Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O preo da emoo

06 de Maio, 2019
Não vi pecado nenhum, quando Bento Kangamba fez a sua aventura de ir buscar Rivaldo. Não vi, quer dizer achei que dessa operação pudesse resultar nalguma valia para o clube do Palanca. Rodeado que andava de todo tipo de pessoas, achei que alguém tivesse feito um plano de marketing. Não apenas com vista a engrandecer o nome do seu clube, mas também pensando facturar com o merchandising, assim como fazem outros. Quando vi, no entanto, que a apresentação do jogador não foi seguido de acções de marketing, pus as mãos à cabeça. O valor me deixou ainda mais boquiaberto. Estávamos em presença de um amadorismo e desperdiço, que só cabe na cabeça de uns poucos. Dos tais, cujo dinheiro nunca lhes exigiu sacrifícios à dimensão de uma zungueira, que anda da Boavista até a Mutamba a pé. Além das minhas opiniões públicas na Zimbo, fui discutindo com os meus botões. Como era possível gastar um milhão de dólares e não ter nada em troca. Como podia uma pessoa esclarecida entrar em transe e gastar, num abrir e fechar de olhos, um milhão. Resultado: o Kabuscorp do Palanca não ganhou a imagem internacional que perseguia, contentou-se com um título do Girabola Zap e agora tem a corda no pescoço. É uma vergonha para o Kabuscorp do Palanca e todo o futebol nacional. É uma publicidade nociva ao futebol nacional. Não duvido nada, que os brasileiros possam fazer comentários negativos, quando virem os Palanquinhas no Mundial de Sub-20. O futebol é uma indústria meus senhores. Ponham isso na cabeça. Exige pessoas formadas para cada área. Não digam fui jogador, logo posso trabalhar neste ou naquela área. É preciso uma formação. Não basta a simples vontade de querer. Quem gosta do futebol precisa juntar uma formação em gestão. Se não tem tempo nem vontade, seja apenas dono mas não o gestor, porque lhe falta competência técnica para decidir de modo racional. É tudo isso que falta e faltou ao dono e presidente do Kabuscorp do Palanca. Se quiser evitar então um escândalo, vai ter de desembolsar os valores. E como não é o primeiro nem único que deve receber dinheiro, vamos assistir a uma procissão. Queixas atrás de queixas. É o preço da emoção. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »