Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O futebol faz diplomacia

16 de Agosto, 2018
A minha primeira viagem para Europa foi dentro da casa, onde vivia com os meus pais no município do Cazenga. Através das vozes sonantes de Arlindo Macedo, Zeca Martins e Vaz Kinguri, vindas de quatro colunas de uma estação radiofónica chamada de 5. O grande programa \"Fora de Campo\" da Rádio Eclésia e as manhas desportivas da Rádio 5, davam-me uma graduação universitária em geopolítica.
Os clubes de futebol à volta do mundo, normalmente trazem nas suas denominações os nomes das cidades de origem. A título de exemplo vimos muitos clubes como: Chelsea FC, CSKA de Moscovo, Real Madrid, AC Milan, FC Porto, Esperance de Tunis, Canon de Yaoundé, Petro de Luanda, etc.
Podemos constatar que uma equipa de futebol destacada a nível internacional, consegue fazer diplomacia além fronteira, colocando o nome da sua cidade na boca do mundo inteiro. Lembro-me de ver hasteado a Bandeira de Novembro no estádio da Luz, com os brilhantes golos de Mantorras. A minha memória viaja até nos longínquos anos de glória de Quinzinho, no FC Porto.
A imprensa portuguesa divulgou trocas de palavras entre o Presidente americano Donald Tromp e Marcelo Rebelo de Sousa de Portugal, devido o craque madeirense Cristiano Ronaldo, considerado melhor jogador do mundo.
O primeiro-ministro albanês, abriu uma conta bancária para que os seus concidadãos doassem dinheiro, para permitir pagar as multas de Granit Xhaka e Xherdan Shaqiri, por terem celebrado os golos contra a Sérvia, fazendo o gesto da águia bicéfala, símbolo da Grande Albânia, que teve grande repercussão geopolítica nos Balcãs.
É verdade que no Mundial da Rússia, os africanos triunfaram jogando pela Bélgica, Inglaterra e França. Homens que deixaram o Congo, Guiné, Marrocos, Camarões, Argélia, Mali, Nigéria e Angola, para tentar a vida na Europa. Muitas bandeiras desses países foram hasteadas na final da Copa da Rússia, quando a França ergueu o troféu.
E agora me pergunto, por que os dirigentes angolanos não apostam numa política eficaz para o desporto, em particular o futebol. Com o futebol a florir, podemos colocar mais longe o nome do nosso país no mundo e das nossas cidades, é possível atrair turistas com o futebol. Lembro-me de egípcios que chegaram de vir conhecer a terra de Gilberto e Flávio Amado e ainda a história do angolano, que chegou de não pagar numa loja no Egipto, por ser conterrâneo do angolano Gilberto.
Futebol é considerado o desporto das emoções e o mais popular entre todas as modalidades existentes na circunferência dos desportos, é praticado por mais de 270 milhões de pessoas à volta do mundo inteiro, segundo dados (FIFA,2016).
O Mundial é o evento desportivo mais famoso que existe e onde muitos países, representados, aproveitam fazer actividades relacionadas com a cultura de povo para povo, e até mesmo abrir relações diplomáticas do ponto de vista politico e cultural.
Edvaldo Lemos

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »