Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O to esperado assalto aos grupos

12 de Janeiro, 2019
A equipa principal de futebol do Petro de Luanda cumpre esta tarde, em Bamako, Mali, o primeiro de dois jogos que o podem conduzir à fase de grupos da Taça Confederação, a segunda prova mais importante do continente a nível da modalidade, depois da Liga dos Clubes Campeões, em que o nosso 1º de Agosto já foi afastado.
É um jogo em que o único sobrevivente angolano nas Afrotaças tem responsabilidades acrescidas. Depois de ter afastado nas duas anteriores eliminatórias o Orapa United FC do Botswna e o AS Nyuki da República Democrática do Congo (RDC), os tricolores enfrentam nesta derradeira etapa para o acesso a fase de grupos o Stade Malien.
E, como é de se esperar, a equipa orientada pelo hispano-brasileiro Beto Bianchi vai ao Mali procurar construir um resultado que lhe permita encarar o desafio da segunda “mão”, dentro de uma semana no Estádio Nacional 11 de Novembro, em Luanda, com alguma tranquilidade. Por isso, têm de ser destemido nesta deslocação à Bamako.
O Petro de Luanda terá de demonstrar a mesma eficácia evidenciada nas duas primeiras eliminatórias desta competição que dá acesso à Taça Nelson Mandela, em que afastou o Orapa Unitel FC do Botswna e o AS Nyuki da RDC, com com um “agregado” de 6-0 e de 2-0 em cada uma das duas “mãos” desta. E foi briosa a equipa do “eixo-viário”.
À formação tswanesa, os tricolores aplicaram uma goleada de 4-0, no jogo da primeira “mão” da preliminar da Taça da Conferação, disputada em Luanda, e depois foram a cidade de Francistown, confirmar a qualificação para a segunda eliminatória com um triunfo de 2-0. Já na segunda eliminatória, obtiveram um magro triunfo de 1-0, em Kinsasha, sobre o AS Nyuki, e tendo repetido a dose no jogo de resposta em Luanda.
Por isso, a mesma audácia e determinação é o que se espera hoje da equipa do Catetão frente ao Stade Malien, um “habitué” nas provas sob a êgide da Confederação Africana de Futebol (CAF). E caso consiga um bom resultado no reduto deste, em Bamako, que passa em primeira instância pelo triunfo ou na pior das hipóteses por um empate, isto pode traduzir meio-caminho andado para o “embaixador” angolano.
E nessa altura todos os amantes do desporto e do futebol, a título particular, dentro das nossas fronteiras, devem fazer um cordão de apoio muito grande em torno do Petro. Devem, para o efeito, despir-se das suas paixões clubísticas, para fazer esta corrente de apoio à equipa tricolor, que representa o país nesta segunda maior prova da CAF.
E fazendo ainda aqui alusão ao refrão da canção de Dionísio Rocha de que “na hora de ganhar ninguém segura o Petro. Petro Atlético de Luanda, no Girabola é que comanda e lá fora vamos fazer um figurão”, que como refere o meu companheiro desta coluna de opinião, pode ter sido uma profecia que agora voltará a se tornar realidade, depois do furor feito pelo conjunto nas competições africanas nos idos anos de 80 e 90.
Se efectivamente conseguir um bom resultado hoje, em Bamako, capital maliana, a equipa do Catetão pode dar um passo decisivo rumo à fase dos grupos desta Taça da Confederação. Com a eventual qualificação a esta etapa da competição, o Petro de Luanda vai procurar dignificar a honra de Angola nas Afrotaças, depois da inesperada “queda” do 1º de Agosto na Liga dos Campeões.
O D\'Agosto que o na edição anterior das Afrotaças esteve muito perto da final inédita da “Champion League”, não conseguiu manter as performances na presente “corrida” aos grupos desta maior competição de clubes, ao ser eliminado logo na primeira esquina pelo ignoto AS Otôho do Congo Brazzaville, um adversário de quilate inferior ao seu.
A turma do “rio seco” conseguiu, no jogo inaugural desta primeira eliminatória de acesso aos grupos da Liga dos Clubes Campeões Africanos anular uma desvantagem de 0-2 em Luanda, com os golos de Mongo, Jacques e do profícuo Geraldo, que assinou recentemente pelo Al Ahly do Egipto, que “bisou” na partida. Porém, na deslocação à casa do adversário, não teve arte e nem engenho para conservar a vantagem, acabando por cair aos pés do AS Otôho, ao perder por 0-2 e dizendo, assim, adeus às Afrotaças.
Mas no concernente a campanha do Petro de Luanda é de esperar que consiga ultrapassar todas as adversidades que cruzarem o seu caminho.
É consabido que a nível de África têm sido recorrentes os jogos de bastidores de muitas equipas envolvidas nas Afrotaças, mas ainda assim, o Petro têm estofo e argumentos suficientes para contornar esses aspectos.
Não obstante o facto de hoje, em Bamako, o conjunto se apresentar com uma grande baixa, dado o facto de o brasileiro Tiago Azulão, o principal abono de família do conjunto, no que aos golos, a chamadas vitaminas do jogos, diz respeito, estar indisponível por lesão, ainda assim, o Petro pode fazer um gracinha em casa deste Stade Malien. E fazer uma gracinha, pressupõe a conquista de um resultado, que como já disse atrás, lhe permita encarar o jogo de resposta em Luanda, no próximo dia 19, com certa tranquilidade. E os tricolores têm capacidade para tal. Temos de acreditar nisso!!!...
Sérgio V.Dias

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »