Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O pas dos amigalhaos

19 de Agosto, 2019
Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol. Vassilevic era um técnico dos que se podia dar por feliz em Angola, porque “tinha boa imprensa”. Talvez por ser calado, exactamente oposto ao seu antecessor no cargo, o brasileiro Beto Bianchi, cujo “muito falar” foi imperdoavelmente indexado pelos medias.
Vasilevic e suas fraquezas passaram despercebidos. Seu maior feito foi a qualificação para o CAN do Egipto, prova em que a equipa nacional, quanto a mim, não mostrou futebol de jeito.
As cláusulas do contrato, hoje, distratadas entre o treinador e Federação, nunca foram trazidas ao sol. Falou-se em incumprimentos por parte da FAF, amplamente divulgados pela imprensa e redes sociais, porém, pode haver também incumprimentos da outra parte contratante, à propósito dos quais nada ou pouco se sabe. Provavelmente, porque não interessou aos jornalistas saber o que leva um treinador, com contrato vigente, a negar treinar uma selecção que disputa eliminatórias.
Os incumprimentos contratuais têm consequências sérias. Aqui, tentei comparar a actuação incidente dos jornalistas com o anterior seleccionador. Mas, são contas que um dia faremos!
Os jornalistas dizem sempre, ou aceitam dizê-lo, que a rescisão é amigável. Esta, do Vasilevic, não fugiu à norma. Todas as rescisões, por cá, são amigáveis, dos clubes à Federação. Oh, que incompreensível amizade!
Não estive na escola, o tempo suficiente para ser graduado, mas custa-me entender a intenção das instituições, em usarem o incauto jornalista para propalar as “rescisões amigáveis”. Se existem, é discutível.
Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol. Vassilevic era um técnico dos que se podia dar por feliz em Angola, porque “tinha boa imprensa”. Talvez por ser calado, exactamente oposto ao seu antecessor no cargo, o brasileiro Beto Bianchi, cujo “muito falar” foi imperdoavelmente indexado pelos medias.
Vasilevic e suas fraquezas passaram despercebidos. Seu maior feito foi a qualificação para o CAN do Egipto, prova em que a equipa nacional, quanto a mim, não mostrou futebol de jeito.
As cláusulas do contrato, hoje, distratadas entre o treinador e Federação, nunca foram trazidas ao sol. Falou-se em incumprimentos por parte da FAF, amplamente divulgados pela imprensa e redes sociais, porém, pode haver também incumprimentos da outra parte contratante, à propósito dos quais nada ou pouco se sabe. Provavelmente, porque não interessou aos jornalistas saber o que leva um treinador, com contrato vigente, a negar treinar uma selecção que disputa eliminatórias.
Os incumprimentos contratuais têm consequências sérias. Aqui, tentei comparar a actuação incidente dos jornalistas com o anterior seleccionador. Mas, são contas que um dia faremos!
Os jornalistas dizem sempre, ou aceitam dizê-lo, que a rescisão é amigável. Esta, do Vasilevic, não fugiu à norma. Todas as rescisões, por cá, são amigáveis, dos clubes à Federação. Oh, que incompreensível amizade!
Não estive na escola, o tempo suficiente para ser graduado, mas custa-me entender a intenção das instituições, em usarem o incauto jornalista para propalar as “rescisões amigáveis”. Se existem, é discutível.
Silva Cacuti

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »