dos militares, os petrolíferos estão dispostos a dignificar as suas cores e corresponder à expectativa que gera sempre em torno do maior clássico do futebol nacional, tal como acontece em Portugal com o Sport Lisboa e Benfica e Sporting. Separados por apenas dois pontos, os amantes do futebol nacional esperam presenciar amanhã mais uma boa propaganda ao futebol, o que não tem acontecido nos últimos anos, com jogos muito táctico, sem espectáculo e com uma gritante falta de criatividade de ambos os lados.

Mesmo com o recuo estratégico dos petrolíferos da capital, em relação título, não restam dúvidas de que o jogo com os militares está sempre carregado de alguma rivalidade, pois noves fora essa questão do título, existem muitas outras contas a acertar entre os dois contendores. O 1º de Agosto vai procurar tirar partido do embalo para ficar mais próximo dos líderes e não os perder de vista, de modo a preparar o assalto à liderança que pretende alcançar para a concretização de um objectivo que persegue há mais de oito anos. Dragan Jovic e pupilos têm motivos de sobra para sonhar com mais uma vitória.

Do lado contrário, o estado de espírito não é dos melhores depois da surpresa que constituiu a derrota de 1-3, em casa, diante da Académica do Lobito. Ainda assim, Alexandre Grasseli e seus rapazes esperam mostrar que o incidente verificado na jornada anterior já faz parte do passado.Mas é no terreno de jogo onde as coisas se resolvem. Portanto, mais do que prognosticar um vencedor o melhor é esperar pelo maior clássico do nosso futebol.

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »