Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O golo fantasma de Cabinda e a conscincia de Talaya

09 de Agosto, 2018
O Girabola 2018 está a duas jornadas do fim. Se por um lado a questão do título está praticamente resolvida, com o 1º de Agosto, a depender somente si para conquistar o tri- campeonato, o 12º do seu historial, a luta para o segundo lugar e quem se juntará ao 1º de Maio de Benguela para descer de divisão ainda é uma incógnita.
Entretanto, até ao presente momento, dois acontecimentos de vulto marcaram o Girabola: a desistência do JGM do Huambo logo no início da segunda volta e o golo do Sporting de Cabinda contra o Petro de Luanda, considerado “fantasma” por muitos.
O referido golo foi considerado “fantasma” ou seja inexistente porque segundo as imagens televisivas (da TPA) a primeira vista dá a impressão de a bola ter embatido na trave. Muito se falou sobre o lance e a maior parte das pessoas considerou um escândalo o árbitro Paulo Talaya, ter considerado golo o lance em referência.
A repulsa pelo facto de Paulo Talaya, ter considerado golo, um lance que a prior estava claro que o esférico havia embatido na trave foi tão grande que o Conselho de Árbitros da Federação Angolana de Futebol (FAF) suspendeu o categorizado juiz.
A direcção do Petro de Luanda, que está em jejum de títulos há quase nove anos, considerou que o árbitro da partida só agiu assim porque provavelmente havia sido corrompido para prejudicar a sua equipa.
Em função do golo polémico sofrido em Cabinda e de outras situações em que os tricolores acharam que foram prejudicados pela arbitragem, a direcção daquele clube apresentou uma queixa ou denúncia de haver suspeita de corrupção de alto nível na arbitragem angolana à Procuradoria Geral da República.
Portanto, é caso para dizer que o suposto golo “fantasma” de Cabinda, mexeu com a família do futebol angolano e por isso precisávamos de um esclarecimento válido por parte do juiz da partida, já que as imagens da TPA, não são muito elucidativas.
Assim, o programa domingo desportivo da TPA, do dia 5 do corrente, convidou o árbitro Paulo Talaya, para esclarecer o por que é que considerou golo o lance em questão. Em função da sua defesa e de uma análise profunda sobre o lance que eu já tivera feito e publiquei no Facebook há quase duas semanas, concluí o seguinte:
1 – Tendo em atenção que ao longo dos quase 40 anos que sigo com alguma atenção o futebol mundial, nunca vi e nem ouvi dizer que algum árbitro tenha confundido o embater de uma bola na trave com o bater nas redes e por isso considerou golo. Não acredito que Paulo Talaya, ou um outro juiz, por mais que tenha sido subornado consideraria golo aquele lance do Tafe.
2 – Embora as imagens da TPA não sejam muito claras, pode-se ver que a trajectória da bola depois de embater no chão diante do guarda redes do Petro, não tem como bater na trave, ela só poderia passar por baixo da mesma. E como a rede estava muito esticada, segundo Paulo Talaya, faz sentido ela resvalar para fora da baliza.
3 – A atitude do guarda redes do Petro depois de o árbitro assinar o golo, é própria quando um guarda-redes sente-se frustrado por não ter defendido uma bola que estava ao seu alcance. Os defesas do Petro, que estão próximos ao lance têm uma reacção normal ao apito do árbitro validando o golo.
4 – Naquela situação, se a bola tivesse embatido na trave nenhum jogador a nível do mundo, por mais manso que fosse, aceitaria pacificamente aquele golo. Em última instância eles prefeririam abandonar o rectângulo de jogo porque seria uma batota crassa e descarada. Dificilmente o jogo prosseguiria.
5 – Nenhum jogador, nem que estivesse a sonhar, festejaria como golo uma bola que embate na trave. O máximo que pode acontecer é levar as mãos à cabeça. Além disso, no mesmo dia do jogo não se ouviu nenhuma reclamação oficial do Petro com relação ao referido lance.
Portanto, em função destes e outros pressupostos aqui não avançados, posso dizer sem receio de errar que Paulo Talaya, pode e deve confiar na sua consciência ou seja pode ter a sua consciência limpa. O golo foi polémico sim, mas foi legal!
Augusto Fernandes

Últimas Opinies

  • 13 de Dezembro, 2018

    CAF e a pedra no sapato

    Em 1996 o Quénia renunciou à organização do Campeonato Africano das Nações, por alegada falta de condições ideais para o efeito. Sendo assim, a África do Sul, que se preparava para acolher a edição de 1998, assumiu o desafio, e, acto ,contínuo,  o Burkina Faso, candidato à edição de 2000, teve de acelerar as obras para receber a prova de 1998.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Citaes

    O Caála foi um digno rival, fechou-se bem, mas o Petro trabalhou para ganhar. Esperamos ter  uma equipa cada vez melhor, porque nesta fase da prova os jogadores já estão mais soltos e os números de golos falam por si

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    O exemplo da Hula

    Há muito, que os clubes provincianos que militam no campeonato nacional de futebol da primeira divisão, divergem dos governos locais,  no que toca ao apoio ainda que mínimo às suas acções. Os governos, por sua vez, sempre alegaram que as verbas que   são cabimentadas não prevêem apoio aos seus clubes.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Pblico empurra cinco nacional ao Mundial da China

    A Selecção Nacional de Angola de Basquetebol vai fazer a oitava presença na mais alta roda do basquetebol Mundial, que a República Popular da China vai  organizar em 2019. Mais uma vez, o público angolano foi determinante para a qualificação.

    Ler mais »

  • 10 de Dezembro, 2018

    A "vara mgica" de Artur Almeida

    Sem terceira intenção, até porque ainda está por aquecer o seu cadeirão, faço o novo reparo a Artur Almeida. Vai para o facto de este nosso novo "governante" do nosso futebol, ter dito, há tempos, que não tem soluções mágicas para a modalidade. Será já uma antecipada e primeira desculpa aos desafios com que vai deparar-se no seu mandato?

    Ler mais »

Ver todas »