Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O marketing desportivo nosso de cada dia!...

06 de Maio, 2019
Parece mentira, mas no próximo dia 8 do corrente mês, quarta-feira, comemora-se, um pouco por todo o mundo, o Dia Internacional do Profissional de Marketing.
Porém a verdade, é que na área do desporto em Angola, em termos de marketing, ainda nos vemos amarrados a conceitos e paradigmas de um passado conservador, tanto nas estratégias de marketing quanto na comunicação, bastante restritos aos pensamentos das lideranças acomodadas em suas posições e no receio da inovação.
Certamente, que é muito complicado mudar o perfil de alguém já formado e formatado, a tendências solidamente “amarradas”, ao pensamento único de gerações mais tradicionais, que por receio de algo que nunca viveu ou nunca viverá, dificilmente procurará arriscar, para petiscar!
Quem me dera ter uma bola mágica de cristal, para adivinhar como será, ou melhor, o que aguarda o futuro do marketing desportivo em Angola!
Porque no presente, por ser uma área pouco aproveitada, por demais desvalorizada, e com projectos incipientes e residuais para explorá-lo, Angola precisa de homens de “barba rija”, não só para dar impulso ao marketing desportivo, bem como, através desta ferramenta intrinsecamente ligada as áreas de gestão e comercial, proporcionar um comprometimento e envolvimento para uma área que em números e géneros profissionais exigem três características principais: a sensibilidade de artista, a mente de engenheiro ou de matemático e a narrativa de jornalista ou escritor, para conseguir fazer a “curva sem perder o controlo do volante”, em termos de cientificidade, levando em conta a nossa realidade, adaptando-a ou ajustando-a, há uma melhor compreensão dos fenómenos mercadológicos e da complexa dinâmica do mercado.
No curto e médio prazo, o profissional de marketing desportivo, que deseja ter sucesso no nosso mercado, deverá ser capaz de tomar decisões, com base em dados que se recolham, com maior interactividade, em tempo real, e numa realidade cada vez mais virtual! É verdade, e podemos estar (quase) todos de acordo, que o actual contexto da economia nacional condiciona, e muito, o desempenho dos diferentes agentes económicos, quer em termos de investimento, quer da expansão ou diversificação da sua carteira de negócios, cujo ambiente continua a inspirar muito cuidado e atenção, por parte das autoridades e lideranças nacionais.
Mas daí, ao ponto de surgirem os “mensageiros do apocalipse”, a defenderem com argumentos capciosos de que estamos no \"Pior Momento Possível\", para se apostar no marketing desportivo, revela até certo ponto, a intenção dolosa dos referidos mensageiros, em criar um holocausto de expressões, que parecem destinadas a sobreviver ao tempo que pode, de facto, ser aplicado virtualmente a qualquer mercado, praticamente de qualquer tempo e que não se extinguirá em qualquer período.
Mas, como se costuma dizer, nem sempre a excepção costuma ser a regra e tão pouco a regra excepção, e, levando em conta o conhecimento que os especialistas e académicos tem sobre esta matéria, sabe-se que a economia de um país, quer esteja em alta ou em baixa, quer \"faça chuva ou faça sol\", nunca apresentará o cenário de melhor momento possível para se fazer negócios, porque o mercado não é inimigo e aproveitador, como é visto por alguns, mas sim uma grande e fundamental fonte de recursos, que precisa ser conhecido, trabalhado, calculado de forma correcta e profissional!
Devido às várias incertezas, que os segmentos de mercado apresentam em tempo de crise, o marketing (sem distinção, não importa se é desportivo, empresarial, digital e por ai fora), é uma ferramenta profundamente inserida no seio de qualquer segmento económico e promotora de desenvolvimento e atracção de negócios e investimentos, que auxilia na tomada de decisões, não apenas boas decisões, mas as mais acertadas, porque, na sua essência, o marketing tem problemas a resolver e objectivos a atingir!
Apesar disso, estou verdadeiramente interessado no presente e no futuro do marketing desportivo em Angola, porque é o lugar onde vou, parafraseando o actor e realizador Woody Allen, passar o resto da minha vida!
*Mentor e Gestor Executivo do Fórum Marketing Desportivo. Zongo Bernardo dos Santos



Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »