Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O silncio da federao!

21 de Julho, 2017
A menos de 24h00 para a realização da final do Campeonato Africano da Nações de basquetebol masculino, na categoria de Sub-16, prova que decorre nas Ilhas Maurícias, os amantes da \"bola ao cesto\" e não só, continuam a espera das explicações da direcção da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), na pessoa do seu presidente, Helder Martins da Cruz \"Maneda\", que prometeu falar em conferência de imprensa, sobre os motivos que estiveram na base da ausência da Selecção Nacional na fase final da aludida competição.

Contra todas as expectativas, a direcção da FAB decidiu vetar a participação do cinco nacional na fase final do Campeonato Africano das Nações de Sub-16, alegadamente, por ter sido detectado no seio do grupo, liderado na altura pelo técnico Ricardo Rodrigues, dois atletas com idades adulteradas.

Ora, depois do brilharete que Angola deu nos últimos anos, em que conquistou nada mais, nada menos, do que dois títulos africanos nos escalões de formação, sendo um em Sub-16 e, outro, em Sub-18, e, por via disso, duas participações em fases finais de Campeonatos do Mundo, de Sub-17 e Sub-19, respectivamente, terminando com um hiato de mais de vinte anos, era pouco crível que o actual elenco federativo, encabeçado por Helder Martins da Cruz \"Maneda\" fosse colocar o basquetebol jovem angolano fora do convívio dos melhores a nível do continente berço da humanidade.

Pior do isso, é ficar-se até ao momento, sem saber, os reais motivos que estiveram na base da ausência da Selecção Nacional na fase final do Afrobasket das Ilhas Maurícias. A tão anunciada conferência de imprensa continua sem data marcada, e pelo andar da carruagem será colocada certamente no esquecimento.

Entretanto, nos bastidores, fala-se na falta de verbas, como sendo a razão que fez com que Angola falhasse à fase final do Afrobasket da categoria, informação que no entanto, contrasta com àquela que Helder Martins da Cruz \"Maneda\" avançou diante da equipa técnica.
Ao que se sabe é que, a direcção da Federação Angolana de Basquetebol se apegou nos dois casos de adulteração de idades, para afastar o cinco nacional na aludida prova, quando na verdade, poderia se optar em se chamar outros dois atletas para se preencher os lugares e, consequentemente, a selecção marcar presença na maior cimeira desportiva africana a nível da \"bola ao cesto\".

Não sendo a crise financeira que assola o país, resultante da queda do preço do barril do petróleo no mercado internacional, um fenómeno novo, a direcção do órgão reitor da modalidade poderia perfeitamente ter acautelado a presença do cinco nacional do Afrobasket das Ilhas Maurícias.

Aliás, o ministério da Juventude e Desportos (Minjud), ainda no consolado de Gonçalves Manuel Muamdumba, havia alertado em 2014 às federações nacionais sobre a necessidade de se procurar parceiros privados para se colmatar os cortes orçamentais que vinham do Executivo Angolano, por via do Minjud.

Os actuais membros de direcção da federação angolana da modalidade decidiram ignorar completamente esta directriz e, como consequência, os amantes da \"bola ao cesto\" viram a sua selecção fora do Afrobasket 2017. Helder Martins da Cruz \"Maneda\" e os seus colaboradores estavam mais interessados em trazer para Angola à fase final do Campeonato Africano das Nações em seniores masculinos, do que procurar parceiros privados para acudir as mais distintas selecções nacionais.

Angola arrisca-se deste modo, a pagar uma multa no valor de Usd 25 mil dólares norte-americanos junto da Fiba-Afrique, para além de ter que disputar eliminatórias para poder marcar presença em 2019, na fase final do Afrobasket da categoria.
Melo Clemente

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »