Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O desporto e o poder local

17 de Maio, 2018
Na doutrina económica, a autarquia é definida como a qualidade de se ser auto-suficiente. Tipicamente, o termo tem aplicação na vertente ligada à política económica. Entretanto, importa ressaltar que o poder local existe, se o território autárquico consegue sobreviver ou manter as suas actividades sem “apoio”, grosso modo, do poder central.
Por conseguinte, a autarquia não tem necessariamente, que ser só económica. Pois, também contempla outros sectores sociais, cria entre estes simetrias e equilíbrios. É necessário, que a autonomia conferida às regiões produzam valências e qualidade de vida. É verdade que não se pode pensar no poder autárquico, como a panaceia para os inúmeros problemas que se vive, mas tenhamos em consideração que é preciso dar passos para tornar feliz o nosso país.
O desporto também é para aqui chamado. É oportuno que se saiba, o que o poder local reserva aos desportos. Assim, entendemos porque os resultados a nível do desporto, salvo raríssimas excepções, não são os melhores. Ou seja, produzem mais insatisfação. E, os exemplos, estão à mão de semear. Para não se dizer que exageramos, basta acompanhar os programas desportivos nas rádios, nas tvs, até nos jornais, para avaliar os posicionamentos críticos. Aliás, já alguém, em anos que já lá vão, de peito aberto assumiu que andamos a brincar ao desporto. Exagero ou não, mas os factos parece falarem por si.
Dizer que o modelo centralizado é o culpado?! convém não arriscar. Mas cada um de nós deve tirar as suas ilações. E, para ajudar a reflectir, trazemo-vos a desistência do JDM do Girabola. As razões são literalmente conhecidas. As dificuldades financeiras já motivaram outras agremiações, ao grito de socorro. Em resposta, algumas vozes lançam o repto para a alteração dos modelos competitivos.
Aí, está o busílis da questão: reajustar o modelo de disputa do Girabola! O desafio seria extensivo para às demais modalidades, sobretudo às mais sonantes. Aqui, a questão descentralização do desporto, o permitir que as regiões desportivamente se auto-comandem, seria importante. Já que está na moda falar de autarquias, então, que se aproveite para se repensar a forma de perceber o desporto.
É curial sabermos, o que de facto queremos e nos interessa. O que é viável em termos políticos. E, sabermos se as autarquias possam trazer, por via das receitas locais, mais correspondências desportivas. Menos desigualdade de tratamento e menos luandização. Pois, a estarem financeiramente capazes, as regiões estarão mais capacitadas para competir a todos os níveis de igual para igual. Sonhar não é pecado.
Em bom rigor, a atribuição às câmaras municipais da gestão patrimonial e financeira, seria mais fácil para certas regiões criarem riquezas e continuar a manter bom nível de vida (desportiva) e de desempenho, porque sabem que podem contar com o retorno do investimento, quer na formação da juventude, quer na recuperação de infra-estruturas desportivas regionais (se é que ainda existem!).
As autarquias podem ajudar a fomentar o auto -financiamento ou captação de receitas para as equipas desportivas, “latu senso”, e munir as autoridades desportivas locais de poder de decisão para a realização da felicidade desportiva regional. Obviamente, que à semelhança do que se passou com o Ministério do Interior, o ministro Adão de Almeida deve constar da sua agenda um encontro com a família desportiva e informá-la sobre o que o poder local reserva para o desporto.
AGOSTINHO CHITATA

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »