Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O preo da emoo

06 de Maio, 2019
Não vi pecado nenhum, quando Bento Kangamba fez a sua aventura de ir buscar Rivaldo. Não vi, quer dizer achei que dessa operação pudesse resultar nalguma valia para o clube do Palanca. Rodeado que andava de todo tipo de pessoas, achei que alguém tivesse feito um plano de marketing. Não apenas com vista a engrandecer o nome do seu clube, mas também pensando facturar com o merchandising, assim como fazem outros. Quando vi, no entanto, que a apresentação do jogador não foi seguido de acções de marketing, pus as mãos à cabeça. O valor me deixou ainda mais boquiaberto. Estávamos em presença de um amadorismo e desperdiço, que só cabe na cabeça de uns poucos. Dos tais, cujo dinheiro nunca lhes exigiu sacrifícios à dimensão de uma zungueira, que anda da Boavista até a Mutamba a pé. Além das minhas opiniões públicas na Zimbo, fui discutindo com os meus botões. Como era possível gastar um milhão de dólares e não ter nada em troca. Como podia uma pessoa esclarecida entrar em transe e gastar, num abrir e fechar de olhos, um milhão. Resultado: o Kabuscorp do Palanca não ganhou a imagem internacional que perseguia, contentou-se com um título do Girabola Zap e agora tem a corda no pescoço. É uma vergonha para o Kabuscorp do Palanca e todo o futebol nacional. É uma publicidade nociva ao futebol nacional. Não duvido nada, que os brasileiros possam fazer comentários negativos, quando virem os Palanquinhas no Mundial de Sub-20. O futebol é uma indústria meus senhores. Ponham isso na cabeça. Exige pessoas formadas para cada área. Não digam fui jogador, logo posso trabalhar neste ou naquela área. É preciso uma formação. Não basta a simples vontade de querer. Quem gosta do futebol precisa juntar uma formação em gestão. Se não tem tempo nem vontade, seja apenas dono mas não o gestor, porque lhe falta competência técnica para decidir de modo racional. É tudo isso que falta e faltou ao dono e presidente do Kabuscorp do Palanca. Se quiser evitar então um escândalo, vai ter de desembolsar os valores. E como não é o primeiro nem único que deve receber dinheiro, vamos assistir a uma procissão. Queixas atrás de queixas. É o preço da emoção. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »