Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O mesmo Girabola?

29 de Julho, 2019
O Girabola Zap 2019/2020 vai ser disputado nos mesmos termos do que há 41 anos? Estão os presidentes dos clubes e as associações desportivas satisfeitos ou conformados com isso? Os clubes querem continuar a gastar milhões de kwanzas e receber nada em troca? Mal foram levantadas as cortinas da prova, o Benfica do Lubango anunciou a sua desistência. É isso que os senhores presidentes das associações e dos clubes chamam de futebol profissional? A Federação Angolana de Futebol (FAF) não é capaz de contratar uma empresa para trabalhar num projecto de Liga, enquanto decorre a prova e aplicar na edição seguinte? Fazer isso exige alguma ciência extraordinária? Como temos dito centenas de vezes, com estes senhores na liderança dos clubes o futebol não avança. É preciso convocar uma entidade diferente para dar o impulso. Está visto, existe uma conveniência pura entre os dirigentes dos clubes e a Federação Angolana de Futebol. A Liga é uma conversa que remonta há 20 anos. A FAF está na sua terceira direcção e nada. A direcção de Pedro Neto chegou inclusive de encomendar um estudo a especialistas portugueses. Este documento existe, carece apenas de uma eventual actualização e estabelecer o cronograma de execução. Uma das primeiras etapas, devia ser a discussão pública. Ou com a participação dos clubes, especialistas no futebol e inclusive apelar ao saber das outras modalidades como o basquetebol. Essa discussão podia ocorrer com o Girabola Zap em curso. A desculpa de que a nossa economia não está à altura de suportar uma competição como a Liga, é semelhante a de que o País não estava preparado em 1992 para adoptar a democracia, como se fosse um brinquedo que se impõe automaticamente. É preciso dar o pontapé, arrancar de algum modo até que as coisas se endireitem. Está é a lei da vida: nascer e crescer. Esperar por uma economia robusta é acumular problemas, sofrimento, submeter famílias a sacrifícios absurdos. Nos termos actuais, a FAF não dispõe de mecanismos legais, para curar a situação de clubes que não pagam. Nos termos actuais, ninguém pode comprar acções deste ou daquele clube, porque são apenas as associações desportivas. A FIFA tem. Suspende o clube das actividades desportivas e mais nada. A Liga teria igualmente um mecanismo, para travar as aberrações que vimos assistindo no Girabola ZAp. É urgente, por isso, que seja dada uma vacina para a FAF acordar. Dos clubes não se espera muito, porque estão confortáveis com o dinheiro que recebem do Estado, aliás dos patrocinadores. Um dia já não existirão os tais dinheiros. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »