Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O mesmo Girabola?

29 de Julho, 2019
O Girabola Zap 2019/2020 vai ser disputado nos mesmos termos do que há 41 anos? Estão os presidentes dos clubes e as associações desportivas satisfeitos ou conformados com isso? Os clubes querem continuar a gastar milhões de kwanzas e receber nada em troca? Mal foram levantadas as cortinas da prova, o Benfica do Lubango anunciou a sua desistência. É isso que os senhores presidentes das associações e dos clubes chamam de futebol profissional? A Federação Angolana de Futebol (FAF) não é capaz de contratar uma empresa para trabalhar num projecto de Liga, enquanto decorre a prova e aplicar na edição seguinte? Fazer isso exige alguma ciência extraordinária? Como temos dito centenas de vezes, com estes senhores na liderança dos clubes o futebol não avança. É preciso convocar uma entidade diferente para dar o impulso. Está visto, existe uma conveniência pura entre os dirigentes dos clubes e a Federação Angolana de Futebol. A Liga é uma conversa que remonta há 20 anos. A FAF está na sua terceira direcção e nada. A direcção de Pedro Neto chegou inclusive de encomendar um estudo a especialistas portugueses. Este documento existe, carece apenas de uma eventual actualização e estabelecer o cronograma de execução. Uma das primeiras etapas, devia ser a discussão pública. Ou com a participação dos clubes, especialistas no futebol e inclusive apelar ao saber das outras modalidades como o basquetebol. Essa discussão podia ocorrer com o Girabola Zap em curso. A desculpa de que a nossa economia não está à altura de suportar uma competição como a Liga, é semelhante a de que o País não estava preparado em 1992 para adoptar a democracia, como se fosse um brinquedo que se impõe automaticamente. É preciso dar o pontapé, arrancar de algum modo até que as coisas se endireitem. Está é a lei da vida: nascer e crescer. Esperar por uma economia robusta é acumular problemas, sofrimento, submeter famílias a sacrifícios absurdos. Nos termos actuais, a FAF não dispõe de mecanismos legais, para curar a situação de clubes que não pagam. Nos termos actuais, ninguém pode comprar acções deste ou daquele clube, porque são apenas as associações desportivas. A FIFA tem. Suspende o clube das actividades desportivas e mais nada. A Liga teria igualmente um mecanismo, para travar as aberrações que vimos assistindo no Girabola ZAp. É urgente, por isso, que seja dada uma vacina para a FAF acordar. Dos clubes não se espera muito, porque estão confortáveis com o dinheiro que recebem do Estado, aliás dos patrocinadores. Um dia já não existirão os tais dinheiros. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »