Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O pas dos amigalhaos

19 de Agosto, 2019
Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol. Vassilevic era um técnico dos que se podia dar por feliz em Angola, porque “tinha boa imprensa”. Talvez por ser calado, exactamente oposto ao seu antecessor no cargo, o brasileiro Beto Bianchi, cujo “muito falar” foi imperdoavelmente indexado pelos medias.
Vasilevic e suas fraquezas passaram despercebidos. Seu maior feito foi a qualificação para o CAN do Egipto, prova em que a equipa nacional, quanto a mim, não mostrou futebol de jeito.
As cláusulas do contrato, hoje, distratadas entre o treinador e Federação, nunca foram trazidas ao sol. Falou-se em incumprimentos por parte da FAF, amplamente divulgados pela imprensa e redes sociais, porém, pode haver também incumprimentos da outra parte contratante, à propósito dos quais nada ou pouco se sabe. Provavelmente, porque não interessou aos jornalistas saber o que leva um treinador, com contrato vigente, a negar treinar uma selecção que disputa eliminatórias.
Os incumprimentos contratuais têm consequências sérias. Aqui, tentei comparar a actuação incidente dos jornalistas com o anterior seleccionador. Mas, são contas que um dia faremos!
Os jornalistas dizem sempre, ou aceitam dizê-lo, que a rescisão é amigável. Esta, do Vasilevic, não fugiu à norma. Todas as rescisões, por cá, são amigáveis, dos clubes à Federação. Oh, que incompreensível amizade!
Não estive na escola, o tempo suficiente para ser graduado, mas custa-me entender a intenção das instituições, em usarem o incauto jornalista para propalar as “rescisões amigáveis”. Se existem, é discutível.
Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol. Vassilevic era um técnico dos que se podia dar por feliz em Angola, porque “tinha boa imprensa”. Talvez por ser calado, exactamente oposto ao seu antecessor no cargo, o brasileiro Beto Bianchi, cujo “muito falar” foi imperdoavelmente indexado pelos medias.
Vasilevic e suas fraquezas passaram despercebidos. Seu maior feito foi a qualificação para o CAN do Egipto, prova em que a equipa nacional, quanto a mim, não mostrou futebol de jeito.
As cláusulas do contrato, hoje, distratadas entre o treinador e Federação, nunca foram trazidas ao sol. Falou-se em incumprimentos por parte da FAF, amplamente divulgados pela imprensa e redes sociais, porém, pode haver também incumprimentos da outra parte contratante, à propósito dos quais nada ou pouco se sabe. Provavelmente, porque não interessou aos jornalistas saber o que leva um treinador, com contrato vigente, a negar treinar uma selecção que disputa eliminatórias.
Os incumprimentos contratuais têm consequências sérias. Aqui, tentei comparar a actuação incidente dos jornalistas com o anterior seleccionador. Mas, são contas que um dia faremos!
Os jornalistas dizem sempre, ou aceitam dizê-lo, que a rescisão é amigável. Esta, do Vasilevic, não fugiu à norma. Todas as rescisões, por cá, são amigáveis, dos clubes à Federação. Oh, que incompreensível amizade!
Não estive na escola, o tempo suficiente para ser graduado, mas custa-me entender a intenção das instituições, em usarem o incauto jornalista para propalar as “rescisões amigáveis”. Se existem, é discutível.
Silva Cacuti

Últimas Opinies

  • 19 de Setembro, 2019

    Capitalizar os Capitas

    Está na baila o que adjectivo por “Caso Capita”, que até onde sei envolve a direcção do Clube Desportivo 1º de Agosto, o agente do jogador, a Federação Angolana de Futebol e a família de sangue do referido atleta, que até prova em contrário, ainda está vinculado ao clube militar, que o inscreveu para a presente época futebolística.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Sinto-me bem na província da Lunda-Norte. As pessoas têm sido fantásticas comigo, em todos os aspectos. Têm-me apoiado bastante e, naturalmente, os jogadores, direcção e todos os membros do clube.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Pensamento de Drogba

    Considerando que a vida é feita de sonhos e ambições, é de todo legítimo o pensamento do antigo internacional costa-marfinense Didier Drogba, em traçar como meta das suas ambições, enquanto homem do futebol, a presidência da Federação Costa-marfinense de Futebol.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    O lado difcil do marketing desportivo

    "Do jeito que vocês estão a trabalhar, o marketing desportivo em Angola, muito abaixo da linha da cintura, creio que este é o pior momento possível para se apostar no sector”, desabafou um especialista brasileiro, numa conversa mantida recentemente em ambiente reservado, com um pequeno grupo de jovens empreendedores, que "sonham" fazer grandes negócios através do marketing desportivo.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O Sagrada é um clube com carisma, mística e sente-se isso na província, quer no dia-a-dia com os adeptos, quer no contacto com as pessoas.

    Ler mais »

Ver todas »