Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O segundo pecado da FAF

19 de Agosto, 2019
A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza. O que se assistiu no CAN do Egipto, foi o epicentro da desorganização. Uma selecção, motivada para fazer uma boa prova, não foi capaz, porque a direcção da FAF não preparou as condições mínimas para o efeito. No terreno da competição, a FAF ainda brindou os adeptos do futebol nacional, com uma situação anedótica. Primeiro, acertou dias antes, com a Federação Sul Africana de Futebol, um amistoso e 24 horas antes desmarcou. Afinal, a direcção da FAF não tinha acertado com o seleccionador nacional esta pretensão. Os Sul africanos reagiram, negativamente, à falta de seriedade da sua similar. Não satisfeita, a Federação Angolana de Futebol ainda protagonizou um filme de Tom e Jerry. Ou seja, incapaz de honrar os seus compromissos com os jogadores e a equipa técnica, tentou imputar a responsabilidade do mau clima do balneário, à imprensa. Alguns de nós (\"jornalistas\"), patrocinamos a brincadeira da FAF. No final da competição, as declarações do extremo Djalma Campos acabaram por confirmar tudo, o que já se sabia: a direcção da FAF estava desorganizada. Sem antes dar uma explicação, sobre o cocktail de problemas que protagonizou no Egipto, manteve a arrogância e por conta disso, o então seleccionador não aceitou orientar os Palancas Negras no CHAN. Resultado: eliminados do CHAN e com centenas de dólares deitados ao lixo. E, quando se esperava que a direcção de Artur Almeida fosse baixar a guarda, procurar (sabe-se lá como e onde) recuperar a sua imagem e dar um rumo diferente as coisas, eis, que nos apresenta um comunicado, a anunciar a rescisão \"amigável\" com o seleccionador, ignorando todos os apelos dos jogadores e da sociedade adepta do futebol, para manter o treinador. Como podia rescindir, amigavelmente, se existia um conjunto de problemas com o treinador, resultante, sobretudo, da sua desorganização e falta de seriedade? Seria alguma surpresa se os Palancas Negras não fossem capazes de se qualificar ao próximo CAN, ou chegar longe nas eliminatórias para o Mundial? Reitero, é necessário que as Associações e os clubes mostrem que se importam com a modalidade, em particular o órgão gestor. É uma questão de respeito para com quem lhes dedica alguma atenção, no meio de tantas preocupações sociais e económicas. Façam alguma coisa, senhores do Futebol!. Pior do que está, não pode descer mais.
Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »