Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O poder de Bianchi na FAF

28 de Setembro, 2017
“O que me preocupa, não é o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem carâcter, dos sem ética. O que me preocupa, é o silêncio dos bons”. Martin Luther King. Este intróito tem a ver com a suspensão por parte da FAF, do castigo de 30 dias imposto pelo Conselho de Disciplina do mesmo organismo, ao treinador do Petro de Luanda, Beto Bianchi.
O gesto do hispano -brasileiro consta do relatório do juiz António Caxala, que revelou haver \"um leve toque do dedo em riste do treinador ao primeiro assistente, em sinal de descontentamento\" à ordem de expulsão que recebeu aos 59 minutos de jogo, entre a equipa do eixo - viário e o 1º de Agosto.
Jorge Mário Fernandes, presidente do Conselho Central de Arbitragem da Federação Angolana de Futebol, antes do castigo disse que tudo ia depender do que for escrito pelo árbitro no seu relatório sobre o jogo, pelo que \"o treinador pode beneficiar de uma atenuante, ser punido com alguns jogos de castigo, ou pagar uma multa\".
O líder dos árbitros acrescentou ainda, que não existia uma punição específica, pois, tudo estava dependente das sanções dos casos e da gravidade, já que no caso do técnico Beto Bianchi constava que \"teve algumas atitudes mesmo após ser expulso\" do banco da equipa.
O treinador, antes de abandonar o banco, esteve a gesticular com o assistente. Num destes gestos tocou com o dedo indicador na testa do auxiliar de António Caxala, atitude que na opiniao de Jorge Mário Fernandes devia merecer uma sanção disciplinar.
Foi com base nessa atitude do treinador, que o Conselho de Disciplina da FAF o sancionou com a pena de 30 dias. Pena que o leva a falhar quatro dos cimco jogos, que restam para o final do Girabola. Contudo, quando menos se esperava, o Conselho Juridiscional da FAF optou por anular a sanção, depois do Petro de Luanda interpôr recurso. A pergunta que coloco é a seguinte: qual o poder, de Beto Bianchi e do Petro de Luanda, na FAF?
Pergunto, porque é inconcebível a atitude tomada pelo Conselho Juridiscional da FAF, porque Beto Bianchi é useiro e vezeiro nas suas acções de faltas de respeito, para com os organismo nacionais. A sua atitude negativa no jogo com o 1º de Agosto, não foi a primeira, e estou convicto que não vai ser a última.
Alias, ele faz o que bem quer, porque sabe que não será sancionado. Está protegido, porque “colocou” os Palancas Negras na alta roda das vitórias. Uma inverdade que só o actual elenco da FAF não sabe. Aliás, Artur de Almeida está muito satisfeito por Beto Bianchi ter colocado Angola na fase final do CHAN. Como se fosse um caso inédito.
Um caso parecido aconteceu em Espanha. Cristiano Ronaldo foi suspenso por cinco jogos, na sequência das ocorrências vividas durante um jogo com o Barcelona, a contar para a 1ª mão da Supertaça. O jogador foi expulso, depois de uma queda na área adversária. Na sequência da decisão da expulsão, Cristiano Ronaldo deu um empurrão ao árbitro. O árbitro do jogo, Ricardo de Burgos escreveu no seu relatório que o jogador português o “empurrou ligeiramente, em sinal de descontentaento”. O Real Madrid recorreu e tinha esperanças que a sanção fosse levantada. Contudo, o Comité de Apelo manteve o castigo inicial.
Infelizmente, no caso de Beto Bianchi a postura da FAF foi diferente. Cedeu ao recurso interposto pelo seu clube, o Petro de Luanda, talvez por “emprestar” o técnico. Uma atitude leviana, porque a um outro técnico, o do Recreatvo do Libolo, a sanção foi bem mais pesada. Uns são filhos e outros enteados.
Deve-se exigir mais respeito e ponderação aos responsáveis dos clubes e aos treinadores, na abordagem do trabalho dos árbitros. Não se deve ofender, moralmente, as pessoas quando estão erradas. Existem meios próprios para a resolução de casos, quando os treinadores e dirigentes se sintam prejudicados.
O comportamento decepcionante, como o protagonizado por Beto Bianchi e que a FAF pretende esconder, tem de ser alterado para o bem do futebol nacional. Não é aceitável, que se continuem a justificar falhas de objectivos desportivos com as decisões dos árbitros, como aconteceu com Beto Bianchi.
A atitude do Conselho Juridiscional, de anular o castigo de Beto Bianchi, abriu um precedente que pode trazer consequências no futuro. Em minha opinião, muito pessoal, penso que os tribunais desportivos devem adoptar medidas duras, porém, proporcionais e coerentes para que outros treinadores pensem duas vezes, antes de tomarem certas atitudes.
Perante a atitude do Conselho Juridiscional da FAF, o que paira agora na mente dos árbitros? Não foi uma falta de respeito ao seu trabalho? Eles não são falíveis, é verdade. E, todos sabem disso.O futebol nacional já não está no ponto de aceitar as desculpas antigas e tão gastas, como “a culpa foi do árbitro”.
Quem prevaricou deve ser castigado. E, todos os angolanos viram, que Beto Bianchi prevaricou. Logo ,deve ser sancionado. Chega de compadrios. Não chega os 1.500 mil (Um Milhão e Quinhentos mil kz) Kwanzas que recebe para treinar os Palancas Negras? Policarpo da Rosa

Últimas Opinies

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    A eliminao do Petro e o tal patriotismo

    Terminada a participação Petro de Luanda, na Taça Nelson Mandela, é normal que por esta altura, esteja a ser feita uma profunda reflexão em torno da participação na referida competição africana, nos mais diversos aspectos que ela comporta, sem descorar, portanto, a (des) continuidade do técnico Beto Bianchi, que mais uma vez não conseguiu o troféu de uma competição em que esteve envolvido. 

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Palancas Negras de olhos no Egipto

    A Selecção Nacional de futebol honras, vulgo Palancas Negras, só depende de si para chegar à fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019, que vai ser disputado no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Procuramos fazer tudo para vencer o jogo, mas não conseguimos, porque o adversário  (Recreativo do Libolo) foi competente e inteligente, assim como conseguiu aproveitar as nossas falhas defensivas e, em lances de bolas paradas, marcaram os dois golos.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Zebras para domar...

    A Selecção Nacional de futebol de honras, às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, decide amanhã, em Franciston, Botswana, a qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN), que o Egipto acolhe de 19 de Junho a 21 de Julho deste ano.

    Ler mais »

Ver todas »